As massas italianas: qual é qual?

Como boa descendente de italiano, eu amo uma boa massa, mas como boa pessoa normal, nunca sei qual é qual! São tantas opções de massas italianas, tantos nomes parecidinhos que sempre rola aquela dúvida se eu estou pedindo macarrão ou gravatinha, parafuso ou massa recheada. E eu bem sei que muita gente aqui sofre com isso, principalmente quando vai pra Itália e tem aqueeeele menu extenso de opções e não, não tem um desenho do lado pra gente se achar.

Fiz um pequeno manual (com fotoo!) pra vocês aqui hoje. Pega o queijo ralado e vem aprender!! Separei em categorias: macarrões, tubulares, recheadas e outros formatos.

MACARRÕES

Ah é, não é apenas “macarrão”, tem várias opções pra confundir um pouquinho. Tem o mais fino, o achatado, o mais gordinho…

Spaguetti

O spaghetti é o mais fininho, que comemos mais aqui no Brasil. É o mais comum por aqui, aquele que tem em restaurante por quilo, ou ainda o que a gente compra mais. Fininho, redondinho.

spaguetti

Linguini

Linguini (além do nome do personagem de Ratatouille, he), é o macarrão um pouco mais grosso.

linguini

Bucatini

Ele é igual ao Spaghetti e a diferença passa muito desapercebida. A única diferença é que o Bucatini tem um furinho no meio. Ou seja, só pra confundir a gente na hora de escolher no cardápio!

bucatiniFettuccine

O Fettuccine e o Talharim abaixo, são muito semelhantes, muito mesmo. Ambas são longas e achatadas, mas o que difere é o tamanho da massa. O Fettuccine é mais largo do que o Talharim.

FETTUCCINE

Talharim

O Talharim é igualzinho ao Fettuccine, com a diferença de que os fios tem até 1cm de largura.

talharim

Aletria ou Cabelo de Anjo

A Aletria é mais conhecida como Cabelo de Anjo, motivo: parece um emaranhadinho de cachos mesmo. Ela é beeem fininha e ideal para usar em sopas.

cabelo de anjo

Pappardelle

Essa é a massa mais grossa de todas. Acho que as mais fáceis de identificar são essa e o Spaghetti mesmo, o resto é muito confundível.

pappardelle

TUBULARES

Penne

O Penne é aquele mini tubo, e diferente do que tem aqui no Brasil, na Itália tem pelo menos 8 tipos que variam com textura e tamanho. Selecionei os mais clássicos para citar: penne rigate (listrado) que é o penne mais comum; pennette rigate que é uma versão mais fina e comprida do anterior; penne lisce (liso) que como o nome diz, não tem aquelas rugas. O Penne é o tubo cortado na diagonal geralmente.

penne

Pra se ter uma ideia dos diferentes tamanhos:

Rigatoni

É, na verdade, o segundo da direita pra esquerda na foto acima. Ele é bem mais grosso.

rigattoni

Caneloni

É o pai de todos os tubos, porque é o maior de todos, e ideal para fazer com recheio dentro.

caneloni

PARAFUSOS OU ESPIRALADOS

Fusilli

Aqui separei os parafusos e alguns semelhantes e pouco conhecidos no Brasil. O parafuso também é o fusilli. É legal fazer com molhos mais encorpados.

fusilli

Gemelli

É um parafuso duplo. Olhando rapidamente, até confunde com o Fusilli sim, mas aqui trata-se de 2 tiras enroladas nesse formato. É muito semelhante mesmo. Aliás, essas duas parafuso são bem comuns para pratos frios, tipo uma salada diferente ou mesmo com presunto.

gemelli

Girandole

Girandole significa cata vento em italiano, e a espiral bem mais apertada, mas basicamente é outra denominação pra confundir nossa cabeça, porque é muito semelhante ao Fusilli.

girandole

Casarecce

É um parafuso não tão parafuso e bem mais comprido. É um enrolado bem de leves, mas acabei colocando nessa categoria “parafuso” porque achei que encaixa ok nessa categoria, hehe.

casarecce

Cellentani

É uma mistura de parafuso com conchinha. Parece que pegaram o Fusilli e esticaram, hehe.

cellentani

RECHEADAS

Na verdade, tem muita – muita mesmo – opção e variedade nas massas italianas. Não só os tamanhos e se são lisas ou listradas, mas tem muitos formatos diferentes. É possível que os nomes e tipos variem de acordo com a região também, mas sabendo o básico, não tem como errar na hora de escolher seu prato no menu! Nas recheadas acontecem muitas confusões de nomes, vem ver:

Ravioli

O Ravioli é a recheada quadradinha. Geralmente de carne, frango ou ricota. Muita gente confunde essa com o Capeletti, mas uma é uma coisa e outra, outra coisa.

ravioli

Capeletti

Aqui o negócio já é arredondado, uma trouxinha. Mais comum colocarmos em sopas, mas pode ser servido com molha sim, claro.

capeletti

Rondelli

Essa é a massa dos casamentos e festas de 15 anos, hehe. Toda festa tem essa massa basicamente, e é um rocambole recheado. Aqui a gente inventa nesse recheio, coisa de brasileiro, mas na Itália não tem tanta mirabolância assim. São mais tradicionais.

rondelli

Tortelloni e Tartellini

A diferença das duas é que a “lloni” é fechada e a “llini” é aberta no meio, mas ambas são trouxinhas recheadas também. Pra mim, essas duas e capeletti são tudo irmão, porque é igual.

tortellini

tortellone

OUTROS FORMATOS

Farfalle

A Farfalle é a famosa gravatinha. Farfalle significa borboleta em italiano, mas aqui a gente normalmente fala gravatinha pra essa massa, que vem de gravata borboleta, claro. Elas também existem em diversos formatos e tipos. Lisas, listradas e uma opção que é mais gordinha. Quando ela é lisa, é farfalle mesmo, quando tem listras é rigate e mais gordinhas são chamadas de tonde.

farfalle

Conchiglie

Conchiglie é a conchinha. São também várias opções com esse formato ou pequenas alterações, mas é a nossa famosa massinha para sopas quando são as em tamanho pequeno. Em formatos maiores já são feitas com recheios.

conchiglie

Orecchiette

Orelhinha, é esse o nome em português. Na verdade, faz muuuito tempo que não vejo/como essa massa por aqui. Será que não vende mais? Fato é que a orelhinha também é um tipo de massa, e é bacana usar em sopas também. Olhando assim, ela quase parece uma conchinha, mas não é. Pra mim, parece um chapéu também.

orecchiette

Risoni

Arroz em italiano é “riso”, e o risoni é um grande arroz sim. Eu nunca comi essa massa, nem aqui, nem lá e nem em nenhum lugar, porém ela existe e pode existir no cardápio que você estiver lendo. Vai me dizer que não é A-CARA-DO-ARROZ! É facilmente confundível, mas é massa!

risoni

Rotelle

Massa para pratos de criança geralmente, são as famosas rodinhas. Bem legal para sopas, assim como as letrinhas e conchinhas.

rotelle

Ufa! Deu? Alguém com fome ainda? Claro, tem mais tipos de massa ainda. Muito mais. Tem as letrinhas que não mencionei, tem muitos outros tipos de penne e fusilli, mais alguma coisa ali em macarrão e claro, lasanha e nhoque, mas estes dois são mais comuns e inconfundíveis, né?


Otranto, a cidade no sul da Itália que deveria estar no seu roteiro

otranto sul da itália

Acho que esse post merece ser começado com uma foto bem apelativa como essa aí. Otranto, se você nunca sequer ouvir falar, deveria estar no seu roteirinho pelo sul da Itália. Pela cor da água, pela tranquilidade, pela história e ruínas antigas, eu voto sim!!

Otranto está nessa região maravilhosa da Puglia, lá no salto da bota. Não é, nem de longe, um destino muito visitado por brasileiros como as famosinhas Veneza, Roma e Firenze, mas deveria. Na verdade não só Otranto, mas todas as praias que fazem parte dessa região. (talvez em uma viagem não dê pra fazer tudo o que gostaria, eu não consegui e tive que escolher uma praia só no roteiro).

Fica a 46km pro sul de Lecce, a cidade âncora mais próxima pra visita. De Bari, a praia está a 200km, já é mais longe e, mesmo tendo trem para levar, igualmente terá que parar em Lecce e de lá pegar um ônibus. Quando fui, saímos de Lecce com um ônibus super fácil. Na volta quase perdemos o horário e aí sim seria complicado, pois não tem tantos horários de saída de lá. Então fique atento a isso apenas.

Uma opção interessante é ficar hospedado em Otranto alguns dias, e de lá sair para os passeios nas outras praias da região. A cidade em si, tem 76km² e cerca de 5 mil habitantes. Ela pertence a uma rede das cidades mais bonitas da Itália. Ok, já convenceu não?

otranto italia

Otranto, assim como toda cidade italiana, tem um centro histórico muito bonitinho, cheio de ruelas, lojas, mini restaurantes e sorveterias, claro. A vista lá de cima é maravilhosa, porque dá pra ver tudo no meio às águas azuis e transparentes.

otranto

Lá, você vai encontrar diversas pequenas praias, e nelas tem sempre os lidos, que é tipo uma área reservada e que para ficar ali você precisa alugar as cadeiras e o guarda-sol. Não é nada excessivamente caro, e paga-se por dia. Os preços variam um pouco, mas uma espreguiçadeira sai em torno de 4-5 euros pelo dia todo. É bem em conta e não precisa se preocupar em levar a sua, do hotel ou sei lá. Acho que vale a pena sim.

otranto

Por ali tem vários passeios passando por grutas e levando a mais e mais praias. Munilo D’Acqua é uma delas, mas não visitei porque na época não tinha $$ pra pagar tantos passeios (eu estava em uma viagem de 15 dias pelo sul da Itália quase todo e era estudante, já sabe né), mas a base de preço dos passeios é de 10 euros.

Outras paradas são Torre del Orso, Porto Miggiano, Marina Sierra e a Torre di  Sant’Andrea, sendo esta última de entrada gratuita. É tudo muito tranquilo, super vazio se comparado a Capri, cheíssima de turistas!

otranto

Toda a região é super explorável, e a melhor forma de passear por tudo é estando de carro. Diferente de Roma e Napoli, é bem mais ok dirigir por ali, e em todos os lugares tem estacionamento disponível com preços aprazíveis, de até 2 euros.

otranto

Mais do sul da Itália:

- Uma parada em Bari, no sul da Itália

Gran Caffè Saicaf, confeitaria tradicional em Bari

Alberobello, uma cidade imperdível na Puglia

Um dia em Lecce, sul da Itália

Napoli: o guia turístico

Napoli e o caos

Museu Arqueológico de Napoli

Amalfi, para passar a tarde na Costa Amalfitana

Grotta dello Smeraldo

Sorrento

Como são as ruínas de Pompéia

Minha visita à ilha de Capri

Festival de Inverno de Curitiba 2018: Centro Histórico cheinho de atrações!

Começou ontem o 6º Festival de Inverno do Centro Histórico de Curitiba. “Mas Anna, o que é isso? Nunca ouvi falar!”. Se você é curitibano e nunca ouviu falar e nem aproveitou o Festival, amigo, corre! Se você é de fora e estará visitando a cidade de 19 a 29 de Julho, se deu muito bem, hein?

Bem, como falei acima, este á é o sexto Festival, e eu geralmente participo de alguma atividade. Não consigo participar de tudo porque são muitas coisas, muitos dias e coisas durante a tarde, perfeito pra quem está de férias. Aliás, é mais do que perfeito pra quem está com filhos em férias, porque tem dezenas de atividades para crianças. Melhor? A maioria é de graça!

Tem teatro, tem exposição, tem show de música, tem degustações, pratos e promoções diferentes nos estabelecimentos da rede, tem dança, tem palestra, tem cinema. Dentre as coisas que achei muito interessantes na programação, destaco o Coffee Experience, que acontece em 2 edições lá no Café Catedral e custa R$ 20 por pessoa.

festival de inverno de curitibaFoto divulgação – degustação de caldos do Hostel Roma

Outra atividade que achei super, é o Coquetel Degustação de Mate, que acontece no Museu Paranaense e é gratuito; e o Dia do Chá, no Bella Vivenda e custa R$ 40 por pessoa. O do chá eu já fiz 2x em edições anteriores. Foi MARAVILHOSO! Eu contei tudo sobre esse circuito aqui no blog. Nossa, além de degustar os chás, aprendi um monte de coisas que uso até hoje na vida. Valeu demais a pena!

circuito do chá Foto do Circuito do Chá que fizemos em 2016 no Hostel Roma

Este ano também terá o Free Walking Tour em quase todo os dias de programação, e como o nome já diz, é free. Esse passeio já fiz também, e é um tour caminhando pelo Centro Histórico onde o guia te conta todas as histórias dos lugares por onde passamos. É muito interessante e pô, é de graça! Se você quiser deixar uma contribuição pro guia depois, fica a teu critério.

Além dessas programações culturais e circuitos, os restaurantes do Centro Histórico prepararam sopas especiais e diferentes em cada um. Os preços variam de R$ 18 a R$ 32 e tem de Caldinho de Barreado no A Caiçara, Lentilha no Bar do Alemão, Batata e beterraba no Bella Vivenda, Beterraba no Café Catedral, Menu degustação de 3 caldos no Hostel Roma, de Pinhão no Jeito Mineiro (essa está apenas di-vi-na!), Missoshiro no Mikado (também uma delícia), de Feijões no Oriente Árabe e também de ervilha no Quintal do Monge.

festival de inverno de CuritibaFoto divulgação – sopa de pinhão do Jeito mineiro

Vale a pena conferir a programação completa e todos os horários no site do Festival. Vale demais a pena curtir tudo desses 10 dias. De qualquer forma, deixo aqui também a programação:

programação festival de inverno

Empório São José, mercado dentro do shopping

Ontem estive na abertura do Empório São José, um mini (não tão mini assim) mercado dentro do Shopping Crystal aqui em Curitiba. Na verdade, outras cidades já tem isso, principalmente fora do país, mas aqui em Curi não tinha ainda, e eu achei muito sensacional e prático isso.

emporio são josé

O lugar é lindo, muito agradável e tem de tudo mesmo, por isso não dá pra dizer que ele é tão mini assim. Lá você encontra uma sessão bem farta de hortifruti com tudo fresquinho – o cheiro estava delicioso – e uma bela seleção de produtos orgânicos e artesanais, coisa que está virando cada vez mais moda no Brasil. Para quem tem alguma intolerância, o Empório ainda conta com uma sessão especial de produtos sem lactose e sem glúten.

hortifruti empório são josé

emporio são josé hortifruti

emporio são josé

Além disso, eles tem padaria própria, e o pãozinho é fresco e feito lá mesmo. Imagina que prático: você vai ao cinema ou comprar um presente, passa ali e já pega um pão fresco e saudável pra levar pra casa.

emporio são josé

emporio são josé

Eles também tem pães italianos, super macios! Ontem eles colocaram esses petiscos para nós, estava tão maravilhoso quanto parece na foto, hehe.

Um outro destaque é a parte do açougue, com carnes premium Angus. Esse é realmente um ponto de destaque e de muita atenção por parte da organização do Empório São José. As carnes são cortadas todas na hora. E gente, que-lugar-limpo e organizadíssimo. Não tem cara de “açougão de mercadão” sabe? Dá uma vontade real e uma segurança de consumir esses produtos.

açougue empório são josé

Acabou? Não, não. Você ainda pode tomar café da manhã, almoçar, jantar ou ainda, fazer um happy hour com as tábuas de frios prontas pra levar. Tudo isso lá mesmo, com preço de mercado, como se fosse comer em casa… só que no Shopping!

empório são josé

Agora, pra fechar, vamos falar desses brownies mais maravilhosos? Vamos! Quem faz é a Di Panela, uma empresa que está há 17 anos no mercado, e no entanto eu ainda não conhecia. Bom, talvez até já tenha comido produtos deles sem saber, mas ontem eles lançaram os novos brownies da marca. Sabores: especiarias (socorro! que isso!), nutella com ninho (outro socorro!), chocolate branco, amargo e tradicional. Fica aquela super dica pra vocês conhecerem essa marca. Eles tem tortas e outros produtos que estarão disponíveis lá no Empório São José.

brownie di panela

O Empório São José fica no Shopping Crystal, no piso L1 (aquele do cinema), e funciona de segunda a sábado das 8h às 22h e domingos e feriados das 9h às 20h. Para quem vai fazer compras ali, o estacionamento é gratuito tanto no shopping quanto no estacionamento lateral ao lado da Pizza Hut. Válido para o período de 1h e compras acima de R$ 70.

emporio são joséE o que são os números dos caixas? Olha que lindo!

O que levar para o Chile: documentos, roupa e umas coisinhas a mais

Chile: pertinho, fácil, gente amigável, cotação ok (mas lá está um pouco caro) e lindo demais! Já falei aqui do que você precisa saber pra viajar de carro pelo país, e hoje vão mais algumas dicas sobre o que levar para o Chile no quesito documentação necessária pra entrar tranquilo lá e não passar nenhum tipo de perrengue. Também tem umas coisinhas extras no final do post. Algumas curiosidades boas de saber.

dicas chile

DOCUMENTAÇÃO

Como é um país que tem um acordo diplomático com outros países na América do Sul, você pode entrar só com seu documento de RG, ou seja, se você ainda não tem um passaporte, tá tudo bem. Só lembra que hoje em dia RG válido tem que ter no máximo 10 anos de expedição. Carteira de motorista não é válida, ok? Apenas rg e passaporte mesmo. Você usará a carteira de motorista apenas para dirigir lá, que é legal que não precisa emitir outro documento, como nos EUA ou Europa.

A imigração lá é bem tranquila também, mas lembre que não pode levar frutas, sementes, carnes, etc. Isso nunca pode levar pra lugar nenhum, tá? Lá também não, mesmo sendo país com acordos mais flexíveis para os brasileiros.

VISTO

Também não precisamos de visto para turistar por lá. É claro que, se for trabalhar ou estudar, precisará verificar a necessidade de um visto específico e prazo do mesmo. Mas para passear, tá liberado.

visto

SEGURO

Agora sim, obrigatório. Sempre que viajamos pra fora do país, é necessária a emissão do seguro. Isso é algo bom pra você mesmo. É a forma que você tem de ter assistência rápida e eficaz fora de casa.

Alguns países (tipo Europa e EUA) vão exigir isso logo na imigração. Geralmente eles pedem esse documento junto com os outros. No caso do Chile, nunca me pediram na entrada. Mas, por via das dúvidas, sempre levo junto tudo.

Seguro aqui pra América do Sul é baratinho e tem muitas opções de franquias e tal. Você pode dar uma olhada aqui no Seguros Promo, que é um site que centraliza cotações de todas as empresas.

seguro viagem

VACINAS

Também tá fácil nesse setor. Por enquanto o Chile não exige nenhuma vacina para brasileiros. Digo “por enquanto” porque isso pode mudar sim. Pode mudar caso haja qualquer tipo de epidemia aqui ou lá. Então é sempre bom ficar de olho.

QUE ROUPA LEVAR

O Chile é um país totalmente eclético, hahaha. Quando eu digo que tem de tudo, é porque tem de tudo mesmo! Do deserto às geleiras da Patagônia, do turismo aventureiro de trilhas e parques às visitas em vinícolas chiquérrimas, de capital efervescente e moderna a ilha cheia de História pra contar. Sendo assim, é, você vai ter que analisar bem pra onde vai e quando.

No Atacama você vai precisar de roupas de verão e de inverno. De dia muito calor, mas a noite já é mais frio, além de passeios que começam super cedo e as temperaturas são hiper baixas. Claro, na bolsa leve um biquini para curtir as águas quentinhas da região. É, to falando, 8-80.

Santiago e região já é mais cara de cidade com clima normal de cada estação. No verão é BEM quente, e no inverno é BEM frio. Não à toa uma das maiores estações de esqui da América do sul fica bem ali, o Valle Nevado.

Toda a parte ali embaixo de Santiago, até mais ou menos Chillán, segue a mesma premissa de Santiago. Com estações marcadas. Já chegando em Chillán, o verão já não é exatamente VERÃO. Na cidade em si, é quente ainda, mas o bacana da visita ali é o Valle las Trancas, um hit de inverno também. Nós estivemos no verãozão, e olha, passamos frio. Usamos cabana com lareira e pegamos temperaturas de 7º. Em pleno “verão”. Tinha sol pra ajudar de dia, mas o ar… ahhh esse ar invernal.

chile dicasFotos na mesma viagem, sentido horário: muito calor em Malalcahuello, trilha em 7 Tazas, friozinho em Pucón, friozão em Puerto Varas (tudo no verão)

Dali pra baixo, já é tudo mais frio. Mesmo Pucón, Villarica, Puerto Varas e arredores, que os chilenos vão pra curtir o verão porque é a região dos Lagos, pode ser traiçoeira. Fomos no verão e pegamos bastante frio mesmo, e também chuva. Não é o clima mais comum da época, mas também não é nada “nossa, isso nunca aconteceu”. Fique mesmo de olho na previsão de tempo por ali.

E de Puerto Varas pra baixo, é Patagônia. É inverno sempre, é neve sempre, é frio sempre, só varia se é mais frio ou um pouco menos frio. Se for fazer uma viagem como a última que fiz, saindo de Santiago e indo até Chiloé, a mala terá se der completa: biquini e pantufa.

Outro detalhe: se for visitar parques, leve roupas para trilhas. Tênis, botas apropriadas, mochila, roupa com capuz, roupa impermeável, etc. As trilhas lá tem de bem levinhas, a super profissionais de vários dias.

QUANDO IR

Se quiser curtir verão mesmo, a área é Santiago e as praias. E sim, na época do verão, que é igual que aqui. Se quiser curtir o inverno, tem 2 opções: ir para a Patagônia em qualquer época do ano, ou ir para qualquer lugar dali, na época de inverno.

Para esquiar gastando “menos” (menos porque esquiar é meio caro mesmo), pode estar tranquilo em Santiago usando Valle Nevado. Se quiser outra estação, Chillán está super legal e lindo, mas já o custo sobe, não só pelas estações e hospedagens, mas porque já vai gastar mais um pouco indo até lá.

Já na Patagônia, eu não te garanto que tenham muitas pistas para isso. Por ser um inverno muito mais pesado, talvez o turismo lá seja um pouquinho diferente e muito mais pesado e custoso.

EXTRAS

1) Interruptor de luz pra fora do banheiro

Olha, uma coisa curiosíssima e que só to escrevendo porque vimos em MUITOS hotéis, restaurantes e lugares turísticos que fomos: o interruptor fica do lado de fora do banheiro. “Ah, mas que bobeira contar isso”. Bobeira nada! Gente quantas 8392x nós entramos nos banheiros, procuramos o interruptor e tivemos que sair! Quantas!

Economiza seu tempo, já olha isso. Sério.

2) Água potável nos hotéis

Que coisa maravilhosa é o Chile e suas águas azuis! Basicamente em todos os hotéis que estivemos, a água da pia era potável. Isso significa que você não precisa gastar comprando água pra tomar no hotel e/ou gastar uma fortuna no frigobar. Vai direto da torneira mesmo. È confiável. (mas pergunta no seu hotel antes se a deles é, né)

água potável

3) Gorjetas

Então, aqui vem o caso. Lá, eles não cobram 10% nos restaurantes. Nunca. Em nenhum deles. Porém, na sua conta vem embaixo o valor sugerido ou, quando não vem, espera-se que você faça a conta.

A verdade é que você não é obrigado a pagar se não quiser, afinal, é gorjeta apenas. Geralmente eles atendem super bem, até visando isso, mas como a comida está cara no Chile, as vezes dá um peso considerável no valor. Nós tivemos 1 dia que estávamos totalmente já sem dinheiro – risos – e não pagamos em um restaurante que fomos. MEU-DEUS-DO-CÉU, só faltou o garçom intimar a gente pra briga lá fora. Foi meio tenso, mas né, não é obrigatório, naquele momento não ia rolar (porque tem que ser em cash geralmente) e fim cara. E foi bem dramático. Então saiba, ou paga ou vai rolar um clima meio tenso.

cambio-peso-chileno-dolar

4) Couvert sempre incluído

Ainda no quesito “restaurante”, uma coisa que achei fantástica é que o couvert não é cobrado. Bem, quer dizer, certamente tem um valorzinho embutido lá na sua refeição, mas pedindo ou não, você não altera o valor final. Então… que venha o couvert!

Sempre vem, sempre gostoso e não é esses absurdos daqui sabe, que vem UMA cestinha com 1 pão pra cada um e cobra-se R$ 7 por pessoa na mesa. Ridículo. Lá não tem isso. Pode comer o que vier na mesa que é seu e não é cobrado a mais não.

chile dicas

RESUMÃO DE O QUE LEVAR PRO CHILE:

- Passaporte ou RG

- Carteira de motorista se for dirigir

- Seguro viagem

- Dinheiro em espécie para gorjetas

- Roupa adequada para cada região

Mais sobre o Chile:

– Roteiro Chile: 17 dias de carro 

– Quanto custa viajar de carro pelo Chile

– Dirigir no Chile: tudo o que você precisa saber

Vantagens e desvantagens de fazer uma viagem de carro pelo Chile

– O que fazer em Santiago

– Onde se hospedar em Santiago: 4 opções testadas por nós

– Aluguel de carro no Chile

– Vinícolas no Chile: Viña Miguel Torres

– Vinícolas no Chile: Viña San Pedro 

– Vinícolas no Chile: Concha y Toro

– Museu de Colchagua em Santa Cruz, o maior museu privado do Chile 

– Onde de hospedar no Valle del Colchagua e o que fazer

– Parque Nacional 7 Tazas e onde se hospedar para visitá-lo

– Chillán no verão!

– O que fazer em Pucón, Villarica e região

– Onde se hospedar em Pucón: Glamping Pucón, único acampamento de luxo do Chile

– Onde se hospedar em Pucón: Hotel Boutique Casa Establo

– Artesanato chileno: o que comprar de legal

– O que fazer em Puerto Varas e região

– Onde se hospedar em Puerto Varas

– Como chegar e o que fazer na Ilha de Chiloé

– Uma parada em Valdivia

– O que fazer na região de Malalcahuello e onde se hospedar

– Termas de Malleco e Parque Tolhuaca

– Salto del Laja, passeio gratuito no meio do Chile

– Valle Nevado no verão

– Dirigindo na montanha: Valle Nevado

– Quanto custa viajar para Santiago?

– Pega turista: restaurante giratório

– Cajon del Maipo

– Viña del Mar e Valparaíso

O que fazer em Curitiba com pouco tempo

Pra quem vem a Curitiba eu já aviso: se quiser conhecer mesmo tudo que tem aqui, pode separar uma semana completa! Infelizmente eu sei que geralmente os turistas ficam aqui por 2-3 dias, como muito, isso quando não é apenas 1 dia de parada pra seguir pra SC ou para o litoral. Na boa, que triste! Que triste vir aqui e ficar 1 ou 2 dias apenas. Tem TANTO pra ver!

Mas super entendo, então pelo menos que fiquem 2 dias e aproveitem ao máximo, né? Separei aqui um roteirinho bem apertado de o que fazer em Curitiba em pouco tempo. Vou separar em Sábado e Domingo por motivos de: a maioria aproveita o findi pra vir, mas você pode aplicar essas sugestões em outros dias da semana tranquilo. No Domingo coloquei a feirinha, claramente, mas se for outro dia da semana, você pode ir ao mesmo local aproveitar todas as coisas que citei no entorno. Única diferença é que não tem a feirinha no meio.

Em todos os pontos turísticos eu coloquei uma base de tempo que ficará lá. É só uma ideia básica mesmo, pode ser que você ame o lugar e fique mais tempo ou que esteja cheio e precise esperar para fotos, ou ainda, que você nem curta o lugar e sai rapidinho. De qualquer forma, fica uma sugestão pra calcular sua visita. É um roteiro bem cheio, principalmente no sábado, já aviso!

roteiro o que fazer em Curitiba

Parque Tanguá 

*Vou prever um início de passeio às 9h30 aqui, para calcular o tempo do dia todo, ok? É pouco tempo em Curitiba, então vamos aproveitar*

O Parque Tanguá é o meu preferido aqui. Não que o Botânico não seja bonito, mas acho esse muito mais bacana e diferente. É lindo a qualquer hora do dia e você pode visitar a parte de cima e depois a parte debaixo pra ver essa queda d’água muito linda. O pôr do sol aqui também é incrível, mas eu vou deixar essa sugestão pro Jardim Botânico porque é bem clássico.

roteiro curitiba

O Tanguá foi construído onde eram 2 pedreiras desativadas, e foi um super aproveitamento de espaço em mais um parque lindo pra gente passear e curtir.

A entrada é gratuita e ele fica um pouco afastado da região central de Curitiba. Endereço: Rua Oswaldo Maciel, 97.

TANGUA

Ópera de Arame

Já que estamos no lado norte da cidade, vamos pra Ópera, que fica a apenas 5min. de carro do Tanguá. Se você quiser muito, pode ir a pé, mas realmente não aconselho. É um total de 1,5km e por ali tem umas subidas e tal. Não vale a pena mesmo ir a pé.

A Ópera, vale lembrar, não abre nas segundas feiras. O espaço é realmente um Teatro, onde acontecem peças, concertos e festivais. Como o nome já diz, é sim todo de Arame e é uma construção incrível! Eles estão passando por toda uma revitalização, e teremos muito mais atrativos nesse local em breve. A Ópera fica coladinha à Pedreira Paulo Leminski, onde acontecem os shows grandões na cidade.

o que fazer em curitiba ópera de arameIlustrando a Ópera com uma foto bem dramática nossa mesmo, que fizemos pro projeto Dançarinos Urbanos, do fotógrafo César Bond. Pode? Pode sim. Obrigada.

A entrada é gratuita (por enquanto, isso talvez mude), e lá embaixo tem um café bem bacana com almoço e exposições de arte. Endereço: R. João Gava, 970.

OPERA

*Se você quiser muito adicionar mais um parque na visita, muito próximo da Ópera fica o Parque São Lourenço. Ele é bonito também, porém não considero que tenha algo muito turístico e tal. Acho ele mais um parque para curitibanos mesmo sabe? Meio que como o Parque Barigui, que o pessoal vai para fazer exercícios e só curtir o dia. Não tem aquele apelo turístico que quem está visitando quer ver. De qualquer forma, fica a sugestão extra.

Unilivre

Seguindo o circuito parques, bora pra Unilivre. Da Ópera pra lá são mais 5 minutinhos de carro, e eu tô otimizando bem o roteiro pra vocês. Aqui embaixo vou deixar esse mapa completinho, inclusive.

A Unilivre ou Universidade Livre do Meio Ambiente, fica onde era também uma antiga pedreira (deu pra perceber que Curitiba era cheia de pedreiras, né?). Ali fica o Parque Zaninelli e a entrada é gratuita igual aos outros.

Endereço: Rua Victor Benato, 210.

UNILIVRE

Bosque Alemão

Seguindo o roteiro, vamos pro Bosque Alemão, que fica a mais 4min. de carro da Unilivre.

O Bosque Alemão talvez seja o que você vai demorar um pouco mais pra visitar, porque o muito legal dele é o caminho (mini trilha) com história do João e Maria contada em várias pinturas pela floresta. É muito legal para todos, e se for com criança então, tá feito! No final do trajeto tem uma casinha – da bruxa – com uma mini biblioteca e com contação de histórias em horários pré-definidos.

Bosque Alemão

Além disso, tem um portal de entrada muito lindo, um pequeno mirante ao longo do caminho e um anfiteatro a céu aberto com uma confeitaria gostosa. É um parque muito legal pra visitar, e acredito que vá demorar um pouco mais aqui.

Aqui também a entrada é gratuita! Endereço: Rua Francisco Schaffer, s/n

ALEMAO

Memorial Ucraniano

Última paradinha antes do almoço, mas já que estamos no caminho, vamos aproveitar para conhecer o Memorial Ucraniano. Este memorial fica no Parque Tingui, e acaba sendo o único real atrativo turístico deste parque. É muito lindo, e o complexo contém uma réplica da igreja ucraniana mais antiga do Brasil e uma pequena loja, ambos em formato da arquitetura Ucraniana. Na réplica da igreja tem uma pequena exposição permanente desta cultura.

Eles foram construídos em homenagem à comunidade ucraniana que veio pra Curitiba, e é um lugar legal para comprar as famosas pêssankas.

roteiro curitiba

Passeio gratuito também. Endereço: Rua Dr. Mba de Ferrante, s/n – Parque Tingui

TINGUI

Almoço e passeio em Santa Felicidade

Partiu almoço!! Olha, honestamente eu não gosto de indicar muito Santa Felicidade porque nem acho tanta graça, mas eu sei que quem está visitando a cidade gosta de conhecer o maior restaurante das Américas, o Madalosso. Na verdade são 2 Madalosso, o Velho de 1963 com 24 lugares e o Novo, de 1970 com 4.645 lugares!

Todo o bairro e, principalmente esta rua em questão, tem dezenas de opções de restaurantes. Para todos os gostos e bolsos. A maioria tem menu igual com frango, polenta, massas, risoto… comidinha italiana, com preço fixo e consumo livre.

Toda essa região tem várias lojinhas de artesanato, souvenir, loja de chocolate de Gramado (Floryball) e uma vinícola, a Durigan, que também vende frios diversos. É um passeio mais longo e pra descansar um pouco do batidão de parques que fizemos pela manhã.

Com a minha previsão de horários de visitação, acredito que você deva chegar no restaurante por volta de 13h30. Aí vou dar um tempo maior porque acho que dá pra passear um pouco tranquilo, comer bem, fazer a digestão.

O Madalosso fica na Av. Manoel Ribas, 5875, e abre todos os dias das 11h30 até às 15h e das 19h até às 23h.

STA

Aqui embaixo já coloco o mapa com todo esse roteiro citado acima:

Torre Panorâmica

Acabou passeio? Acabou nada! Saindo do bairro de Santa Felicidade, vamos fazer uma paradinha na Torre Panorâmica. Aqui, todo mundo ainda fala “Torre da Telepar”, porque desde sempre foi esse nome, até mudar para Torre da Oi. Mas ninguém fala assim. Pra gente é sempre Torre da Telepar, hehe.

roteiro curitiba

Essa é uma parada bem legal porque a gente tem vista completa da cidade, 360º em uma altura de mais de 100m. A entrada custa hoje R$ 5 (com opção de meia entrada) e ela abre de terça a domingo, das 10h às 19h.

Endereço: Rua Prof. Lycio Grein de Castro Vellozo, 191

roteiro curitibaFoto monstra de linda da vista da Torre feita pelo blog Um Viajante no passeio que fizemos juntos com o Curitiblogando

TORRE

Pôr do sol Jardim Botânico

Pra fechar o dia, ele, o mais queridinho, o mais esperado, o mais falado, o mais famoso: Jardim Botânico. Deixei ele pro final do dia para tentarmos pegar o pôr-do-sol. É claro que o horário disso vai variar conforme a época do ano em que vier. Mas não custa tentar né? Pelos meus cálculos aqui de tempo, é para chegarmos no Botânico entre 17h-17h30, um horário bem ideal com luz ainda se for inverno.

O Botânico fica já bem fora de todo o circuito acima do dia. Então você vai demorar mais pra chegar lá, não estamos mais falando de pontos a 5 minutos de distância um do outro. Aqui, em trânsito ideal, são pelo menos 20 minutos. Pode contar uns 30 minutos, pra garantir.

o que fazer em curitibaIlustrando com mais uma foto dramática nossa. E sim, tava chovendo mesmo!

Aproveite o restante do dia, visita a estufa, passeie pelos jardins, dê a volta na trilha do parque. A entrada é gratuita também. Êta coisa boa, né? O Jardim Botânico está aberto todos os dias das 6h às 20h no verão e até às 19h30 no inverno.

BOT

Aqui embaixo o mapinha da parte da tarde:

Noite na Vicente/Praça Espanha ou no Shopping Hauer

Ok, bora pro hotel descansar um pouco, tomar banho antes de sair de novo. Agora, pra noite, pô, Curitiba tem MUITA opção de bons restaurantes e bares, mas eu vou deixar 2 sugestões aqui super curiosas e com comida barata: os restôs do Shopping Hauer, na Rua. Coronel Dulcídio ou as lanchonetes da Rua Vicente Machado e restaurantes e bares da Praça Espanha. Um ponto é bem próximo do outro e são quadras que nossa, tem um movimento INACREDITÁVEL. Parece um formigueiro de gente, é algo realmente curioso.

O shopping Hauer estava já a algum tempo meio paradão, e ano passado alguns restôs foram pra lá e BUM! Deu certo. Ali tem hamburgueria com burguer de R$ 10, tem comida mexicana, tem loja de vinho e frios, tem fish ‘n chips e mais algumas coisinhas.

Na Vicente também tem o mesmo burguer de R$ 10, tem o bar +55 (esse já mais refinado), tem container da Patagônia, tem comida árabe, tem pizza por pedaço, tem mais pra baixo um novo restaurante de porco, uma quadra pra cima já entramos na região da Praça Espanha e tem um AuAu (dog curitibano), tem um The Black Beef, tem o Entrecôte de Paris – restaurante chique de carne, tem sorveteria, tem bar de espumante, tem restaurante Espanhol, já tem o Lótus com seus drinks maravilhosos… olha, é uma região pra todos mesmo! Tudo em uma mesma área, dá pra ir a pé de um pro outro, dá pra fazer realmente um tour gastronômico.

Aqui embaixo um mapa contendo o +55, o Entrecôte e o Lótus, como uma base máxima de distância entre tudo isso da Praça Espanha/Vicente Machado:

domingo

O sábado foi agitadíssimo e o domingo também vai ser! Pode preparar essas perninhas:

Feirinha do Largo e Centro Histórico

Clássico de domingo, vamos passar a manhã toda nessa área. A feirinha acontece apenas aos domingos e fica no Largo da Ordem, no coração do centro histórico. A feira começa às 9h, e sugiro ir meio cedo mesmo, porque fica lotada! Ali, além da feirinha em si, você poderá já ver todos os prédios históricos, a 1ª casa colonial de Curitiba, a Igreja do Rosário, o Palácio Garibaldi, o Museu Paranaense, a Mesquita, a Catedral e o Paço da Liberdade (um pouco mais pra baixo).

Tudo isso fica ali, pertinho. Dá pra visitar tudo (menos o Garibaldi) e é tudo grátis. Sugiro mesmo uma visita ao Museu Paranaense, e para comer não faltarão opções! Um lugar bem tradicional para visitar é o Bar do Alemão, ao lado do Memorial. É super característico daqui, um lugar bem legal mesmo.

roteiro curitibaPaço da Liberdade. Pra você ver que vale a pena ir até ali.

FEIRINHA

Aqui embaixo o mapa só dessa região com alguns pontos citados pra você ter ideia da distância geral de tudo:

MON

Depois do almoço, outro ponto famosíssimo, o Museu do Olho. Ele fica no Centro Cívico e até é próximo ao Largo da Ordem e dá pra ir a pé. Mas não recomendo fazer isso, pois você vai andar bastante na feirinha e centro de manhã, e ainda tem um Museu pra visitar. Melhor pegar um Uber/Táxi mesmo. São pouco mais de 2km de distância.

Mon roteiro curitiba De quando a gente recebeu blogueiros do Brasil todo pra conhecer Curitiba. Foto Rafa Leick.

O MON é um museu lindo e com exposições interessantes. É claro, o tempo de visita aqui vai depender muito do seu ritmo em museus e das exposições da data. As vezes tem mais salas abertas e ai né, demora mais.

O MON fica na R. Mal. Hermes, 999 e a entrada custa R$ 20 (com meia entrada). Funciona de terça a domingo, das 10h às 18h.

MON

Bosque do Papa

Atrás, literalmente atrás do MON, fica o Bosque do Papa. Estamos ali, vamos conhecer esse também. É uma gracinha esse parque e a caminha entrando pelo MON é uma mini trilha (calçada, fique tranquilo) que leva a uma mini vila polonesa. Assim como a homenagem aos ucranianos imigrantes, esse é uma homenagem aos poloneses. São várias casinhas museu e tem uma loja também.

roteiro curitiba

Não tem muito o que fazer exatamente aqui e ele é pequeno, então é uma visita rápida. Já que está nessa área entre MON e Bosque do Papa, uma sugestão é comprar uma maçã maravilhosa na Mary Ann Apple Factory. De verdade, vale a comilança agora. Pra repor energias né gente, daí pode tranquilo!

PAPA

Parque Barigui

Pra fechar o dia de passeios, deixo uma sugestão pra quem quer muito conhecer outro grande famosinho de Curitiba, o Parque Barigui. Como falei lááá em cima, não acho que seja O passeio muito turístico, é mais um parque pro pessoal fazer exercício, tem feiras geralmente, tem lugar pra comer e tal. Fica uma sugestão de um dos cartões postais da cidade também.

BARIGUI

Aqui embaixo todo o roteiro citado do dia:

Bom, acho que deu pra conhecer bem os pontos principais de Curitiba. Tem MUITA coisa aqui mesmo, centenas de bons restaurantes, bares e docerias. Não vou indicar nada específico para o jantar de domingo porque vou deixar aberto nas milhões de opções.

Tem muito mais da cidade aqui no blog, então clica aqui que tem dezenas de posts de onde comer e mais passeios além dos citados nesse post!

Onde se hospedar em Santiago: 4 opções testadas por nós (recomendadas… ou não!)

A gente tem mais de 30 posts do Chile aqui, e isso significa que a gente gosta muito de lá, não é mesmo? Os posts são relativos a 3 viagens que fizemos, eu e Mari, e como sempre a parada inicial é a capital, já temos algumas opções de onde se hospedar em Santiago pra indicar. Bora fazer um post compilando tudo, pra facilitar e também adicionar os 2 hotéis que fiquei na última viagem. Vem ver:

Alcala del Rio

O Alcala foi o 1º hotel que fiquei lá muitos anos atrás. Achei bacana porque ele ficava em uma área muito tranquila, nada de barulho e de fácil mobilidade pro resto da cidade, ali em Providência, umas das regiões mais indicadas mesmo para hospedagem. Lembro que na rua de trás tinham alguns lugares pra comer e mercadinho.

O quarto era bem espaçoso, o café era completo, tinha piscina e tudo. Achamos um bom preço e foi muito prático ficar ali. Eu contei mais detalhes dele neste post aqui.

Aqui o link direto para reservas e a localização do hotel no mapa:

*Ah, eu não tenho fotos desse hotel, porque ele é de uma época muito antes de eu sequer ter um blog e me preocupar com isso, hehe.

Ibis Providência

O Ibis é a opção barateza mais indicada e como o nome já diz, também nessa super região, Providência. O legal é que esse bairro é bem seguro, tranquilo, turístico e tem muitas opções e para todos os bolsos.

Hotel Santiago Ibis Providencia

O valor do Ibis é bem mais em conta do que os outros citados aqui, e convenhamos, se você é como a gente que viaja pra ficar o dia todo fora batendo perna, dá tranquilo pra pagar menos no hotel (contanto que ele seja limpinho e com uma boa caminha, ninguém é obrigado né?). Essa foi a opção preferida da Mari, e ela contou mais detalhes sobre o motivo neste post aqui.

Aqui o link direto para reserva e abaixo mapinha:

Hotel Tremo

Na última viagem no começo do ano, tivemos 2 momentos em Santiago e ficamos em 2 lugares diferentes. O primeiro, também no tal Providência (tô falando, é o melhor!), mas esse foi meio “enganação”.

hotel santiago

O Hotel Tremo é um hotel boutique, ou seja, ele é bem menor com quartos selecionados. Geralmente hotéis assim também tem um serviço diferenciado e mais vip, mas não achamos que foi o caso. Achamos o quarto HIPER pequeno, do tipo que ou cabiam as malas ou a gente andava no quarto, sem contar o café um pouco fraco. Veja, não é que dormimos mal ou que a rua era uma baderna e hotel sujo. Não foi isso. Apenas esperava mais.

onde se hospedar em santiago

Ele tinha um preço interessante, bem localizado, ainda que para estacionar em frente seja ruim e tivemos que parar mais longe, porém nem todo mundo está de carro em Santiago e isso não se faz exatamente um problema pra todos os viajantes, e serviu pra nossa estadia. Afinal, a gente fica o dia todo fora e o hotel tinha um banheiro limpo e uma cama confortável.

Sem contar que esse hotel fica a 1 quadra do Patio Bellavista (conto mais aqui), uma região excelente pra passear, pra escolher um bom restaurante, com opções para todos os bolsos, com lojinha… bem gostoso estar ali perto e poder fazer tudo a pé.

Aqui o link direto pra reservas, e o mapa de localização:

Sobre os 3 hotéis citados em Providêndia, olha como são todos muito perto um do outro, o que assina embaixo o que falei: ô região boa pra ficar e encontrar onde ficar!

Apart Hotel Ukun

Por último, uma opção diferente e que reservamos pelo Booking mesmo e não por sites como Airbnb: um apê todo nosso.

Precisávamos de um lugar para dormir na última noite da viagem de carro, antes de pegar o aéreo pro Brasil. A gente achou que podia ficar muito cansativo, e até perigoso de perder o voo, se não pegássemos essa noite. A viagem de carro retornava pra Santiago por volta de 17h, e os voos pra cá saíam a noite. Sabe prevenir é melhor que remediar? Então. vai que o roteiro atrasa e a gente não consegue chegar a tempo? Imprevistos de estrada né, pode acontecer.

Optamos então por chegar tranquilos em Santiago (e olha, a gente chegou por volta de 19h mesmo na cidade), dormir bem, descansar dos 17 dias viajando de carro, arrumar a mala com calma e sair a tarde passear um pouquinho antes de ir pro aeroporto.

No apê compramos comida e fizemos jantar + almoço do dia seguinte, algo que nos fez economizar MUITO, já que comida no Chile tá bem carinho. Nós também pudemos pagar em Reais pro dono, o que foi ótimo senão eu precisaria sair pra trocar dinheiro ainda! O dono foi super simpático, nos ajudou com as malas e nos recepcionou bem.

apartamento santiago

Por ser só uma noite, escolhemos algo pelo preço. Desta vez, ficamos na região mais central, pois nem sairíamos a pé por ali nem nada. Nós encontramos o Apart Hotel Ukun, e chegando lá descobri que váááários apês ali são para locação turística.

O apê é super confortável, tinha tudo: cozinha equipada, wifi, tv, cama, banheiro com toalhas e amenities. Ah, se você for de carro, tem opção de estacionamento por uma taxa extra, porém é bem irrisória e mais barata que qualquer outro estacionamento na cidade, haha. Ou seja, mesmo sendo um apartamento, ele tem facilidades de um hotel.

apart hotel santiago

Aqui está o link direto para este que ficamos e abaixo a localização no mapa. No link do booking tem várias formatações do apê, isso porque o dono tem vários apartamentos disponíveis no mesmo edifício.

Mais sobre o Chile:

– Roteiro Chile: 17 dias de carro 

– Quanto custa viajar de carro pelo Chile

– Dirigir no Chile: tudo o que você precisa saber

– O que fazer em Santiago

– Aluguel de carro no Chile

– Vinícolas no Chile: Viña Miguel Torres

– Vinícolas no Chile: Viña San Pedro 

– Vinícolas no Chile: Concha y Toro

– Museu de Colchagua em Santa Cruz, o maior museu privado do Chile 

– Onde de hospedar no Valle del Colchagua e o que fazer

– Parque Nacional 7 Tazas e onde se hospedar para visitá-lo

– Chillán no verão!

– O que fazer em Pucón, Villarica e região

– Onde se hospedar em Pucón: Glamping Pucón, único acampamento de luxo do Chile

– Onde se hospedar em Pucón: Hotel Boutique Casa Establo

– Artesanato chileno: o que comprar de legal

– O que fazer em Puerto Varas e região

– Onde se hospedar em Puerto Varas

– Como chegar e o que fazer na Ilha de Chiloé

– Uma parada em Valdivia

– O que fazer na região de Malalcahuello e onde se hospedar

– Termas de Malleco e Parque Tolhuaca

– Salto del Laja, passeio gratuito no meio do Chile

– Valle Nevado no verão

– Dirigindo na montanha: Valle Nevado

– Quanto custa viajar para Santiago?

– Pega turista: restaurante giratório

– Cajon del Maipo

– Viña del Mar e Valparaíso

The Black Beef Curitiba: com burguer rosadinho e melhor shake!

Ontem abriu a nova sede da The Black Beef Curitiba e a gente foi lá conferir. Afinal, tem que experimentar as coisas pra contar pros amigos né?

A The Black Beef é uma hamburgueria que já tem lojas em Maceió, Brasília, Goiânia, São Paulo, Belo Horizonte e Uberlândia, e já é bem conhecida pelo hambúrguer delicioso de carne rosada por dentro e preço muito agradável. A verdade é que a TBB começou sua história lá nos primórdios da novidade dos food trucks e, apesar de hoje ser um restaurante e não mais um food truck, o preço é como o de rua. E sem os 10%.

black beef curitiba

curitiba the black beef

Uma coisa que achei muito bacana é que o local é pet friendly, ou seja, você pode ir com seu bichinho que ele é super bem vindo, tem água de cortesia e você ainda pode comprar um mimo pra ele, um sorvete de baunilha com biscoito canino especialmente feito pro seu fofinho! O sorvetinho custa R$ 6.

black beef curitiba

Agora ao que interessa, o burguer! São poucas e boas opções, nada muito complicado, ainda seguindo a ideia do antigo food truck. Eu pedi o cheeseburguer, e o Jorge pediu o Black Beef, em pão australiano. Para acompanhar pedimos as fritas Brie’n Fries, que é uma especialidade da casa que serve 2 pessoas. Nela, as fritas vem com queijo brie, geleia de pimenta e um pouco de bacon (na real, eu dispenso o bacon, mas a combinação ficou super interessante).

black beef

the black beef

Depois ainda experimentamos uma meio que sugestão do dono. A The Black Burguer tem opção vegetariana, onde o hambúrguer é feito com queijo super mega recheado. Ele comentou com a gente que muitos clientes pedem aquele hambúrguer com a inclusão da carne. Achamos interessante e curioso, então pedimos pra ver qual era. Se liga no tamanho disso aqui:

the black beef curitiba

Quando cortamos (porque né, não dava pra morder isso!), foi uma explosão de queijo! Muito diferente e especial. Esta opção chama-se Super Brie. Ela é uma opção vegetariana, porém claramente não é vegana.

the black beef

Para arrematar, tivemos que fazer o grande esforço de experimentar um dos shakes da casa. Não aguentava mais comer, então pedi pra que servissem menos, já que o copo normal vem com 400ml. Olha, arrependimento? Teve. Que coisa deliciosa meu deus do céu! Tomamos o de Nutella, mas lá ainda tem opção de Oreo, Ovomaltine, Paçoca (interessei nesse) e Ninho. Cada shake custa R$ 14 e olha, tá valendo!

shake the black beef

Os hamburgueres variam preço entre R$ 20 e R$ 24, e você pode tirar ou incluir outros itens disponíveis no cardápio. Para adicionar mais uma carne, são mais R$ 6. Além disso eles tem opções de sucos, refris, chopp e até vinho. Super completo.

A The Black Beef aqui tem estacionamento atrás e um convênio na frente. Isso é super essencial, porque eles estão bem ali no miolo do Batel Soho, e a gente sabe que ali é difícil estacionar, né? Além disso, eles abrem de manhã até a noite e no findi ficam até às 5h, pra ir depois da balada. Ah, e a loja daqui vai ser a primeira da rede a servir café!!

Serviço:

The Black Beef – Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1069 – Batel

Horário: Domingo à quinta das 11h30 às 23h30, Sexta e Sábado das 11h30 até 05h.

1 2 3 4 5 182