Especial 02: Visto EUA

O segundo post mais lido aqui no blog é sobre o visto americano. A Bru fez dois posts sobre isso aqui, um falando de como tirar o visto e outro contando de como foi a entrevista para renovar o dela.

A gente também já fez o update da mudança do visto que passou a valer 10 anos e não mais os 5 de antes. Legal que quando eu fui fazer o visto, era de 5 anos… e aí uns 6 meses depois, mudou para os 10 anos. Fiquei feliz?

Vou contar nessa nova edição dos vistos, como foi a minha entrevista, que foi um pouco diferente da Bruna. Pra começar que eu fui um dia antes pra SP e dormi por lá. Já essa parte foi bem estressante porque o voo atrasou horrores e o avião que ia pra Congonhas acabou indo pra Guarulhos. Já fiquei feliz e tranquila. NOT. Pelo menos a companhia pagou o deslocamento até o centro da cidade.

Cheguei no hotel – Formula 1 ali perto do Consulado – por volta de 1h da manhã! A entrevista estava marcada para às 9h e como eu ia a pé até lá, acordaria às 7h30 pelo menos. Óbvio que nem consegui dormir, estava muito nervosa e com medo de perder a hora. Eu sempre fico nervosa com perder a hora de manhã cedo com voos e etc.

Ok acordei cedão, peguei todos os documentos, milhões de coisas provando outras milhões de coisas pra não ter nenhum problema e não duvidarem de mim. Sorte que estava calor e fui a pé tranquila por ali. Era bem pertinho e no caminho já deu aquela acalmada.

Cheguei no Consulado e a fila era gi-gan-tes-ca! Mostrei o comprovante de agendamento e entrei no fim da fila. Tirei meu visto em Dezembro, época super lotada. Mas tudo bem, eu reservei o dia inteiro pra isso e o máximo que podia fazer era ficar na fila mesmo. Dava vooooltas naquela entradinha e não dava pra fazer nada, tinha um guarda que ficava gritando que não podia falar no celular, não podia escutar música, não podia sentar no concreto que separava a fila, não podia respirar nem nada. Volta e meia alguém falava no celular e lá vinha o guarda gritar com a pessoa.

Quando a Bruna foi, não tinha guarda-volume, na real tinha um pago. Quando eu fui, meses antes, tinha espaço pra guardar essas coisas eletrônicas tipo celular, pen-drive, mp3, chaves, etc. Depois de 2h30 na fila só pra entrar no Consulado, deixei essas coisas lá na entrada e achei que né, lá dentro seria mais susse… já que já tinha entrado.

Ledo engano. Lá dentro mais fila. O espaço é bem grande e depois que você entra tem mais 4 filas marotas até estar liberado. Juro, quatro filas. Quase não acreditei nisso.

Quando entrei fui correndo pegar a senha pra 1º fila. Essa foi bem rapida e era para entregar o passaporte e alguns documentos. Depois da 1º fila você ganha outra senha para a 2º fila, para pegar as digitais – por que não pegam tudo junto? – e enfim você ganha a senha para a entrevista em si.

Essa tive que esperar mais 1h30 mais ou menos, e o lugar já estava ficando mais vazio um pouco. Até aí eram já 12h. Não tinha nada pra fazer, fui sozinha e conversei rapidinho com uma menina que estava lá para renovar o visto de estudante. Como as senhas são divididas entre turimo, estudo e trabalho, a sequência é diferente e no fim ela foi antes de mim para a entrevista.

Fiquei observando que a galera que vai tirar visto de estudo e/ou trabalho fala com 2 entrevistadores diferentes do resto do pessoal, e pelo que vi, parecia tenso. Eles ficavam um tempão lá, mostravam muuuitos documentos e os carinhas pareciam meio brabos.

Os de turismo eu não conseguia ver de onde estava sentada, mas fiquei com medo que todos fossem tensos assim. Comecei a ficar preocupada de novo.

Enfim foi a minha vez. Aimeudeuseagora? A entrevista foi tranquila, o negócio é estar confiante. Como tinha visto para estudo na Itália, o lance foi mais rápido. Ele perguntou o que eu fazia no Brasil e na época eu fazia estágio, perguntou se eu seria contratada, se gostava do meu trabalho, o que eu queria fazer nos EUA e quanto tempo ia ficar, perguntou o que eu fiz e quanto tempo fiquei na Itália e SÓ!

Foi muita magia essa entrevista. Eles não pediram comprovante de nada, nem de renda, nem de residência, nem nada. Levei trocentas coisas e não usei nem a metade dos documentos. Bom, menos mal né, melhor do que não levar, pedirem e eu não conseguir o visto! Essa entrevista acabou sendo mais fácil do que a do visto italiano, que tive que apresentar muitos documentos. O mais chato mesmo foram as filas quilométricas.

Depois da entrevista você ganha um canhotinho para a 4º e última fila da saga, a de envio do passaporte. Essa fila é lá fora de volta, e é mais rápida. Só acho um absurdo o preço do envio do passaporte: R$ 50,00. Levei um choque quando a moça me falou, mas fazer o quê né? Paguei e fui embora almoçar e passear em São Paulo!

Passei o final de semana lá e foi tudo tranquilo. Visto aprovado e programando a viagem pros EUA!

Ah, os entrevistadores são americanos e falam aquele português engraçado com sotaque, mas eles entendem bem e o que me entrevistou era bem gente boa, meio novinho até.

Resumo da ópera: vá antes do seu horário para garantir, leve todos os documentos possíveis e imaginários, não tenha pressa e nem fique nervoso. É só não mentir que está tudo certo!

Boa sorte pra todo mundo que for tirar o visto! Quem já tirou conta pra gente se foi tranquilo, médio ou medão.

Comentários

comments

2 Comments on Especial 02: Visto EUA

  1. Miguel
    19 de abril de 2011 at 9:35 (8 anos ago)

    meu visto chegou ontem, de trabalho. Fiquei 4 horas lá, cheio até o talo. Não usei nada da resma de papel que levei, 10 minutos de entrevista em inglês, suei dois litros, fim.

    Responder
  2. Mariana
    19 de abril de 2011 at 9:53 (8 anos ago)

    o visto foi tranquilo.
    chegar lá que foi um parto.
    o taxista não sabia onde era! andamos duas quadras e eu desci do taxi sem pagar. mané.
    e também briguei no guarda volumes.
    era pago. e era 5cão.
    quando fui buscar, me cobraram 10zão!
    é um que fica na esquina.

    NÃO COLOQUEM SEUS PERTENCES LÁ.
    saí xingando todo mundo!

    Responder

Leave a Reply