5 motivos para viajar na sua própria cidade

Viajar é maravilhoso, ponto. Viajar é, de longe, uma das coisas mais maravilhosas da vida, onde podemos ter contato com pessoas diferentes, culturas novas, experimentar novos sabores e cheiros, ter novas ideias e voltar renovado pro dia-a-dia.

Viajar é tudo de bom, mas as vezes não podemos, né? Seja por dinheiro curto no ano, por projetos em que estamos envolvidos ou por qualquer outro motivo… as vezes infelizmente não dá pra sair e ganhar experiências fora de casa. Mas e isso é um impeditivo completo pra gente não ver coisas novas? Pra gente não se inspirar? Pra não sair e curtir?

Provavelmente sua cidade está cheinha de coisas acontecendo e você nem sabe porque está muito preso na ideia de que “preciso ir pra fora pra ter novas ideias/experiências/etc”. E isso é a maior mentira de todos os tempos da vida. Eu fiz um post aqui no blog já falando sobre isso esses tempos, e hoje selecionamos 5 motivos de porquê você pode e deve viajar na sua própria cidade. Tem vantagens sim, ok? Ó só:

1. NÃO PRECISA DE HOTEL

Olha que vantagem legal, um super gasto a menos na sua viagem. Hotel é um gasto alto, mesmo se escolhemos um hostel ou uma locação de apartamento. É sempre uma boa quantia de dinheiro que fica nisso, e quando viajamos na nossa própria cidade, esse montante não existe.

Hotel

Um pessimista já diria “ah, mas tem gasto de luz, água, aluguel/condomínio também”. Tem sim, mas se você fosse viajar teria tudo isso ainda quando chegasse em casa e mais o gasto do hote da viagem. Então nem vem.

2. NÃO FICAR DIAS ESPERANDO A MELHOR PASSAGEM AÉREA

Pior situação: aquelas férias marcadas, aquela vontade louca de viajar, aquele dinheiro separado… e as passagens que não contribuem! Puta saco isso! Ter que ficar entrando todo dia pra conferir, pra ver se baixa, procurando promo. Se estiver disposto a novas experiências na sua cidade, adeus preocupação da passagem. Sem contar que também não tem aquele medo de comprar a passagem barata mas em uma temporada ruim no lugar, tipo chuva ou sei lá.

passagen aérea

3. DESCOBRIR UM NOVO RESTAURANTE PREFERIDO 

Não dá uma raivinha quando a gente vai num restaurante/bar muito legal quando estamos viajando e tipo… não poderemos mais voltar? Já aconteceu muito comigo isso, e se você resolve experimentar coisas novas na sua cidade, já pensou… você pode voltar mais vezes naquele lugar, olha só!

Quem sabe até um de comida típica de algum lugar diferente, coisa para experimentar mesmo, e sentir que está em outro país.

restaurante

4. PODER FALAR DA SUA CIDADE PARA AMIGOS VISITANTES

Não tem coisa mais legal do que poder dar uma dica bacana pra alguém. Seja onde for, seja de Paris, seja de Carambeí, seja daquele restaurante diferente. É legal indicar uma experiência boa ou que é a cara do nosso amigo!

E é muito mais legal saber falar e contar da NOSSA cidade para alguém de fora. Dá um sensação de “ó só tudo que a minha cidade tem de legal”.

cidade

5. CONHECER LUGARES NOVOS SEM PRECISAR FAZER A MALA

Separa looks que combinem, que não pesem na mala, que não sujem e amassem tanto. Separar remédios, coisas de banho. Pensar mesmo num sapato que combine com tudo. Separar uma roupa de banho, porque vai-que. Também separar um guarda chuva. Separar acessórios, carregadores de tudo, adaptadores. Sem esquecer de nada.

Depois é arruma-desarruma-arruma-desarruma na medida que troca de cidade. E pra fechar, nada mais cabe na mala e aquela preguiça de reorganizar tudo. Nah… não tem que fazer tudo isso pra passear na sua cidade. Bom, talvez se for em Curitiba seja bom estar sempre com uma blusa extra e guarda chuva na bolsa… hahaha

viajar na sua cidade

É claro que esse post é tudo uma brincadeirinha, do tipo “pare de reclamar que não pode viajar e veja o lado positivo de ter que ficar na sua cidade um pouco”. Ah, que pena que talvez agora não dê pra sair pelo mundo, mas isso não significa se privar de novidades e de passear pela sua cidade ou arredores como se estivesse em outro país, né?

Roteiro em Foz do Iguaçu: 4 dias intensos!

Foz do Iguaçu é o seguinte: você pode ficar 10 dias lá que ainda vai ter coisa pra fazer naquela cidade tão incrível, porém, contudo, todavia, a gente sabe que um normal de viagem pra lá são 4 dias. Por conta disso, montamos um roteiro em Foz do Iguaçu básico e indispensável pra você curtir muito!

Estou imaginando aqui que você chegou em um voo mais a noite e vai mesmo passear no dia seguinte, tá? Pra fechar 4 dias completos mesmo. Partiu Foz?

roteiro foz

Ok, Foz tem muita coisa e eu vou otimizar bem os dias. Isso significa que vai ter bastante coisa pra fazer sim. Neste primeiro dia, você pode seguir pro lado das Cataratas e fazer tudo pra esse lado. Todos os pontos citados acima ficam basicamente na mesma rua, então é muito fácil.

Você pode começar com uma parada no Dreamland (tudo sobre lá, clicando aqui). Lá tem 3 atrações, mas honestamente? Eu achei que o Parque dos Dinossauros e o Museu de Cera que valeram a pena mesmo. Lá abre às 8h, e como tem bastante coisa pra você fazer nesse dia, sugiro chegar cedo. Eu acredito que a visita aqui, dependendo do seu ritmo, não passa de 1h30.

Seguindo o passeio, bora pro Parque das Aves, já um pouco mais a frente. O lugar é espetacular, e antes de sair metralhando que “é um zoológico e mimimi”, por favor, leia este post e aprenda sobre o local. Lá você vai ficar tranquilamente de 2h a 3h, porque é imenso e lindo. Isso significa que você deve sair por volta das 13h.

roteiro foz

Na parte da tarde, Cataratas lado brasileiro! Não, não dá pra fazer os 2 lados em um único dia. Na verdade o lado argentino toma o dia inteiro, pois tem bastante trilhas. Melhor separarmos. A entrada das Cataratas é em frente ao Parque das Aves. Coma por lá, e já aproveite para otimizar o tempo. Tem bastante coisa e passeio para fazer no nosso lado, mas eu vou sugerir apenas 2: o macuco e a trilha básica até as cachoeiras mesmo.

Eu diria para fazer primeiro o macuco, pago a parte da entrada do parque, e que você pode comprar com desconto antecipadamente no Ticket Loko (sério, vale muito a pena!). O passeio é até rápido, e saindo de lá – todo molhado – siga para a pequena trilha até as Cataratas, assim já vai secando, hehe.

Pra fechar o dia, pôr-do-sol no novo Marco das Três Fronteiras. Esse é um ponto que só abre no fim da tarde mesmo, justamente pela atração principal ser mais tarde. Lá tem restaurante, tem lojinha, tem show a noite, tem banheiro, estacionamento… Um lugar muito lindo para arrematar o 1º dia em Foz. Aliás, o Marco é o único que não está na mesma rua (rodovia das Cataratas) que todo o resto, mas acho que é o melhor dia para colocá-lo no roteiro.

roteiro foz

Acho que depois de um dia cheio como o anterior dá pra dormir até mais tarde no 2º dia, né? Depois de descasar um pouco, começamos o dia na Mesquita. É um passeio bem diferente, quem sabe você pode até tirar, mas achei bem bonito lá e não é tão visitado como os outros pontos.

Seguindo a linha ~religiosa, bora pro Templo Budista. Esse eu acho bemmm interessante você ir. O lugar é super bacana, e eu tenho certeza que você vai amar tirar fotos lá! Além de ser um lugar super tranquilo e silencioso.

Aí já estamos pertinho de Itaipu. Aí é o seguinte, você pode passar o dia inteirinho lá, porque tem muitas atividades pra fazer, todas pagas separadamente. O mais comum é o tour panorâmico, que é o tour mais curto. Se quiser e puder, sugiro o circuito especial, porque ele te leva por dentro da Usina e é bem mais interessante.

roteiro foz

Lá ainda tem o passeio de carro elétrico, o polo astronômico, o refúgio biológico (trilha), ecomuseu, a iluminação da barragem e o passeio de Kattamaram no final da tarde. Coloquei o Kattamaram já aproveitando que estamos em Itaipu neste dia.

Ok, deu de passeios em Itaipu, partiu centro de novo! Uma noite típica por lá é jantar na churrascaria Rafain e assistir ao show folclórico. É a casa mais famosa de lá, com um churrasco delicioso.

roteiro foz do iguaçu

Vamos passear em 3 países em um dia só? Vamooos! De manhã pegue o passeio para o Paraguay. Não compensa ir sozinho de carro ou sei lá como. Pegue uma van com a Loumar que é muito mais seguro, fácil e sem estresse para atravessar. Eles tem alguns horários de saída e de retorno fixos, é só combinar com eles. Geralmente o pessoal vai pela manhã e volta no meio da tarde.

Além das compras, sugiro a visita ao Museu 3D que é bem bacana, mas só abre a tarde. Então você pode comprar de manhã, visitar o museu, que vai te tomar no mínimo 1h de visita (sendo bem otimista), e voltar no meio da tarde pro hotel.

roteiro em foz

Agora, Paraguay é puxado, é camelar e andar muito, então com certeza você vai querer dar uma descansadinha no hotel. A noite, pegue o tour para Puerto Iguazu. se não me engano, ele sai por volta das 17h, pois tem uma imigração pra fazer pra Argentina que toma tempo do grupo.

O passeio em Puerto passa por vários pontos e toma a noite inteira. Você chegará bem tarde no hotel.

roteiro em foz

Último dia, vamos deixar pro passeio do lado argentino das Cataratas. Lá você pode passar o dia, porque tem muitas trilhas, e o caminho até a garganta do diabo também é mais longo do que o do nosso lado aqui.

A noite, minha sugestão é fechar a viagem com a noite italiana no Bella Itália, uma noite regada a massas, muuuito queijo, vinhos e música típica italiana. É uma noite pra se acabar mesmo e arrematar a viagem pra Foz.

roteiro em foz

Mondrí: novo espaço gastronômico de Curitiba

Ontem estivemos na inauguração de uma das sedes do Mondrí, mais um espaço gastronômico aqui de Curitiba. “Mas Anna, uma das? Como assim?” É isso aí, porque o Mondrí vai contar com vários espaços pela cidade, diferente de outras praças gastronômicas.

Fachada Mondrí_ Eduardo MacariosFoto: Eduardo Macarios | divulgação

Ontem abriu a 1ª, versão pocket, por assim dizer, ao lado da Arena da Baixada. O local conta com 5 restaurantes: Big Five Burguer, Açaí & Cia, Schoppen Bitte, Pier 34 e o Astoria Drinks & Petiscos. O que achei muito bacana é que a maioria está abrindo seu primeiro ponto juntamente com o Mondrí, ou seja, você só encontra essas comidinhas ali mesmo. Super exclusivo! Abaixo conto um pouco de cada um deles:

Big Five Burguer

Ok, nome já diz: burguer! Sim, é o que tem lá. Hamburguer, fritas, polentinhas e cerveja! Na inauguração pudemos provar o burguer que estava delicioso, em um pão tipo ciabata e molho especial; também provamos as batatas e as polentas. Além disso, eles tem 5 opções de molhos que você pode escolher junto com as porções. Recomendo fortemente o de mostarda e mel.

mondríFoto: Eduardo Macarios | divulgação

Além disso, tem as cervejas, como falei. Lá o sistema é diferente e super prático: você se cadastra, pega um cartão seu e coloca um valor em dinheiro. Aí é só chegar nas torneiras, encostar seu cartão e servir o quanto quiser. O sistema vai marcar quantos ml você pegou e descontar o valor do seu cartão. Tudo isso vai aparecendo na tela, então você consegue ter o controle do que consome.

Já tem outros lugares em Curitiba com esse sistema, e acho excelente. É super fácil, você só carrega seu cartão e bebe tranquilo sem precisar esperar por garçom nem nada. Não usou todo o crédito? Ele fica no cartão para a próxima vez lá. Lá no Big Five tem 5 opções de cervejas de rótulos diferentes, e você gasta cerca de R$ 3 por 100ml.

Ah, vale salientar que eles tem opções veganas e vegetarianas no Big Five! (alô Mari!)

Açaí & Cia

Essa é um ponto que já tem loja além do Mondrí. Como o nome já diz, o hit aqui é o açaí. Tem de tudo que é jeito, preço e combinações. O açaí é todo feito por eles em um processo bem artesanal, pra não ficar forte ou com gosto de terra (já comeram açaí quando tem gosto de terra? horrível eca).

Lá também tem muitas opções saudáveis como sucos naturais, milk shakes e sodas italianas de diversos sabores.

mondríFoto: Eduardo Macarios | divulgação

O que achei MUITO bacana e não tinha visto até então, são as barquinhas de açaí. Sabe aquelas barquinhas de comida japonesa? Então, é isso, mas de açaí com várias opções de frutas. Excelente ideia, e ainda tem em 2 tamanhos.

Pier 34

Essa loja também só tem no Mondrí por enquanto. Lá são servidas crepes e tapiocas doces e salgadas, e assim como o pessoal do Açaí ai em cima, tudo é feito por eles (salvo a parte de doces industrializados que não tem como). Na abertura experimentamos a tapioca de calabresa, queijo e pimenta dedo de moça e o crepe doce de morango com creme de amendoim. Assim, não tem muito como não dar certo quando tem creme de ameindoim envolvido, mas gente, que delícia esse crepezinho! Recomendo!

As porções são generosas, e ainda tem 3 tipos de molhos especiais que você pode pedir pra acompanhar os pratos salgados. De novo, tudo feito por eles. Aqui os valores vão de R$ 25 a R$ 30.

MOndríFoto: Eduardo Macarios | divulgação

Astoria Drinks & Petiscos

Essa loja também é a 1ª aberta nesse formato pelo grupo. Digo isso porque eles já tem um restaurante em Curitiba, mas desta forma servindo drinks e petiscos, é novo e só ali.

Nome já diz tudo, drinks e petiscos, hehe. São várias opções de drinks (inclusive com opções exclusivas criadas para a casa) com e sem álcool, preparados na hora, na sua frente, tipo bar mesmo. Lá você também encontra vinho, espumante e claro, caipirinha! Os drinks custam entre R$ 20 e R$ 30.

mondríFoto: Eduardo Macarios | divulgação

Além disso, eles servem petiscos variados e a cada dia da semana um prato diferente. Tem carne de onça, camarão, tábua de frios e até feijoada aos sábados. As porções ficam em torno de R$ 20 a R$ 40.

Schoppen Bitte

Por último e não menos importante – NÃO MESMO – uma loja só de chopp. Aí sim! Bem, aqui não tem segredo, o cardápio é só de chopp premium do Grupo Petrópolis. Agora, pra ficar melhor, que tal fazer seu cartão fidelidade de chopp? Pois é, aqui tem! A cada 10 choppes, você ganha um e pode escolher o que quiser. O preço base das canecas é de R$ 10.

MondriFoto: Eduardo Macarios | divulgação

Serviço:

Av. Getúlio Vargas, 1919 – ao lado Arena da Baixada. Tem convênio com o estacionamento em frente!

Aberto de terça a quinta das 17h às 23h, sexta das 17h às 00h, sábados das 11h às 00h e domingos das 11h às 21h. Fechado na segunda.

Cervejaria Klein e o super almoço na Klein Brewhouse

Gente do céu, que gafe não ter postado esse passeio aqui ainda! No ano passado a gente fez uma nova edição do Curitiblogando - encontro de blogueiros de viagem aqui na cidade - e o tema foi cerveja. Todo o roteiro envolvia cerveja, e dentre vários passeios que fizemos e levamos o pessoal de fora, um dos preferidos foi a visita à cervejaria Klein e ao novo espaço gastronômico deles, o Klein Brewhouse.

klein

A Klein é uma das maiores cervejarias artesanais aqui da cidade, aliás, região metropolitana, porque fica em Campo Largo, hehe. A gente pegou o ônibus deles, do Beer Tour, depois da visita ao Curitiba Antique Car e fomos direto pra lá. Nesse ônibus você já pode ir degustando algumas cervejas e aprendendo um pouco sobre os rótulos da Klein. Vale informar que esse ônibus tem parada no Parque Barigui. A gente pegou no Curitiba Antique porque fazia parte do roteiro do evento, ok? O ponto normal é no Barigui, bele? É preciso agendar com eles, mas as saídas são geralmente aos sábados 11h.

O trajeto já foi super animado e ali já experimentamos 3 (três) cervejas da Klein, pra chegar no grau na visita à fábrica! O espaço é super organizado, e lá fomos recebidos pela Suelen, dona da cervejaria e pessoa amante de cerveja mais querida de todos os tempos.

klein cervejaria

Ela deu uma atenção muito especial pros visitantes, contou tudo da história da cervejaria, contou sobre o processo e surgimento de cada cerveja que eles tem, e deixou a gente experimentar mais 3 cervejas, direto do barril! Olha a finesse das duas aqui:

klein cerveja

Dali o passeio leva pra Klein Brewhouse, que é um novo restaurante deles e que fica bem próximo da fábrica. Lá você encontra 24 opções de cerveja (a maioria é da Klein, mas também tem algumas cervejas de outras marcas), além de um cardápio delicioso e que inclui opções vegetarianas.

cervejaria klein

Todo mundo comeu demais lá, e de quebra ainda teve até sobremesa, que é imensa e serve muita gente! É um passeio pro dia todo, pra curtir bastante com a família e experimentar várias cervejas diferentes.

klein almoço

klein brewhouseFotos comidas: Coisos on the Go

No pacote do Beer Tour, está incluso o transporte + fábrica + almoço com chope na Brewhouse. O valor é de R$ 80 e você pode agendar diretamente com eles através do e-mail reservas@kleinbrewhouse.com.br, pelo telefone (41) 3399-2629 ou ainda pela página no Facebook Klein Brewhouse.

klein cervejaria

Pra quem quiser ir diretamente para almoçar, também pode, claro. Uma sugestão é pegar o menu degustação das cervejas, com 4 chopes de 150ml fica R$ 16,90. Para o almoço, eles tem uma tábua de alcatra que é espetacular, e serve tranquilamente até 4 pessoas (que foi o que comemos neste dia). Essa fica na casa dos R$ 80.

brewhouse kleinFoto: Coisos on the Go | Prato vegetariano

Outros passeios cervejeiros em Curitiba:

- Rota da cerveja de Pinhais

- Visita à fábrica da GaudenBier

- Circuito da cerveja do Festival de Inverno de Curitiba

- Tour na Fábrica da Bierhoff

- Bar Brahma Curitiba

- Tour Comida de Buteco

VI Curitiblogando

Vantagens e desvantagens de fazer uma viagem de carro pelo Chile

A gente já postou 492 coisas do Chile aqui no blog, tem praticamente tudo de Santiago até a Ilha de Chiloé (ainda não conhecemos Atacama e Patagônia, quem sabe um dia, he), e viajar de carro por lá é muito legal sim, mas sempre tem alguns pontos negativos e que eu acho bom ressaltar e já deixar todo mundo prevenido. Já falei aqui sobre o que você precisa saber pra dirigir por lá, e aqui faço um post mais comparativo, mais pá-pum, mais o que achei de real.

carro no chile

USAR O PEDÁGIO 2X

Isso eu achei fantástico! Quando você está na estrada principal e vai entrar em uma cidade, tem um pedágio. É barato, mas é um dinheiro né? E se você está rodando e já pagou o pedágio da rota principal, basta apresentar o canhoto na entrada da cidade. A gente tem de 6h a 12h (varia conforme empresa responsável) pra utilizar o ticket e economizar um pouco.

ESTRADA BOA

As estradas no Chile são ótimas! Todas elas, salvo as que levam para o interior dos parques, que essas sim são de terra e mais naturais, sem muita intervenção. Mas isso a gente entende perfeitamente.

As rodovias são muito boas, monitoradas por tudo e sinalizadas de ponta a ponta. Não tem como errar entrada/saída, rota… é muito fácil mesmo dirigir no Chile.

VISTAS

Gente, posso ser monga, mas eu AMEI as vistas no Chile! Assim, não são as mais belas tipo Alpes Suíços, mas gente, tem vulcões! Vulcões enormes por todos os lados e eles são espetaculares. É muito inusitado. E no inverno? No inverno tem toda a Cordilheira dos Andes com neve. Bem válido.

ACESSO AOS PARQUES MAIS LINDOS

Uma coisa boa de estar de carro (e nesse caso até melhor se for um 4×4) é poder chegar a lugares mais remotos, e que de Uber, Táxi ou esperar um grupo turístico fica bem mais caro. Também aquilo né, bem melhor poder escolher todos os cantinhos que vai parar, ou mudar um pouco a rota para visitar algo tipo Saltos del Laja ou a vila de Rarí comprar artesanato.

carro no chile

GASOLINA

Cara, taí uma coisa meio chata, o preço da gasolina. Chegamos a pegar mais de R$ 5/L, e como rodamos bastante foi sofridinho, viu? Outra coisa, quando mais pro sul, mais caro o litro, porque tudo sai mesmo de Santiago, não tem assim outra cidade principal no país. Vem tudo lá de cima, segundo os chilenos nos contaram. Então é isso, visitar o sul é economicamente mais caro pra quem está de carro.

ESTACIONAMENTO

Bem, quem está de carro… precisa estacionar o dito cujo! Lá é MUUUITO caro mesmo estacionamento, pois é cobrado por minuto!! É caro do tipo parar na rua custa mais ou menos R$ 10 a hora. Eu acho caro. E estacionamentos é daí pra cima. Em alguns parques também é preciso pagar estacionamento a parte, mas por sorte foram poucos.

TURISTA PAGA MAIS CARO

Olha, taí um troço que eu meio discordo em pontos turísticos, e isso acontece em Foz também, que eu adoro. Por um lado eu até entendo que eles tentam, de certa forma, incentivar o próprio habitante a visitar as belezas do país… mas por outro… poxa, o turista veio lá de longe pra visitar, já está gastando bastante e ainda tem que desembolsar mais. Sei lá, eu acho meio deselegante isso na verdade. O que vocês acham?

O fato é que no Chile turista sempre paga mais caro nos parques. Aliás, não todos, mas assim, 95% dos que visitamos, pagamos mais caro. Algo como R$ 5 a R$ 10 mais caro.

VIAGEM CARRO

Mais sobre o Chile:

– Roteiro Chile: 17 dias de carro 

– Quanto custa viajar de carro pelo Chile

– Dirigir no Chile: tudo o que você precisa saber

– O que fazer em Santiago

– Onde se hospedar em Santiago: 4 opções testadas por nós

– Aluguel de carro no Chile

– Vinícolas no Chile: Viña Miguel Torres

– Vinícolas no Chile: Viña San Pedro 

– Vinícolas no Chile: Concha y Toro

– Museu de Colchagua em Santa Cruz, o maior museu privado do Chile 

– Onde de hospedar no Valle del Colchagua e o que fazer

– Parque Nacional 7 Tazas e onde se hospedar para visitá-lo

– Chillán no verão!

– O que fazer em Pucón, Villarica e região

– Onde se hospedar em Pucón: Glamping Pucón, único acampamento de luxo do Chile

– Onde se hospedar em Pucón: Hotel Boutique Casa Establo

– Artesanato chileno: o que comprar de legal

– O que fazer em Puerto Varas e região

– Onde se hospedar em Puerto Varas

– Como chegar e o que fazer na Ilha de Chiloé

– Uma parada em Valdivia

– O que fazer na região de Malalcahuello e onde se hospedar

– Termas de Malleco e Parque Tolhuaca

– Salto del Laja, passeio gratuito no meio do Chile

– Valle Nevado no verão

– Dirigindo na montanha: Valle Nevado

– Quanto custa viajar para Santiago?

– Pega turista: restaurante giratório

– Cajon del Maipo

– Viña del Mar e Valparaíso

– Ibis Providencia

– Hotel em Santiago: Hotel Alcala del Rio

Chile road trip

Dirigir no Chile: tudo o que você precisa saber

A Mari já tinha falado sobre dirigir no Chile, no arredores de Santiago e Valle Nevado por aqui, mas desta vez a gente pegou a estrada bem a fundo mesmo, e percorremos 4.200km pelo país. Usamos a mesma empresa que a Mari já tinha locado, a Chilean Rent a Car, e assim como foi pra ela, pra nós foi um serviço excelente e estava tudo certo quando chegamos e saímos.

Nesta viagem nós saímos de Santiago e fomos até a Isla Chiloé, que é basicamente a última parte chilena antes da Patagônia congelada. Não fomos ao Atacama nem nada, foi só o meio, a região conhecida como Los Lagos e as regiões dos vinhos.

carro no chileE que tal um vulcãozinho na paisagem? Esse é o Llaima, que fica na região de Araucania, um dos maiores e mais ativos do Chile, com 3.125m

CARRO EM SANTIAGO

Uma dica que eu te dou é para não locar carro EM Santiago. Isso quer dizer que, ficar de carro na capital é bem ruim e quase inútil. Alugue o carro se quiser fazer passeios pra fora da cidade, regiões próximas pra bate-volta ou se for o caso, como a nossa viagem maior.

Em Santi é muito ruim, pois o trânsito é um pouco caótico e não flui porque, apesar de ser muito legal eles darem a vez pros pedestres, isso em todas as rápidas e ruas acaba travando tudo. Então a gente sentiu que o trânsito lá não desenvolve, com exceção das marginais que já são parte da rodovia. Então perdemos muito tempo com isso. Achei irritante o trânsito lá na real.

Sem contar que o estacionamento público e privado é ULTRA caro. É cobrado por MINUTO nos estacionamentos, e na rua a cada 20 minutos. É uma paulada de estacionamento! (falo melhor lá embaixo sobre todos os lugares).

Aí achar uma vaga nos pontos de interesse demora demais, primeiro pelo trânsito que não desenvolve, segundo pra efetivamente achar uma vaga e terceiro pra achar uma vaga que não seja paga ainda!

Eu diria que esse foi o erro da viagem. Pra nós deu tudo hiper certo na programação, mas o erro foi ter ficado de carro em Santiago. Poderíamos ter economizado pelo menos 2 dias de locação, uns R$ 250 só nisso. =/

ESTRADAS

As estradas são ótimas! Todas as rodovias que passamos estavam em excelente estado, muito bem sinalizadas e eles estavam ainda fazendo mais e mais melhorias. Não dá pra se perder, errar entrada ou ficar na dúvida, tem placa por tudo, e está tudo novinho.

Agora, o fato é que no Chile tem MUUUUITO passeio em parques e reservas naturais e aí é que fica meio chato em alguns trechos. São trechos relativamente curtos, não pegamos nenhum com mais de 50km, de pedrinha. Não é terra, é aquele com pedrinha e que a gente tem que andar a 30km/h. Essas estradas estavam sinalizadas também onde era necessário, mas é sempre bom tomar mais cuidado aí. Pela preservação ambiental das áreas, eles não asfaltam mesmo.

Pra ir e vir entre cidades é muito tranquilo, e as estradas são vazias. Para chegar em alguns parques é estrada de chão, e menos movimentadas ainda.

POLICIAMENTO

Vimos muito policiamento por lá, em todos os trechos de rodovia, tinham policiais analisando e eventualmente parando pessoas. Vimos mais policiais ali do que na Argentina, e até estávamos esperando a hora de sermos parados, mas por sorte não fomos.

Ou seja, trate de dirigir direitinho, nas regras e na velocidade indicada, porque eles estão em cima mesmo, com postos policiais fixos e móveis também, por todos os lados e até em cima dos viadutos. Você não passa despercebido no Chile não.

GASOLINA

Pensa um soquinho no estômago! É o preço da gasolina por lá. Não está nada barato. Pegamos preços bem variáveis, e quanto mais pro sul, mais caro. Na época que fomos, pegamos valores entre R$ 4,38 e R$ 4,70 o litro. Sendo o mais barato em Santiago. Eu sei que no Rio e em alguns lugares a gasolina já está em R$ 5, mas aqui em Curitiba ainda não, então deu um susto.

Outra coisa bem importante: assim como na Argentina, não tem posto tão seguido igual aqui nas estradas. Pegamos trechos de quase 200km sem posto, ou só com posto do outro lado. Como já ficamos sem gasolina no meio da estrada na viagem Argentina-Uruguai, desta vez estávamos mais ligados, e quando víamos um posto, já completávamos pra garantir. Até tivemos um momento médio tenso, mas deu boa.

viagem carro chile

A gasolina é um fator importante pra você pensar na hora de escolher um carro pra locar. Nós pesquisamos os modelos disponíveis na Chilean Rent a Car, e optamos pelo Suzuki Swift porque ele é um carro HIPER econômico, que faz em média 19km/L. Gente, com a gasolina a quase R$ 5, isso foi uma tremenda escolha! (não é jabá pra Suzuki, tá?)

Não escolha qualquer carro na hora de viajar, é bom pesquisar isso também. Dá mais trabalho antes e tal, mas olha tudo que economizamos! Com esse carro usamos cerca de 220L, arredondando. Um carro que faz 12km/L, utilizaria 350L. Uma economia de mais ou menos R$ 600 só pela escolha do carro. SEISCENTOS REAIS. #reflitam

PEDÁGIO

Os pedágios variam de 400, 600, 2400, 2500 e 2600 pesos, que foram os valores que pegamos de Santiago até Chiloé. Na cotação atual, esses valores saem: R$ 2,36, R$ 3,54, R$ 14,16, R$ 14,75 e R$ 15,34. (fiz a conta mesmo sendo variável pela cotação pra vocês terem uma ideia melhor)

Em alguns momentos, pagamos pedágios em trechos de 100km ou até menos. Ou seja: é, não tá muito barato não. A coisa interessante é que, quando você está na ruta 5 (a rodovia principal que corta o país) e vai tirar pra entrar nas cidades, o pedágio custa ou 400 ou 600 pesos. Porém, se você já pagou o pedágio da principal, pode só apresentar o recibo e é liberado.

viagem carro chile

Guarde bem esses recibinhos, pois você tem um período de 6h ou 12h (depende do trecho/concessionária)  para usá-los nas entradas das cidades. É R$ 3 apenas, mas em uma viagem grande, é uma economiazinha viu? Só tem 01 problema nisso: quando muda a concessionária. Aí não dá. Lá pra baixo, já na região de Puerto Varas que muda, então ali pode dar um ruim de não conseguir usar pra passar.

E sim, você só pode pagar com pesos chilenos, em dinheiro. Nada de tentar o migué e passar Real, ok?

ESTACIONAMENTOS

Pensa um treco mais caro que a gasolina e o pedágio. É o estacionamento nos centros urbanos. Aqui em Curitiba, você paga 1h na rua, R$ 2 o cartão. No Chile a cobrança é por-mi-nu-to. Sim, segura essa!

O maior drama é em Santiago, que é mais caro. O valor gira em torno de 420-450 pesos por 20 minutos. Cotação atual? R$ 7,96 a hora. Pra deixar na rua. Já em alguns estacionamentos subterrâneos, o valor é por minuto mesmo. Aí são 40 pesos por minuto. “Ah nossa, tranquilo, são só R$ 0,23, baratinho”. 1h = R$ 14,16. Não é barato não.

Nas cidades menores, o preço cai pela metade, e é também mais fácil achar ruas sem cobrança. É só andar 2 quadrinhas a mais, tá tranquilo. Foi bem mais aprazível nos outros lugares.

O muito curioso é que lá, não é um cartão ou parquímetro cobrando, são funcionários! Tem uma pessoa POR-QUADRA, que fica recebendo. Você estaciona, ela vai lá e põe um papelzinho. Na hora de sair, você chama essa pessoa, ela calcula e paga. É o Chile gerando empregos, e pra pagar essa gente toda dá-lhe cobrar caro o estacionamento, hehe. Faça chuva ou faça sol, eles estão lá, e o horário? Das 8h às 20h… das 8h às 22h… as 8h às 3h!! Não tem folga!

Um detalhe é que também encontramos raríssimos lugares que aceitavam estacionamento por período, como aqui no Brasil. Quer dizer que deixar o carro 1 noite parado, são mais ou menos R$120-150. Motivo pra você me ouvir (ou melhor, ler) e não ficar de carro em Santiago.

PAISAGENS

Ah, mas se é tudo caro, vale a pena mesmo? Cara, vale demais! Foi a paisagem mais linda que já vi, cheia de vulcões no caminho e achei muito sensacional isso, muito diferente, único! Também acho que pra ir nos lugares mais diferentes e nos parques mais bonitos, sem carro é BEM complicado. Na verdade, não só complicado, mas vai ficar ainda mais caro por conta de táxi, Uber ou excursões.

Eu cheguei a ver um dia quanto era o preço para ir com agência de Puerto Varas até a Ilha de Chiloé. Sem-or! Era R$ 225 por pessoa, parando na pinguinera + 1 cidade sem almoço nem nada. Gente, se liga, mais de R$ 450 pro casal? Nós de carro, fomos, voltamos, fomos na pinguinera, visitamos várias cidades (5, sendo exata) e pontos na Ilha, almoçamos os 2 e gastamos pouco R$ 300. Sem contar que fizemos tudo no nosso tempo, com as nossas paradas, etc.

chile

Então sim, acho que vale muito a pena visitar o país de carro e poder chegar em pontos mais remotos, aproveitar melhor o tempo, parar onde quiser pra tirar foto.

Mais sobre o Chile:

– Roteiro Chile: 17 dias de carro 

Quanto custa viajar de carro pelo Chile

– Vantagens e desvantagens de fazer uma viagem de carro pelo Chile

– O que fazer em Santiago

– Aluguel de carro no Chile

– Vinícolas no Chile: Viña Miguel Torres

– Vinícolas no Chile: Viña San Pedro 

– Vinícolas no Chile: Concha y Toro

– Museu de Colchagua em Santa Cruz, o maior museu privado do Chile 

– Onde de hospedar no Valle del Colchagua e o que fazer

– Parque Nacional 7 Tazas e onde se hospedar para visitá-lo

– Chillán no verão!

– O que fazer em Pucón, Villarica e região

– Onde se hospedar em Pucón: Glamping Pucón, único acampamento de luxo do Chile

– Onde se hospedar em Pucón: Hotel Boutique Casa Establo

– Artesanato chileno: o que comprar de legal

– O que fazer em Puerto Varas e região

– Onde se hospedar em Puerto Varas

– Como chegar e o que fazer na Ilha de Chiloé

– Uma parada em Valdivia

– O que fazer na região de Malalcahuello e onde se hospedar

– Termas de Malleco e Parque Tolhuaca

– Salto del Laja, passeio gratuito no meio do Chile

– Valle Nevado no verão

– Dirigindo na montanha: Valle Nevado

– Quanto custa viajar para Santiago?

– Pega turista: restaurante giratório

– Cajon del Maipo

– Viña del Mar e Valparaíso

– Ibis Providencia

– Hotel em Santiago: Hotel Alcala del Rio

Chile road trip

Quanto custa viajar de carro pelo Chile

Nesta categoria colocamos apenas uma base de preços, podendo estes variarem de acordo com o ano, tipo de viagem e preferências pessoais de cada viajante. Os dados contidos aqui são referentes à viagem feita por mim, com impressões e gastos pessoais. Lembre sempre que os valores sofrem variação também com o câmbio do dia.

————— x —————

VIAGEM CARRO

Ano da viagem: Dezembro 2017 a Janeiro 2018

Origem e destino: Curitiba – Santiago – Curitiba de avião. Santiago a Ilha de Chiloé e volta de carro.

Fomos de avião até Santiago porque não teríamos tempo de fazer tudinho de carro, como a viagem pra Argentina. Então pegamos aéreo daqui pra lá e lá locamos um carro por 17 dias.

Passagens: R$ 2.237,00 com taxas

Não foi a passagem pro Chile mais barata, e isso foi porque a gente se enrolou pra emitir. Dai babaus, acabou a tarifa mais econômica. E olha, o voo tava lotadaço mesmo, ida e volta!

quanto custa chile

Dias de estada: 17 dias

Chegamos no Chile dia 26 de Dezembro antes do almoço e saímos dia 12 às 00h. Deu pra aproveitar mesmo os 17 dias do roteiro, sem perder tempo nessa coisa de chegada e saída. Aqui tem post com o roteiro completíssimo!

 Tipo de viagem: moderada

O Chile está caro, isso é um fato. Está caro pra nós, está caro pra eles e está caro até para europeus que encontramos na viagem e disseram que concordam com os preços salgados. A gente tentou ser econômico E fazer a maioria dos passeios ainda. Foram poucos que deixamos de fazer pelo custo benefício, e algumas vezes optamos por cozinhar em casa quando dava ou lanche rápido tipo Mc e Subway, totalmente por conta do preço mesmo. Não foi uma viagem de luxos, mas também com poucas privações, realmente escolhidas.

Locação do carro: R$ 1.693,00

A gente conseguiu um desconto super bacana com o pessoal da Chilean Rent a Car. Como já tínhamos locado com eles em outra ocasião, gostamos do serviço e tínhamos contado aqui, eles ficaram super felizes da gente ter voltado a procurar a empresa, e por isso fizeram um preço especial. Eu vou deixar contabilizado na conta esse valor, mas o normal para o carro da categoria que pegamos (simples com ar condicionado), gira em torno de R$ 2.285.

chile roteiro viagem

Gasolina, pedágios e estacionamentos: R$ 1.467,00

Gasolina é um troço caro lá. O litro está na base dos R$ 5 e nós rodamos quase 3000km. Pegamos um Nissan Swift, que fazia 19km/L e isso foi essencial, vide este post.

Os pedágios são ok, não muito baratos, mas não tem muitos pelo menos. Não achei que isso tenha pesado no orçamento. Além disso, aqui estão contabilizados os estacionamentos, e lá isso foi uma surpresa. Para parar na rua por 2h, você acaba gastando na casa dos R$ 10-12!! Na rua! Nessa conta, R$ 87 foram só desses pagamentos de rua. Não pagamos nenhum estacionamento privado, só no hotel do último dia mesmo. Pesada essa parte do carro, fato.

Hospedagem: R$ 3.024,00 (quartos duplos)

Essa foi uma parte que não economizamos muito mesmo. Não estou mais no clima de hostel de galera e banheiro compartilhado, e também não tava afim de pegar cama ruim igual alguns hotéis que pegamos na viagem pela Argentina e Uruguai. Tentamos buscar lugares legais e bem diferentes para dormir legal, descansar e ter experiências novas.

Exemplo foi o único acampamento de luxo do Chile, que claramente não é tão barato; o hotel Boutique Casa Establo e o hotel domo, em Puerto Varas. Todas opções novas para nós e que renderam excelentes histórias.

chile quanto custa

Economizamos mais em Santiago, onde não fomos atrás das melhores opções mesmo e locamos apartamento, em Malalcahuello, Talca e Curicó também optamos por hotéis mais em conta. De qualquer forma, acho que esse valor é algo bem bom para você se basear. Se pegar tudo mais econômico, vai gastar um pouco menos do que isso.

Alimentação: R$ 1.512,00 (por pessoa)

Se pensar nessa base de gasto total, em 17 dias com 2 refeições por dia (almoço e jantar, sem contar na divisão algum lanche, sorvete, etc), dá na casa de R$ 44 por refeição. Caro? Sim, caro. Isso que nessa parte nós não chegamos nem perto dos melhores restaurantes! Era do básico pro lanche rápido e algumas refeições em casa.

Não abusamos de alcoólicos, pelo contrário. Era sempre ou refri ou suco, sendo que em apenas 3 refeições tomamos uma cerveja local. Vale lembrar que uma lata de refrigerante custa na casa de R$ 10 (pagamos R$ 9 e R$ 12 também nelas).

comida chile

Muitos lugares oferecem um valor fixo para entrada, prato principal, sobremesa e suco. Esses menus ficam mais ou menos por seus R$ 45 e sim, é bem servido. A coisa é que em muitos lugares esse menu vale mais a pena do que pedir um pratinho separado, mas ao mesmo tempo, nem sempre a gente tá afim de comer tanto. Achei uma coisa meio boa e ruim ao mesmo tempo sabe? Podia ter gastado menos algumas vezes se tivesse opções “soltas” e mais econômicas.

Lanche rápido estilo Subway e Mc Donalds custam por volta de R$ 12-15, que já fica bem mais em conta. Pena que não rola todo dia, né?

 Passeios: R$ 365,00 (por pessoa)

Praticamente todos os parques que visitamos, são pagos. Não vou afirmar que 100% foram pagos, porque teve Salto del Laja que era free. O resto é cuidado pela Conaf e as entradas variam entre 1.500 e 4.000 pesos por pessoa. Isso te dá acesso livre a eles e pode entrar e sair sem problema no mesmo dia.

Em Santiago, todos os museus que visitamos, eram gratuitos. Lá pagamos apenas para visitar o Cerro San Cristobal. Já o Museu de Colchagua, o Museu Alemão em Frutillar e o Museu de Valdivia, todos pagos. Nos respectivos posts tem os valores certinho.

chile quanto custa

Aí aquilo né, ir até lá visitar parques e não entrar… aí não dá. Nós ainda que pulamos as visitas às termas, que geralmente custam na casa dos R$ 100 e 2 parques na região de Malalcahuello por conta das trilhas pesadas.

Aqui não estão inclusas as visitas guiadas nas vinícolas, pois fomos convidados pelas mesmas. O valor de cada visita em vinícola custa entre R$ 50 e R$ 100, dependendo da vinícola e do estilo de passeio. E lá no Chile tem MUITA opção, então você pode escolher uma ou algumas… ou nenhuma, e ter uma base melhor aqui.

Compras: R$ 650,00

Essa parte é super relativa né? Varia bastante de pessoa pra pessoa. Eu gastei além do normal porque comprei uma coisinha mais cara pros meus pais e também trouxe 2 vinhos incríveis.

artesanato chile

Trouxe bastante coisinha de Pucón, alguns ímãs, chá diferentes, produtos de lã quentinha. Na verdade, não foi “nossa, quantas coisas”, é a questão do preço mesmo, que já falei nesse post que o peso chileno está sim salgadinho.

Total da viagem: R$ 7.856,00 (por pessoa)

Aqui dividi por 2 os custos de hotel e gastos do carro. Se for pensar, se estiverem em 4 pessoas, os custos do carro já fazem baixar pra R$ 7.000,00. Pensando em não comprar nada e pegar hostels, já dá pra baixar mais uns R$ 1.000 ou R$ 1.500, dependendo da categoria dos hotéis.

Relembrando que estes valores são aproximados e arredondados, com base no câmbio que pagamos (R$ 0,0059/peso) e com o desconto que conseguimos na locação do carro.

roteiro chile

  

Mais sobre o Chile:

– Roteiro Chile: 17 dias de carro 

– Quanto custa viajar de carro pelo Chile

– Dirigir no Chile: tudo o que você precisa saber

– Vantagens e desvantagens de fazer uma viagem de carro pelo Chile

– O que fazer em Santiago

– Aluguel de carro no Chile

– Vinícolas no Chile: Viña Miguel Torres

– Vinícolas no Chile: Viña San Pedro 

– Vinícolas no Chile: Concha y Toro

– Museu de Colchagua em Santa Cruz, o maior museu privado do Chile 

– Onde de hospedar no Valle del Colchagua e o que fazer

– Parque Nacional 7 Tazas e onde se hospedar para visitá-lo

– Chillán no verão!

– O que fazer em Pucón, Villarica e região

– Onde se hospedar em Pucón: Glamping Pucón, único acampamento de luxo do Chile

– Onde se hospedar em Pucón: Hotel Boutique Casa Establo

– Artesanato chileno: o que comprar de legal

– O que fazer em Puerto Varas e região

– Onde se hospedar em Puerto Varas

– Como chegar e o que fazer na Ilha de Chiloé

– Uma parada em Valdivia

– O que fazer na região de Malalcahuello e onde se hospedar

– Termas de Malleco e Parque Tolhuaca

– Salto del Laja, passeio gratuito no meio do Chile

– Valle Nevado no verão

– Dirigindo na montanha: Valle Nevado

– Quanto custa viajar para Santiago?

– Pega turista: restaurante giratório

– Cajon del Maipo – Viña del Mar e Valparaíso

– Ibis Providencia

– Hotel em Santiago: Hotel Alcala del Rio

Chile road trip

Roteiro Chile: 17 dias de carro

Ufa! Depois de vários posts sobre o Chile, hora de juntar tudo pra você entender a sequência, imprimir isso aqui e ser feliz por lá como nós fomos! Como contei já nos outros posts, pegamos avião até Santiago e saímos de lá para o sul do Chile.

Gostaríamos de ter pego o avião de volta de Puerto Montt mesmo, mas o valor não compensava. Valia mais a pena retornar de carro passando por outros lugares. A passagem + taxa de retorno do carro pra Santiago eram mais caros do que gasolina, pedágio e 3 noites no retorno!

VIAGEM CARRO

Aqui nesse post coloco todo o roteiro do Chile, exatamente como fizemos. Nossos dias e paradas. Sobre cada cidade, tem um post completo aqui no blog, vou deixar tudo linkado, assim esse post aqui não vira uma Bíblia. É um post base de roteiro mesmo:

 

DIAS 01 E 02 – SANTIAGO

Chegamos em Santi um pouco antes do horário do almoço. Pegamos o carro, seguimos pro hotel e já saímos para almoçar e passear. Como os dias no verão acabam por volta das 21h, deu pra aproveitar bem. Visitamos vários museus e demos um bom rolê pela cidade.

No segundo dia aproveitamos pra acordar um pouco mais tarde e passear por outros cantos da cidade. Tudo o que fizemos em Santiago está neste post aqui. Basicamente, 3 dias completos é bem suficiente para conhecer a capital.

roteiro chile

Se você quiser estender em 1 ou 2 dias aqui, pode incluir uma visita ao Valle Nevado e outra a Cajon del Maipo. Aliás, Valle Nevado você pode até incluir naqueles 3 dias. Vai ficar mais apertado mas dá. Já Cajon é necessário dia todo para ir e vir.

Além disso, pode incluir mais 1 dia aqui para visitar Viña del Mar e Valparaíso. Eu já tinha visitado, e por isso não incluí nessa viagem. Resumo: pra quem nunca esteve no Chile, pode ficar de 3 a 5 dias em Santiago que tem o que fazer.

DIA 03 – SANTA CRUZ E VALLE DEL COLCHAGUA

Saindo de Santiago seguimos para Santa Cruz e Valle del Colchagua. Santa Cruz é pequena, mas você pode almoçar e visitar o maior museu do Chile, bem como visitar vinícolas e quem sabe até dar um pulo no litoral. Tudo perto e fácil.

Aqui tem roteiro completo da região e sugestão de hospedagem deliciosa.

chile roteiro

DIA 04 – CURICÓ

No dia seguinte fomos a Curicó, visitar o Parque 7 Tazas. A cidade em si é pequena mas bem gracinha. Um passeio por lá é muito válido, e o parque consome a tarde toda, sem contar o deslocamento. Dormimos aqui, mas também é possível dormir na cidade seguinte, Talca.

chile roteiro

DIA 05 – TALCA

A cidade é menor do que Curicó. A gente chegou mais tarde em Curicó no dia anterior, passeamos por lá e, no dia seguinte fomos ao Parque e a noite dormimos em Talca. Bem cidade de parada mesmo. É importante lembrar que tem o tempo de estrada. De um ponto ao outro aqui pelo menos 2h.

chile roteiro

 

DIA 06 – CHILLÁN

Neste dia acordamos cedinho e seguimos pra Chillán, já com trajeto mais longo. No meio paramos em uma pequena cidade para conhecer o artesanato de crina de cavalo, no povoado de Rarí. É caminho, então susse.

roteiro chile

Almoçamos no shopping de Chillán antes de seguir para Las Trancas, a área de interesse de lá. Aí são mais 1h de trajeto até chegar lá em cima. Passamos a tarde toda ali, a noite (de ano novo, hehe) e na manhã seguinte pegamos estrada de novo.

DIA 07 – SALTO DEL LAJA, VILLARICA E PUCÓN

Seguindo para Pucón, fizemos uma parada em Salto del Laja, que é bem caminho e já paramos em Villarica, antes de realmente se estabelecer em Pucón. Neste dia deu pra visitar o Salto tranquilo e saímos dali por volta das 13h.

roteiro chile

O trajeto já era maior, então perdemos um pouco de tempo na estrada. Villarica suficiente um passeio de tarde, e em Pucón chegamos já a noitinha para jantar e ir dormir mesmo.

DIAS 08 E 09 – PUCÓN

Nos outros 2 dias ficamos passeando pela região toda. Tem muita coisa pra fazer aqui, inclusive estaria ok incluir um dia a mais. Tem as termas, o vulcão, Pucón em si, Caburga e Ojos de Caburga, Curarrehue… Opção é o que não falta.

Dormimos 3 noites aqui e seguimos cedo pra Puerto Varas. Hotéis que ficamos lá foram o acampamento de luxo Glamping Pucón e o Boutique Casa Establo.

chile pucon

DIA 10 – PUERTO OCTAY, FRUTILLAR E PUERTO VARAS

Saímos cedo de Pucón e continuamos a descer, parando nos pontos de acordo com o caminho mesmo. Puerto Octay e Frutillar ficam muito próximas uma da outra, é super fácil!

Em Octay paramos para almoçar e dar uma volta, e seguimos direto para Frutillar. Se o dia estiver bom – como não estava para nós, hehe – você vai ficar o resto do dia lá mesmo, e ok, é isso mesmo. No fim da tarde chegamos em Puerto Varas, uma cidade muito gracinha, com cara de Europa no inverno, mas NA cidade em si, não tem tanto o que fazer. Neste dia demos uma volta de reconhecimento, jantamos e voltamos pro hotel (e isso já eram umas 22h).

chile roteiro

DIA 11 – ILHA DE CHILOÉ

Neste dia acordamos mais cedo que os outros dias e fomos visitar a Ilha de Chiloé, que fica a mais ou menos 3h30 de Puerto Varas. Lá você pode contar o dia inteirinho mesmo, porque tem muito o que fazer. Aliás, até sugiro dormir 1 dia lá e ficar 2 completos, como comentei nesse post aqui.

Na verdade tem bastante gente que vai até lá só pra ir na pinguinera. Eu sinceramente não acho que valha a pena tanta estrada só pra isso, e a ilha é realmente incrível e cheia de coisas pra fazer.

roteiro chile

Caso você queira só fazer a pinguinera, pode aproveitar a parte da tarde para passear em Puerto Montt, por exemplo.

 

DIA 12 – ENSENADA

Aqui coloquei como Ensenada porque mudamos de hotel que ficava nesse vilarejo, mas ok continuar em Puerto Varas, dá na mesma. Neste dia visitamos o Parque e Lagos de Petrohué, e também subimos o vulcão Osorno.

chile roteiro

Do centro de Puerto Varas até essa partezinha de passeios, são mais ou menos 1h de estrada. É bem fácil, super vazia a estrada e bem bonita. Você pode sair de manhã para visitar as duas atrações, almoçar por ali e no meio da tarde pode ir a Puerto Montt, que fica entre Puerto Varas e Chiloé.

DIA 13 – VALDIVIA E MALALCAHUELLO

Aqui já começamos a voltar para Santiago. De Puerto Varas até Malalcahuello é um trecho bem grande, e a gente não tava vendo a necessidade de tanta estrada seguida assim, hehe. Escolhemos fazer uma parada em Valdivia para passear, descansar e almoçar. Foi ótimo, porque a cidade é bem legal, o dia estava lindo e é uma das maiores do Chile.

De lá, pegamos a estrada de novo por volta das 14h30 e chegamos na região de Malalcahuello por volta das 17h. Aproveitamos que o dia estava claro ainda e já fizemos o passeio até o vulcão Corralco e ainda vimos o pôr-do-sol de lá, em meio a vulcões. Excepcional!

chile malalcahuello

DIA 14 – MALALCAHUELLO

Neste dia optamos por dormir até mais tarde e almoçar no apartamento mesmo, pra economizar um pouco. Tinhamos a opção de visitar 2 parques, o Malalcahuello e o Conguillio, mas as trilhas do primeiro eram muito pesadas e longas, e o segundo era mais afastado e nos disseram que talvez nem valesse muito a pena.

Por este motivo optamos por descansar e ir a tarde para Lonquimay passando pela serra. Foi muito lindo, tranquilo e um dia econômico. Não dá para visitar as 3 coisas no mesmo dia. Lonquimay e os parques. Tem que escolher mesmo, tá? Se quiser muito fazer as trilhas longas do Parque Malalcahuello, você precisa adicionar 1 dia a mais na viagem.

DIA 15 – TERMAS DE MALLECO

Penúltimo dia de viagem, subimos mais um pouco e fomos para as Termas de Malleco, um hotel all inclusive que você também pode só pagar o day use. Malleco é o nome da região, e ali também tem o Parque Tolhuaca para visitar.

Além disso, não há muito o que fazer ali, o que muitos chilenos fazem é ir curtir as termas mesmo. Lá tem 3 áreas de piscinas termais com águas naturais de temperaturas a base dos 37-39º. Também tem um gêiser próprio com visita guiada gratuita.

roteiro chile

Foi um dia bem relax, pois fizemos só a trilha simples do parque Tolhuaca, que dura cerca de 1h só. Tem uma outra muito mais extensa e avançada. Para essa já precisa de 4-5h, pois é bem ingrime.

DIA 16 – ESTRADA, VINÍCOLA E SANTIAGO

Último dia de estrada!! De Malleco até Santiago são mais ou menos 5h30 de viagem, e optamos por sair bem cedinho e parar para almoçar na Vinícola San Pedro, mesmo que as 15h, haha!

Chegamos tarde, mas valeu, poque foi o almoço mais lindo, no dia mais lindo, com o melhor vinho e fechou a viagem com chave de ouro. Este dia foi total de “apoio”, tipo, não fizemos nada além da vinícola, só retornamos pra Santiago. Chegamos por volta das 18h e do apê só saímos comprar comida pra cozinhar em casa, pois estávamos cansados do dia todo na estrada.

vinicola san pedro chile

DIA 17 – SANTIAGO

Neste dia optamos por acordar mais tarde e arrumar as malas (entenda como: tentar fazer caber tudo). Nosso voo saía à 00h30, então saindo do apê, não teríamos mais como descansar e tal. Então arrumamos tudo, dormimos mais, almoçamos no apê pra economizar e de lá fomos pro Cerro San Cristobal. Ficamos um bom tempo lá.

chile roteiro

Tentamos visitar um outro museu, mas nesse dia ele estava fechado. Demos mais um rolê no Patio Bellavista e por volta das 18h30 seguimos pro aeroporto devolver o carro tranquilo, não se preocupar com o trânsito e jantar lá mesmo.

Esse foi nosso roteiro no Chile! Ainda deixei sinalizado em alguns lugares onde seria legal deixar 1 ou 2 dias a mais, e opções além das que fizemos nesta viagem em específico. O Chile tem MUITA coisa legal, muitas vinícolas, muitos parques e trilhas, mas pra fazer tudo – ou quase – precisa de mais dias. Algumas trilhas são de 2 ou 3 dias! Só uma trilha! Sem contar que depois disso precisa de um descanso, né? Não vou dizer que é impossível, mas com certeza bem cansativo, e uma viagem consideravelmente mais longa.

Espero ter ajudado vocês a planejarem uma viagem por lá além dos clássicos Santiago, Viña Del Mar, Valparaíso e Atacama! Se for, me conta depois o que fez e o que achou da viagem pelo Chile. Beijo e boa viagem! =D

 

Mais sobre o Chile:

– Roteiro Chile: 17 dias de carro 

– Quanto custa viajar de carro pelo Chile

– Dirigir no Chile: tudo o que você precisa saber

– Vantagens e desvantagens de fazer uma viagem de carro pelo Chile

– O que fazer em Santiago

– Aluguel de carro no Chile

– Vinícolas no Chile: Viña Miguel Torres

– Vinícolas no Chile: Viña San Pedro 

– Vinícolas no Chile: Concha y Toro

– Museu de Colchagua em Santa Cruz, o maior museu privado do Chile 

– Onde de hospedar no Valle del Colchagua e o que fazer

– Parque Nacional 7 Tazas e onde se hospedar para visitá-lo

– Chillán no verão!

– O que fazer em Pucón, Villarica e região

– Onde se hospedar em Pucón: Glamping Pucón, único acampamento de luxo do Chile

– Onde se hospedar em Pucón: Hotel Boutique Casa Establo

– Artesanato chileno: o que comprar de legal

– O que fazer em Puerto Varas e região

– Onde se hospedar em Puerto Varas

– Como chegar e o que fazer na Ilha de Chiloé

– Uma parada em Valdivia

– O que fazer na região de Malalcahuello e onde se hospedar

– Termas de Malleco e Parque Tolhuaca

Salto del Laja, passeio gratuito no meio do Chile

– Valle Nevado no verão

– Dirigindo na montanha: Valle Nevado

– Quanto custa viajar para Santiago?

– Pega turista: restaurante giratório

– Cajon del Maipo

– Viña del Mar e Valparaíso

– Ibis Providencia

– Hotel em Santiago: Hotel Alcala del Rio

Chile road trip

1 2 3 4 5 6 182