O que fazer na região de Malalcahuello e onde se hospedar

Santiago, Atacama, Pucón, Chillán… são todos lugares que muita gente (pra não dizer todo mundo) já ouviu falar. Agora, Malalcahuello… ah esse eu levei um tempo só pra conseguir pronunciar!!

Malalcahuello é uma pequena cidade no Chile e, quando estava montando o roteiro pra retornar a Santiago, queria fazer mais algumas paradas pra conhecer mais coisa ao invés de tocar 10h seguidas até a capital. Aí paramos em Valdivia, que falei no último post, e escolhemos essa região aqui para dormir 2 noites e conhecer mais alguns parques diferentes e ver/visitar mais 3 – TRÊS – vulcões, o Llaima, o Lonquimay e o Tolhuaca. Todos eles são visíveis já das estradas e é muito, muito, muito legal mesmo. Eu achei o/.

chile

Essa região é pouco visitada por turistas se comparada às outras cidades e pontos de interesse no Chile. Na verdade foi super difícil achar informações sobre lá, e muito do que descobrimos e entendemos da região toda foi lá mesmo. O local é um destino de inverno por conta do frio intenso e das pistas de esqui nos vulcões. Ainda assim, não chega a ser um point para brasileiros como Valle Nevado ou Chillán.

Chegamos por volta das 16h. A cidade de Malalcahuello é realmente pequena, e lá fica a maior terma da região, e que leva o mesmo nome da cidade. Como tem muito vulcão em volta, também tem muitas termas, assim como em Pucón. E também tem estação de esqui, sendo Corralco a mais conhecida. Não chegamos a ir nas termas por questões financeiras mesmo #sinceridade, mas já no primeiro meio dia lá fomos até Corralco, pois dá pra subir bastante e ter uma vista apenas espetacular e lunar! É impressionante como é diferente!

chile malalcahuello

Como falei acima, dá pra ir de carro pra lá tranquilamente. Não precisa pagar para entrar nessa parte do parque, e você pode, nessa época, seguir de carro por um booom trajeto. Nós ficamos com receio de ir muito, muito, muuuito mais adiante e não saber o que encontrar (vai que precisaria de um 4×4?), principalmente porque essa estrada é estreita e na beira das montanhas.

chile corralco

Chegamos até um mirante, onde se tem vista para montanhas e alguns vulcões. Era fim de tarde e começava o pôr-do-sol. Foi muito lindo! E ah, apesar de ser verão, é beeeem frio ali. Ficamos mais ou menos na metade da altura do Corralco, e como vocês podem ver, tinha neve ainda nessa parte. Sim, frio. Muito! E pior: estávamos de bermuda, porque lá embaixo estava calor e sol. Mas ok, tudo em prol da aventura.

De noite seguimos direto para vila e comemos em um mesmo restaurante que voltamos algumas vezes, e era quase em frente ao hotel, na estrada que liga todos os passeios da região. O local chama-se Nativa, e a comida era muito boa, cardápio bem amplo, bom preço e com wifi, que nessa região ali é BEM fraco.

chile malalcahuello

No dia seguinte, pensamos em visitar o Parque Malalcahuello, entrada logo ao lado do Nativa, porém desistimos. Esse parque parece incrível, é enorme e ele também engloba o Corralco, que visitamos no começo da parada, porém as trilhas lá são bem profissionais. A mais curta já dura 4h! Como já estávamos cansados de fim de viagem, quase sem dinheiro e já querendo descansar, pulamos fora. Ali na entrada tem uma casinha com guia, com todas as infos e rotas, além do guarda muito atencioso. Pode ir sem medo de pegar tudo que precisa ali mesmo.

Então optamos pelo passeio à cidade de Lonquimay, que também é nome de um dos vulcões ali perto. Para esse passeio você pode optar por 2 caminhos, um direto e um que sobe a serra. Nos foi indicado o caminho mais longo, ou seja, seguir rumo a Corralco, subir a serra, descer para Lonquimay e voltar passando pelo túnel. Melhor opção com certeza! Sim é uns 30 minutos mais longo, é estrada de terra… mas a vista é demais. Araucárias, vulcões, montanhas. Vale a pena mesmo.

malalcahuello

Lonquimay é uma cidade simples e pequena. No inverno fica forrada de neve, mas no verão não tem muito o que ver e fazer. Lá tem câmbio (porém só aceitam dólar e euro), mercadinhos, feira de artesanato e posto de gasolina. Uma cidade base, digamos. Se você quiser, ainda pode seguir até Liucura, cidade fronteira com Argentina. Ficamos com preguiça dessa.

A volta, pegue o caminho contrário, passando pelo túnel. Ali tem um pedágio de mais ou menos R$ 2. Assim, nada de absurdo, mas é diferentinho e um túnel enorme. Vale uma visita por esse lado.

lonquimay chile

Outro passeio para se fazer na região é o Parque Conguillio, que fica já no retorno pra Ruta 5 e você precisa voltar até Curacautín, uma cidade bem maior do que as outras citadas. De onde estávamos eram mais ou menos 30km até a cidade, e dali mais uns 15 ou 20km para o Parque. Ele estava nos nossos planos, mas no dia em que conversamos com o guarda do Parque Malalcahuello, ele disse que não era assim tão legal lá. Que sim, dava pra ver o vulcão Llaima mais de perto, o lago Conguillio e mais araucárias, mas que já não sabia se compensava todo o trajeto, até porque lá também tem trilhas mais avançadas. Pois é, acabamos pulando esse também.

ONDE SE HOSPEDAR PARA VISITAR A REGIÃO 

Ali você vai encontrar vários campings e pequenos hostels. Muita coisa de inverno que fecha nessa época também. Nós escolhemos o Araucanía Pura, um pequeno loft que pareceu interessante.

Ele fica na própria rua que liga todos os passeios e pontos que citei acima, bem fácil ir e vir. Lá são apenas 3 apartamentos, que podem receber de 2 a 3 pessoas. É pequeno mas suficiente. Tem cozinha, cama bem confortável, aquecimento, banheiro, chuveiro com água quente, toalhas, roupas de cama e estacionamento. Não tem amenities, ok? Precisa levar seus itens de banho. Só tem sabonete básico de pia.

chile malalcahuello

O dono mora na casa que fica um pouco atrás dali, e não tem nenhum tipo de recepção ou algo assim. É preciso falar com ele diretamente e marcar sua chegada, para ele poder te receber.

araucania chile

É um local super tranquilo, silencioso e o céu… nossa o céu ali! Eu não sei fazer foto de céu estrelado, mas é super lindo. E de frente pra cama tem um janelão com vista. Fica bonito, porém sim, claro pela manhã, já que não tem cortina. Eu acordo com claridade, mas até que isso não foi um problema pra nós. Acho que o cansaço mesmo… hehehe.

Lá não tem café da manhã, mas como tem cozinha, você pode preparar algo, que até vai ficar muito mais econômico, já que a comida tá meio cara no Chile. Você pode passar no mercadinho e preparar as refeições ali, como fizemos. Foi uma MEGA economia. Ao invés de gastarmos uns R$ 200 os 2 em almoço + jantar fora, fizemos lá no quarto e gastamos cerca de R$ 34 nós 2 pelas 2 refeições. Baita diferença!!

araucania pura 2

Uma coisa chata lá é que não tem wifi e nem tv. Então depois dos passeios do dia, meio não tem o que fazer. Ok pode ser supérfluo e “nossa Anna, aproveita a natureza, curte as coisas”, mas gente, não sou tão plena desligada assim ok? Me julguem. Eu sobrevivi, claramente, mas né, fica aí minha opinião, haha.

Lá, a diária fica em torno de R$ 280, e como cabem até 3 pessoas, fica um preço bem legal por dia. Por trás dos quartos tem uma pequena trilha pelo rio, bem bonita. Passeio rapidinho pra complementar o dia!

araucania chile

Para complementar ainda mais, peguei esse mapa no restaurante Nativa que fui 827391x (mentira, só 3), e tem todo o esquema da região. O mapa é super bom, fácil de entender e não tem erro:

mapa malalcahuello

Mais sobre o Chile:

– Roteiro Chile: 17 dias de carro 

– Quanto custa viajar de carro pelo Chile

– Dirigir no Chile: tudo o que você precisa saber

– Vantagens e desvantagens de fazer uma viagem de carro pelo Chile

– O que fazer em Santiago

– Aluguel de carro no Chile

– Vinícolas no Chile: Viña Miguel Torres

– Vinícolas no Chile: Viña San Pedro 

– Vinícolas no Chile: Concha y Toro

– Museu de Colchagua em Santa Cruz, o maior museu privado do Chile 

– Onde de hospedar no Valle del Colchagua e o que fazer

– Parque Nacional 7 Tazas e onde se hospedar para visitá-lo

– Chillán no verão!

– O que fazer em Pucón, Villarica e região

– Onde se hospedar em Pucón: Glamping Pucón, único acampamento de luxo do Chile

– Onde se hospedar em Pucón: Hotel Boutique Casa Establo

– Artesanato chileno: o que comprar de legal

– O que fazer em Puerto Varas e região

– Onde se hospedar em Puerto Varas

– Como chegar e o que fazer na Ilha de Chiloé

Uma parada em Valdivia

– Valle Nevado no verão

– Dirigindo na montanha: Valle Nevado

– Quanto custa viajar para Santiago?

– Pega turista: restaurante giratório

– Cajon del Maipo

– Viña del Mar e Valparaíso

– Ibis Providencia

– Hotel em Santiago: Hotel Alcala del Rio

Chile road trip

Uma parada em Valdivia

Depois de visitar a região de Puerto Varas e a ilha de Chiloé, começamos a voltar para Santiago. É possível fazer o trajeto diretão, mas são 1.020 km, ou seja, mais de 10h de viagem. Como ainda tinha muita coisa pra conhecer no Chile, fizemos a volta parando em outros pontos.

De Puerto Varas seguiríamos para a região de Malalcahuello, que fica pro lado da Argentina, e é cheia de vulcões e parques nacionais também, mas antes de chegar ali, tomamos a estrada rumo litoral, e fomos visitar Valdivia, uma das grandes cidades chilenas, na verdade. A gente nem iria parar lá no roteiro inicial, mas na hora resolvemos ir porque não ficava tão fora da rota, é uma cidade super bacana e bem, precisávamos almoçar em algum momento, hehe.

Que boa escolha essa! A cidade é uma graça, simpática assim, sabe como? Nós visitamos um complexo de museus que tem lá, que compreende o Museo Historico y Antropologico e o Museo de la Exploración. Tem mais um junto, mas não estou encontrando informações certas sobre ele pra colocar aqui. Lá você pode pagar para visitar tudo ou pode pagar 1 por vez. Como a gente não tinha O maior tempo do mundo, escolhemos visitar apenas o Historico, que fica em um casarão antigo muito lindo, de frente para o Rio Valdivia. Aliás, esses museus e os pontos maiores de interesse ficam na ilha Teja, dentro da cidade.

valdivia

valdivia museu

museu historico valdivia

A entrada do museu histórico custa 1.500 pesos por pessoa, cerca de R$ 8,85. E foi ali que nosso pneu furou e tivemos Jorge teve que trocar. (todo esse drama pra depois descobrir que ele nem tinha furado, só tinha ficado mal fechado quando calibramos no posto antes de chegar em Valdivia e esvaziou)

carro chile

Nós também almoçamos nessa parte da cidade, bem próximo ao museu. Em Valdivia fica a sede da maior cervejaria do país, a Kunstmann e foi lá que encontramos a maior quantidade de barzinhos e locais cervejeiros da viagem. É possível fazer visita guiada na cervejaria mas, estando apenas de passagem, não rolou fazer esse passeio. Até porque não dá pra beber e dirigir na estrada depois.

Nós paramos em um restaurante italiano para almoçar, que ficava justo ali na rua de entrada da ilha e cheia de opções. Estava ótimo, mas como já falei em vários posts do Chile, nada muito barato.

valdivia restaurante

Um passeio muito interessante para se fazer lá é pegar um passeio de barco que te leva ao redor da ilha e às fortificações espanholas antigas. A gente queria MUITO fazer, só que o passeio dura mais de 1h e só sairia dali 45 minutos, e ia ficar muito tarde para continuarmos na estrada e chegar a Malalcahuello. Então pulamos. Mas o preço é acessível e parece ser um passeio super legal. Tem várias empresas oferecendo, tudo ali mesmo, na beira do rio.

Aliás, ali fica o mercado de peixes e na beirada está sempre cheio de leões marinhos. É um ponto que fica cheinho de turistas vendo os bichos, mas ó, é uma área meio fedidinha por conta dos peixes e dos leões marinhos mesmo.

valdivia

Também na mesma área tem várias barracas de artesanato e chocolates caseiros. Fica a sugestão se ainda não tiver comprado um souvenir pra trazer.

valdivia

Sobre Valdivia, queria ter tido mais um tempo lá, pelo menos mais umas 3h para poder visitar o forte com passeio de barco e queria ter ido à fábrica de cerveja também. Não acho que seja super necessário dormir lá. Chegando de manhã, por volta das 10h já é um bom horário para conhecer “Val” e sair no meio da tarde.

Mais sobre o Chile:

– Roteiro Chile: 17 dias de carro 

– Quanto custa viajar de carro pelo Chile

– Dirigir no Chile: tudo o que você precisa saber

– Vantagens e desvantagens de fazer uma viagem de carro pelo Chile

– O que fazer em Santiago

– Aluguel de carro no Chile

– Vinícolas no Chile: Viña Miguel Torres

– Vinícolas no Chile: Viña San Pedro 

– Vinícolas no Chile: Concha y Toro

– Museu de Colchagua em Santa Cruz, o maior museu privado do Chile 

– Onde de hospedar no Valle del Colchagua e o que fazer

– Parque Nacional 7 Tazas e onde se hospedar para visitá-lo

– Chillán no verão!

– O que fazer em Pucón, Villarica e região

– Onde se hospedar em Pucón: Glamping Pucón, único acampamento de luxo do Chile

– Onde se hospedar em Pucón: Hotel Boutique Casa Establo

– Artesanato chileno: o que comprar de legal

– O que fazer em Puerto Varas e região

– Onde se hospedar em Puerto Varas

– Como chegar e o que fazer na Ilha de Chiloé

– O que fazer na região de Malalcahuello e onde se hospedar

– Termas de Malleco e Parque Tolhuaca

Saltos del Laja, um passeio gratuito no meio do Chile

– Valle Nevado no verão

– Dirigindo na montanha: Valle Nevado

– Quanto custa viajar para Santiago?

– Pega turista: restaurante giratório

– Cajon del Maipo

– Viña del Mar e Valparaíso

– Ibis Providencia

– Hotel em Santiago: Hotel Alcala del Rio

Chile road trip

Como chegar e o que fazer na Ilha de Chiloé

Eu estava muito ansiosa pra escrever desse lugar TÃO mágico e tão diferente que conhecemos na viagem pro Chile! Desde que começamos a montar o roteiro, vimos a possibilidade de ir até  Ilha de Chiloé, basicamente o último pedacinho de terra fácil de ir de carro e antes da Patagônia gelada.

Como estávamos hospedados em Puerto Varas, reservamos 1 dia completo para ir até a  Ilha de Chiloé, que fica a mais ou menos 110km dali. A estrada é excelente, e tem alguns pedágios, de mais ou menos R$ 15 cada trecho. É tudo super indicado e não tem como errar. Chegando no final do continente, precisamos pegar um ferry que leva em torno de 20 minutos e sai o tempo todo pra lá. Cada trecho custou 12.000 pesos, cerca de R$ 70. (é, não é ultra barato, mas vale demais a pena!)

ilha chiloé

Chegando na ilha, você será direcionado a seguir até Ancud, primeira cidade para parada e visitação. Ela é pequena, claro, e tem todo aquele quê portuário/praia. Lá nós visitamos o museu da cidade, com entrada gratuita e história da ilha e das famosas igrejas de madeira.

ilha chiloé

Dali já seguimos direto para Puñihuil, onde fica a pinguinera. A estrada pra lá é bem fácil também, mas vai te tomar mais ou menos mais uns 30 minutos de estrada. A vista é fantástica, e você pode parar pra fotografar e apreciar a vista.

ilha chiloé

La na prainha onde saem os barcos para a pinguinera tem diversas empresas operando. O preço é igual em todas, 7.000 pesos (R$ 41) por pessoa. O que difere mesmo são os horários. Quando nós chegamos, a primeira empresa tinha barco pra sair as 13h45, e eram 12h quando chegamos. Fomos dar uma olhada em outra, e no fim conseguimos um barco saindo 12h15. Muito melhor né?

ilha de chiloé

O trajeto é bem tranquilo, em uma lancha e cabem, se não me engano, 35 pessoas, todos de colete e no barco tem 3 tripulantes para qualquer assessoria. As águas ali são levemente revoltas, e ficam ainda mais revoltas quando damos uma volta e já começamos a entrar no oceano. São muitas pedras e fica BEM nervoso, hehe. Mas eles não são tão radicais, não chegam tão perto das pedras nem nada. É tudo controlado.

Lá pudemos avistar de longe pinguins de 3 espécies, e eles são a coisa mais fofa desse universo todinho! Mesmo tendo que ficar de longe por conta do controle ambiental, é super legal, e vale demais a pena. O passeio todo leva cerca de 30 minutos. Ele está caro hoje em dia porque o peso está caro.

ilha de chiloé

Acabando o passeio, fizemos uma pausa para comer uma empanada ali mesmo, que tem alguns restaurantes. Optamos pela empanada pra ser algo mais rápido pra curtir a ilha e porque era mais econômico.

Dali saímos pra descer pra Castro, a maior cidade da ilha. É ilha, mas é grande, tá gente? Da pinguinera até Castro são 91km de estrada, e tem 2 opções de trajetos. Nós pegamos “por cima” e um pouco mais curto com a indicação de um garçom. A vista ali é arrebatadora, impressionante, magnífica, espetacular e o que mais vocês acharem de adjetivos. Sente:

ilha de chiloé

Esse trajeto tem boa parte do caminho por estrada de terra, muitas subidas e descidas que estão sendo asfaltadas em alguns pontos porque senão carro normal não passa, só 4×4. E depois lá na frente chega na Ruta 5, asfaltada e tudo certo.

ilha chiloé

Nós tivemos um sério problema nessa rota aí. Atolamos! Como falei, ali por dentro as estradas são de terra e bem íngremes, e um ponto ainda estava em obras, e inclusive a indicação era de não pegar esse caminho, porém nos indicaram o contrário. Na subida estava tudo meio fofo por conta das obras e, faltando uns 3m para chegar na parte boa, atolamos. A sorte foi que, com as obras, tinha um caminhão com corda que pode nos puxar e os chilenos foram HIPER atenciosos, pacientes e prestativos com a gente. Foi tenso mas foi uma aventurinha que deu certo. Claro que se você está lendo esse post hoje, já está tudo beleza nessa estrada, e te indico fortemente ir por ela mesmo. Não pelo tempo de viagem, mas pela vista espetacular.

ilha de chiloéSendo rebocadinhos no Chile, hehehe

Bem, depois da emoção de atolarmos, chegamos em Castro. Ali é super agitadinho, tem um excelente ponto de informações turísticas inclusive, com mapa de tudo. Nós visitamos o museu da cidade, com entrada gratuita; também passeamos pelo sector Lillo, uma área cheeeeia de artesanato; fomos ao mirador Chacabuco onde pode-se ver as casas em palafitas (isso não é muito novidade pra brasileiro na verdade) que tem aos montes por lá, e tem até passeio de barco para avistar melhor; e é claro, visitamos a Igreja Patrimonio da Humanidade San Francisco de Castro.

ilha chiloé

Agora, uma coisa sobre as igrejas de Chiloé: espetaculares! Lá tem 16 igrejas inteirinhas de madeira, coloridíssimas e muito antigas pra visitar. É um complexo lindo e cheio de história, uma das principais atrações da ilha, inclusive. Elas estão espalhadas por toda Chiloé, e em 1 dia é impossível visitar todas. Nós conseguimos conhecer 4 apenas: a de Castro, a de Dalcahue que é uma cidade bem bonitinha também, a de Tenaun, que é basicamente só ela por si só, e Quemchi.

ilha de chiloé

Dalcahue é uma cidade muito fofa, um clima de aconchego e na praça da igreja também tem vários cafés bacanas e lojas de artesanato.

ilha de chiloe

Tenaun é basicamente só a igrejinha em um pequeno campo. Em frente tem uma casa que você pode pedir a chave da igreja para entrar, pode usar o banheiro ou comer alguma coisa. É uma família que cuida de tudo isso. A gente comprou um cuque de blueberry lá muito barato e delicioso!

ilha de chiloé

Já em Quemchi, chegamos durante um espetáculo/apresentação de o que me pareceu ser grupos folclóricos. Na verdade não entendi bem o que era, mas a pracinha em frente à igreja estava tomada de gente com trajes tipicos e, por este motivo, não conseguimos fotografar bem a igreja pra mostrar aqui. Também lá pegamos um pôr do sol muito lindo!

ilha de chiloé

Esse trajeto todo já estávamos subindo de volta para atravessar o continente. Como era verão, os dias acabam muito tarde e pudemos aproveitar demais a ilha! É uma pena que muitos turistas vão apenas para visitar a pinguinera. Sabe, além de um trajeto longo, é uma travessia cara (vide informação lá em cima), o passeio da pinguinera é relativamente rápido e Chiloé tem muito mais a oferecer.

Eu gostaria de ter dormido um dia ou dois lá, e ter conhecido as outras igrejas, cidades e parques nacionais. Infelizmente não tinhamos mais dias nessa viagem pra ficar tanto tempo! Mas olha, dica que eu te dou: sim, fique 2 dias em Chiloé! Ela merece.

chiloé chile

Mais sobre o Chile:

– Roteiro Chile: 17 dias de carro 

– Quanto custa viajar de carro pelo Chile

– Dirigir no Chile: tudo o que você precisa saber

– Vantagens e desvantagens de fazer uma viagem de carro pelo Chile

– O que fazer em Santiago

– Aluguel de carro no Chile

– Vinícolas no Chile: Viña Miguel Torres

– Vinícolas no Chile: Viña San Pedro 

– Vinícolas no Chile: Concha y Toro

– Museu de Colchagua em Santa Cruz, o maior museu privado do Chile 

– Onde de hospedar no Valle del Colchagua e o que fazer

– Parque Nacional 7 Tazas e onde se hospedar para visitá-lo

– Chillán no verão!

– O que fazer em Pucón, Villarica e região

– Onde se hospedar em Pucón: Glamping Pucón, único acampamento de luxo do Chile

– Onde se hospedar em Pucón: Hotel Boutique Casa Establo

– Artesanato chileno: o que comprar de legal

– O que fazer em Puerto Varas e região

Onde se hospedar em Puerto Varas

– Uma parada em Valdivia

– O que fazer na região de Malalcahuello e onde se hospedar

– Termas de Malleco e Parque Tolhuaca

– Saltos del Laja, um passeio gratuito no meio do Chile

– Valle Nevado no verão

– Dirigindo na montanha: Valle Nevado

– Quanto custa viajar para Santiago?

– Pega turista: restaurante giratório

Cajon del Maipo

Viña del Mar e Valparaíso

Ibis Providencia

Hotel em Santiago: Hotel Alcala del Rio

Chile road trip

Onde se hospedar em Puerto Varas

Atenção: vocês vão conhecer mais um hotel na lista dos mais incríveis possíveis! O Chile está cheio de atrações fantásticas e de hotéis muito legais e bem acessíveis. Percebi isso quando comecei a pesquisar onde ficaríamos e gente, difícil! Tem opção para todos os bolsos, distâncias e experiências. Uma infinidade de lugares lindos e diferentes que nunca tinha ficado.

DOMOS BIOSFERA VOLCÁNICA

hospedagem puerto varas

Eu contei aqui sobre o único acampamento de luxo do país, que ficamos em Pucón e, em Puerto Varas ficamos em um hotel domo! Sim, aqueles que são tipo um iglu, redondinho:

hospedagem puerto varas

Nosso hotel domo escolhido foi o Domos Biosfera Vólcanica, que está em processo de expansão ainda, e por enquanto conta com apenas 3 quartos. Ou seja, é exclusivão mesmo e tem que se agilizar pra conseguir vaga lá.

Ele fica entre 2 vulcões da região, o Osorno e o Cabulco, e no quarto a gente fica com vista pros 2. Muito legal, né? O Cabulco entrou em erupção há 2 anos e todo o terreno ficou coberto com pedrinhas vulcânicas. Foram toneladas, e eles ainda estão tirando, porque a camada ficou bem alta.

hospedagem puerto varasEssa era a vista da nossa sacadinha, pro vulcão Osorno

Aliás, não precisa ficar com medo de estar entre 2 vulcões ativos. Assim que chegamos o dono já nos explicou como funciona a evacuação, pra que lado ir, como fazer com as malas e tudo. É bem tranquilo, não vai ser como o filme Pompéia tá? Haha

hospedagem puerto varas

O quarto é para casal e HIPER maravilhoso. Sério, é um lugar mágico, tudo lindo, tem frigo, banheiro com água quentinha, amenities, chá e café cortesia, roupão e até crocs pros hóspedes. A cama é imensa e muito confortável também. Lá não tem cortina blackout, só uma simples para privacidade, pois o quarto é uma bolinha (o que dificulta bastante a colocação de cortinas mesmo) e o legal é a vista do lugar.

hospedagem puerto varas

hospedagem puerto varas

O café da manhã é feito no próprio quarto com horário marcado. O dono mesmo vai ao quarto, monta tudo em uma mesona de madeira. Fica muito lindo.

hospedagem puerto varas

O Domos Biosfera Volcanica não fica no centro de Puerto Varas, ele fica mais próximo de uma vila chama Ensenada, a mais ou menos 40 minutos do centro de Puerto Varas. É ideal que você esteja de carro na viagem para poder se hospedar lá, até porque tem um acesso por uma pequena estrada não pavimentada, e carregar malas ali, não rola. Ali em Ensenada tem diversos restaurantes, e é caminho para visitar o Parque Petrohué e subir o Osorno. Então na verdade, ele fica caminho pras coisas mais legais da região mesmo.

DEIN HAUS HOTEL

Se você quiser um hotel “normal” e em Puerto Varas mesmo, nós também ficamos no Dein Haus, que fica a umas 3 quadras do centrinho da cidade. Lá é um hotel boutique, ou seja, poucos quartos também. O quarto é bem aconchegante, mais achei um pouco pequeno, bem como o banheiro que é minúsculo.

hospedagem puerto varas

hospedagem puerto varas

O café da manhã é bem completo e muito gostoso, com vista pra piscina e para o lago. Tem estacionamento incluso também e é bem fácil chegar e sair do Dein Haus. É caminho pra entrada/saída da cidade.

hotel puerto varas

hotel puerto varas

Aliás, a piscina é aquecida, mas só tem uma cobertura simples. No dia que fomos estava bem frio e não tive coragem. Não era quente suficiente pra mim, hehe.

hotel puerto varas

Mais sobre o Chile:

– Roteiro Chile: 17 dias de carro 

– Quanto custa viajar de carro pelo Chile

– Dirigir no Chile: tudo o que você precisa saber

– Vantagens e desvantagens de fazer uma viagem de carro pelo Chile

– O que fazer em Santiago

– Aluguel de carro no Chile

– Vinícolas no Chile: Viña Miguel Torres

– Vinícolas no Chile: Viña San Pedro 

– Vinícolas no Chile: Concha y Toro

– Museu de Colchagua em Santa Cruz, o maior museu privado do Chile 

– Onde de hospedar no Valle del Colchagua e o que fazer

– Parque Nacional 7 Tazas e onde se hospedar para visitá-lo

– Chillán no verão!

– O que fazer em Pucón, Villarica e região

– Onde se hospedar em Pucón: Glamping Pucón, único acampamento de luxo do Chile

– Onde se hospedar em Pucón: Hotel Boutique Casa Establo

– Artesanato chileno: o que comprar de legal

– O que fazer em Puerto Varas e região

Como chegar e o que fazer na Ilha de Chiloé

– Uma parada em Valdivia

– O que fazer na região de Malalcahuello e onde se hospedar

– Termas de Malleco e Parque Tolhuaca

– Saltos del Laja, um passeio gratuito no meio do Chile

– Valle Nevado no verão

– Dirigindo na montanha: Valle Nevado

– Quanto custa viajar para Santiago?

– Pega turista: restaurante giratório

Chile road trip

O que fazer em Puerto Varas e região

Caraaaa, nos lugares mais legais da viagem pro Chile, a gente pegou chuva, tempo nublado e frio. É mole? Pucón foi assim e essa região de Puerto Varas também, e por conta disso deixamos de ver/subir em alguns vulcões. Mas ok, tamo aí, vamo lá!

Nesse post listo algumas coisas pra fazer em Puerto Varas e região. Olha, tem coisa pra xuxu! Nós dormimos 3 noites na cidade, e olha, uma noite a mais seria ideal.

PUERTO OCTAY

Vindo de Pucón, o próximo ponto de parada para dormir era Puerto Varas, mas no caminho sempre tem uns lugares legais pra conhecer. Por muitas indicações na internet, 2 desses eram Puerto Octay e Frutillar, que todo mundo tirava um dia pra visitar ambas partindo de Puerto Varas. Bem, como a gente vinha de cima, era mais esquema parar ali antes de chegar em Varas.

Primeira parada pelo roteiro era Puerto Octay. Cidade pequena, casinhas de madeira e tal… mas ó, dispensaria. Não achei nada de tão necessário essa parada. Aliás, quando chegamos ali era hora do almoço (na verdade umas 14h) e foi bem difícil encontrar um lugar para comer. O primeiro ficamos sentados lá um tempo e ninguém veio atender. O 2º entramos mas estava fechado já e no 3º conseguimos um lanche. Não foi a melhor das experiências aqui, e não vi nada de mais na cidade. Pelo menos ela estava mesmo bem no trajeto então não foi de todo perdido.

o que fazer em puerto varas

FRUTILLAR

Na sequência, Frutillar. Essa sim valeu a pena, mesmo com a maior chuva que me atrapalhou demais!

chile frutillar

A cidade é toda estilo alemã, parece outro mundo realmente. É pequena, toda em madeira e tem dezenas de casas de chá com torta Kuchen, típica da região toda. Lá você tem esse deck da foto de cima que é muito point e todo mundo tira foto e é bem gracinha mesmo; tem o teatro que é hiper moderno e que é sede de um dos maiores festivais de música do mundo (tem visita guiada às 12h, cheguei depois e perdi =/); e também uma atração bem legal é a mini vila alemã do começo da cidade, uma espécie de parque/museu aberto como Carambeí, mas bem menor.

chile frutillar

A entrada à vila custa 2.500 pesos (R$ 15 mais ou menos) e você pode ficar o tempo que quiser. São várias casas da época e uma casa que é tipo um museu de máquinas antigas. Se o dia estiver bom, você pode ver alguns vulcões no fundo do lago, como o Calbuco e o Osorno. O local tem banheiro, mas não tem lanchonete e nem lojinha.

frutillar chile

PUERTO VARAS

Nós escolhemos Puerto Varas como ponto de ancoragem. Ali os hotéis também são um pouco mais caros do que em Puerto Montt, mas achamos opções bem interessantes ali que falo no próximo post certinho.

A cidade é uma graça, mas também não tem muitos atrativos, ela é bem uma cidade pra ancorar e visitar os arredores. Lá mesmo só tem o museu Pablo Fierro, todo esquisitão e uma volta pelo centrinho.

De lá você pode visitar outros pontos como subir o vulcão Osorno de carro (a gente foi, mas tava muito nublado e não deu pra ver nada lá de cima!) em uma estrada bem linda mesmo, e também pode visitar os saltos del Petrohué, o parque Petrohué com o Lago Todos los Santos, que dá para fazer navegação.

chile petrohue

Esse complexo todo de Petrohué vale HIPER a pena. Que lugar lindo, todo estruturado pra receber visitantes, é caminhada simples, água azul/verde, vista com vulcão ao fundo, saltos maravilhosos. Mesmo, vá! Mesmo se estiver chovendo, vá! A entrada custa 4.000 pesos (R$23,60), não é baratinha, mas vale pra toda essa área que você pode passar o dia todo. Ali tem restaurantes, chocolateria e lojas.

chile petrohue

Pra fechar, ali próximo a Puerto Varas, você pode ir até Peulla, que é fronteira com a Argentina. Nós não fomos, mas é um ponto que indicam de visitar na região também.

PUERTO MONTT

Entre Puerto Varas e Chiloé tem mais um ponto bom para hospedagem, e mais econômico. Infelizmente a gente não teve tempo de parar de dia lá para dar uma voltinha, só paramos a noite para jantar.

Bem, como também não pudemos ver o Osorno, eu acho que vou ter que ir pro Chile de novo um dia pra fechar esses lugares que ficaram em aberto, né? A verdade é que essa região toda tem cerca de 200 dias de chuva no ano. Tem que ter muita sorte pra acertar o dia da viagem por lá e pegar tudo aberto e visível.

Na minha pesquisa tinha reservado meio dia ali pelo menos para conhecer um pouco da história do lugar, também de colonização alemã, e passear pela orla.

ILHA DE CHILOÉ

A Ilha de Chiloé é um lugar completamente mágico, e que fica a mais ou menos 2h30 de Puerto Montt. A maioria das pessoas que a visita, fica hospedada em Puerto Montt ou Puerto Varas e vai pra lá passar o dia, como nós fizemos.

Porém, eu te diria: vá pra ficar 1 ou até 2 dias hospedado na ilha! Vale a pena sim, é super lindo e eu me arrependi de não ter ficado mais um dia lá. Como o lugar é muito incrível e é uma ilha BEM grande, eu vou fazer um post completo dedicado a ela, falando de algumas cidades que visitamos lá e a pinguinera.

isla de chiloéSó pra ilustrar o que to falando de lá. Se você for só fazer a pinguinera, não vai ver isso aÍ!

A gente saiu por volta das 8h de Puerto Varas, visitamos primeiro a pinguinera e depois seguimos para Castro e outras cidades. Assim, é longe. Depois na volta, saímos de Castro, ainda paramos em mais 2 pontos rapidamente e voltamos pro continente. Saímos por volta das 19h de lá e chegamos em Puerto Montt para jantar umas 22h45. É, não é fraco. E tem a travessia de ferry no meio. Não me arrependi, porque pudemos aproveitar muito lá em Chiloé, mas vá preparado para estrada.

Mais sobre o Chile:

– Roteiro Chile: 17 dias de carro 

– Quanto custa viajar de carro pelo Chile

– Dirigir no Chile: tudo o que você precisa saber

– Vantagens e desvantagens de fazer uma viagem de carro pelo Chile

– O que fazer em Santiago

– Aluguel de carro no Chile

– Vinícolas no Chile: Viña Miguel Torres

– Vinícolas no Chile: Viña San Pedro 

– Vinícolas no Chile: Concha y Toro

– Museu de Colchagua em Santa Cruz, o maior museu privado do Chile 

– Onde de hospedar no Valle del Colchagua e o que fazer

– Parque Nacional 7 Tazas e onde se hospedar para visitá-lo

– Chillán no verão!

– O que fazer em Pucón, Villarica e região

– Onde se hospedar em Pucón: Glamping Pucón, único acampamento de luxo do Chile

– Onde se hospedar em Pucón: Hotel Boutique Casa Establo

Artesanato chileno: o que comprar de legal

Onde se hospedar em Puerto Varas

– Como chegar e o que fazer na Ilha de Chiloé

– Uma parada em Valdivia

– O que fazer na região de Malalcahuello e onde se hospedar

– Termas de Malleco e Parque Tolhuaca

– Saltos del Laja, um passeio gratuito no meio do Chile

– Valle Nevado no verão

– Dirigindo na montanha: Valle Nevado

– Quanto custa viajar para Santiago?

– Pega turista: restaurante giratório

Chile road trip

1 2 3 4 5 314