#Fail: viajando enrolada no The New York Times

Dia lindo, céu azul e calor escaldante. Eu diria, sem exagerar, que a temperatura era de uns 92º, literalmente. Mas calma, estamos falando de graus Fahrenheit, já que o segundo dia mais quente da minha vida eu passei em Washington-DC.

Depois de passar 7 horas e 20 minutos camelando pelas ruas da capital estadunidense e consumir 2,5 litros de água, tudo o que eu queria era o conforto e o ar condicionado do ônibus para retornar a Nova Iorque.

Comprei o The New York Times para ler no caminho e embarquei. Ônibus praticamente vazio, subi na parte superior e sentei no primeiro banco. Vista panorâmica durante a viagem e ninguém sentado ao meu lado. Melhor do que isso, só tirando o tênis e esticando as pernas no vidro. Pronto, agora sim eu estava confortável para encarar 5 horas de viagem.

Friorenta que sou, com menos de 30 minutos de estrada tive que colocar meu tênis de novo. Olhei discretamente para o banco ao lado e uma senhora vestia um cardigã. “Que exagero. Essa é mais friorenta que eu”, pensei.

Uns 10 minutos depois eu já estava pensando que um cardigã cairia bem com aquele ar condicionado, mas tentei lembrar do calor que passei ao longo do dia e aguentei mais uns… 3 minutos, até começar a me encolher no banco.

Olhei para trás e notei que somente TODAS as pessoas estavam usando casaquinhos e, pasmem, até moletons! A essa altura do campeonato eu já estava sentindo uma dorzinha daquelas que parecessem ser no osso, sabe?! De tanto frio! Foi nessa hora que decidi descer e conversar com o motorista. Eu sou o tipo de pessoa que evita essas coisas ao máximo. Jamais falaria com o motorista se eu não estivesse me sentindo tão mal com o frio. Ele falou que iria desligar um pouco o ar e voltei feliz para o meu banco.

O ar deve ter ficado desligado por 30 segundos e depois, pra compensar, acho que ele colocou mais frio. Eu sei que pode parecer exagero, mas a minha unha estava ficando roxa já, então desci novamente, mostrei minha unha para ele, falei que eu não tinha blusa e que eu estava congelando. Falei que não precisava desligar, mas que poderia deixar menos frio.

Nessa segunda tentativa, o ar deve ter ficado menos frio por uns 20 minutos, até que ele colocou novamente na mesma temperatura congelante de antes, foi então que eu me dei conta que não adiantaria pedir novamente. Esse era o motivo de todos estarem usando moletons: eles gostam de frio até no verão!!

Olhei para as minhas coisas empilhadas no assento ao lado e lá estava ele, o The New York Times. Não pensei duas vezes e comecei a abrir o jornal e sim, fiz exatamente isso que você está pensando: me enrolei. Duas folhas nas pernas, uma no peito e a bolsa por cima para segurar tudo. Não, eu não tinha mochila e nem mala. Era só uma viagem bate-volta de NY, não imaginei que fosse precisar de segunda pele, moletom, casaco e cachecol.

A senhora que vestia o cardigã me olhou estranho. Nem liguei. Pior mesmo é passar frio. E foi assim que eu aguentei as 3 horas de viagem restantes. Com pouca classe, mas quentinha : )

E que isso sirva de lição para quem pretende viajar de ônibus nos Estados Unidos: não importa se a temperatura for 92º Fahrenheit ou Celsius, SEMPRE leve um casaco!!

Comentários

comments

4 Comments on #Fail: viajando enrolada no The New York Times

  1. Gabi
    7 de março de 2015 at 20:53 (3 anos ago)

    Longe de mim querer tirar o glamour da coisa, mas isso é real aqui no Brasil também. Qualquer ônibus que tenha ar condicionado, vem congelando. To acostumada já a, se for viajar de ônibus, levar meia, blusa com bolso pra enfiar a mão, e cachecol.O fim da picada…

    Responder
    • Mariana
      Mariana
      8 de março de 2015 at 10:39 (3 anos ago)

      Pois é, Gabi.
      Aqui também é gelado, mas a diferença é que quando eu viajo aqui, já vou prevenida e como tava tão quente lá, jamais ia imaginar que passaria tanto frio :(
      Mas ok, a gente sempre aprende alguma coisa depois de um perrengue. Hahaha

      Responder
  2. Nah - Pra Ver em Londres
    10 de março de 2015 at 10:00 (3 anos ago)

    Minha única pergunta é: CADÊ A SELFIE DESSE LOOK? haha
    Brincadeira, Mari, fiquei com dó de você. Espero que você não passe por isso de novo. :)
    Queijo!

    Responder
    • Mariana
      Mariana
      10 de março de 2015 at 12:59 (3 anos ago)

      Nossa, eu tava com um mau humor tão grande, mas tão grande, que nem pensei em tirar foto, até mesmo porque eu nem escrevia no blog naquela época (foi em 2010) e jamais pensaria em registrar um momento tão difícil da minha vida. Hahaha
      Mas olha, agora que passou eu acho até engraçado, mas no dia eu sofri muito.

      Responder

Leave a Reply