O dia que eu visitei uma tribo indígena

Quando via reportagens na TV de gente indo em alguma tribo indígena eu sempre pensava “nossa, que legal que deve ser isso, que experiência, que diferente!”, e nunca pensei que um dia eu mesma pudesse visitar uma. Não por nada, mas nem sabia por onde começar a organizar isso. Onde ir, como ir, autorização para tal, quanto tempo, qual tribo… enfim, uma série de dúvidas que sempre me fizeram não resolver nada sobre isso.

Mais engraçado ainda é que meu TCC na faculdade foi uma coleção de roupas e jóias com estampas e formatos baseados em máscaras rituais de tribos indígenas brasileiras (que tirou 10, by the way, cof, cof). Li tanto sobre as tribos, estudei várias na aula de Antropologia e mesmo assim nunca soube por onde começar a pesquisar sobre uma real visita à essa cultura.

Aí vem Manaus e me surpreende mais uma vez com essa opção de passeio! Claramente é algo um pouco mais turístico, uma visita rápida e não aquela experiência antropológica de ficar dias junto com os índios, mas mesmo assim é algo tão incrível, tão único, que não tem como não amar essa oportunidade.

Durante os trajetos que fazemos ao longo do rio, é possível ver várias tribos espalhadas, com uma bandeirinha branca hasteada e por vezes índios na margem. A nossa parada foi na tribo dos Tatuyos. Assim que paramos na margem, tem uma subida que assusta, e confesso que não é muito fácil. Tem que cuidar muito pra subir ali. Além de íngreme, o chão tem areia e fica muito escorregadio.

visita a tribo indígenaA subidona, a oca principal e o macaquinho que estava nos acompanhando.

Lá em cima já surgem algumas ocas e os índios já muito simpáticos saudando a nossa chegada. Como eu falei, essa tribo está preparada pro turismo, eles tem um acordo com as agências locais e também é preciso avisá-los uns dias antes sobre a parada ali. Não é oba-oba, não!

O cacique dessa tribo indígena nos recebe com muita simpatia. Ele fala português (ah, jura? Juro, porque as tribos indígenas não tem o português como língua, cada uma tem a sua. Eles falam com leve sotaque) e explica para todos como funciona na tribo, quem são eles, explica algumas danças rituais e depois nos convida a dançar com eles.

visita a tribo indígena

Uma coisa sensacional e chocante é que, sabe as danças? Então, não é coisa de 10 minutos ou 1h de duração. Elas são feitas incessantemente por dias, semanas! Sem parar, sem parar para comer ou dormir. Eles apenas param um pouco pra tomar um energético natural deles e só. A gente fez uma dancinha com eles, e gente é bem cansativo, porque eles batem as pernas com muita força no chão. Não é a toa que índio tem pernão.

visita a tribo indígenaAs fotos não estão as melhores, mas eu estava mais preocupada em  ver e conhecer tudo ao vivo e não através das lentes.

Depois da brincadeira toda, podemos andar livres por ali e conversar com os índios, tirar fotos – o cacique sempre muito disposto pra isso –  comprar algum artesanato. Lá não tem Visa hein? Tem que levar dinheiro e de preferência trocado, porque não rola muito troco lá em cima. Tem outros integrantes que falam português, mas bem básico, então com alguns não rola uma mega conversa.

visita a tribo indígenaOlha essa coisica fofa que tirou meu namorado pra dançar lá!! 

Essa experiência aí, não tem como descrever. Foi incrível e especial. Acho que vale demais a pena. Como eu falei nesse post aqui, fui com a Amazon Explorers fazer os passeios e essa visita faz parte do pacote Belezas do Rio Negro. Diferente da visita ao Museu do Seringal, essa aqui não rola fazer por conta (eu acho). Pelo que entendi é preciso de uma autorização pra fazer essa parada e avisar os índios antes também. Como o pacote tem ainda outras paradas legais que vou contar, acho que vale sim muito a pena fazer todo esse combo, ir tranquilo e sem se preocupar com como e onde ir pra cada paradinha. Lá é tudo de barco também, e é bom ir com gente que sabe navegar ali.

Comentários

comments

1 Comment on O dia que eu visitei uma tribo indígena

  1. Lara Napolis
    25 de maio de 2015 at 0:50 (3 anos ago)

    Eu fiz esse passeio recentemente e AMEI!!! Uma experiência única!!! Vale a pena conhecer essa região!!! Beleza natural incrível e um banho de cultura!!!

    Responder

Leave a Reply