Turista: África do Sul por Léo Fedalto

Já que começamos a Copa, que tal um post sobre a África do Sul? Uma visão não “copística” do lugar. Meu amigo-quase-primo Léo fez intercâmbio este ano lá na Nigéria e antes de voltar deu um pulo em Joanesburgo. Ele conta várias coisas legais pra gente, olha só:

“Em abril, após 3 meses na Nigéria, desembarquei em Joanesburgo (Joburg para os íntimos), na África do Sul. E como era de se esperar, já começo a notar bolas de futebol por toda parte. Para começar no próprio aeroporto, em um dos portões de desembarque, as pessoas saíam em um piso verde imitando grama e as pessoas poderiam esperar em uma
mini arquibancada montada ali.

Como faltavam cerca de 2 meses para a copa começar, havia referências do evento por toda parte, bandeiras de vários países espalhadas pelas ruas, bolas em todo lugar, desde em torres de telecomunicação até em rodas gigante.

Eu cheguei a ir ao Coca-Cola Park, um dos estádios onde ocorrerá jogos da Copa do Mundo. Mas dessa vez eu fui assistir à um jogo de Rugby.

Quanto aos passeios, destaco que vale a pena passar uma tarde no Lion Park (cerca de R$45). É meio que um zoológico, com alguns animais como hienas, cheetahs, suricatas (sim, o Timão do Rei Leão para quem não conhece) e girafas (e é possível alimentá-las). E como o nome diz, tem um parque apenas de leões onde dá para fazer um pequeno safári.

Mas o mais legal mesmo é que tem uma área onde você pode entrar junto com os leões. E brincar com eles! Claro… são leõezinhos filhotes com poucos meses de idade. Uma voluntária que trabalha lá me disse que depois de 6 meses de idade eles ficam muito brincalhões, o que não é muito seguro.

Outro lugar legal para ir é o Apartheid Museum. Achei interessante a forma como é mostrado o apartheid. Logo quando você compra o ingresso, ele vem marcado como “Branco/Europeu” ou “Não-Branco/Não-Europeu” e há acessos para o museu diferentes para cada ticket. Muita coisa é mostrada durante o passeio, condições dos não-brancos, as leis absurdas, política, as minas, história do Mandela, sua subida ao poder, fim do apartheid e a formação da constituição. Eu levei umas 3 horas para ver todo o museu e achei meio cansativo e pesado.

Um lugar onde eu não fui, mas gostaria de ter ir é o Gold Reef City. É um parque de diversões e fica próximo do museu do Apartheid. Mas o que eu queria mesmo era visitar a mina de ouro que tem nesse parque. Então fica a dica para quem for para Joanesburgo.

Outra dica para os futuros turistas: o transporte público é um caos e quase inexistente. Se for possível, alugue um carro. Escutei rumores de que eles estavam trabalhando para melhorar isso para a Copa. Lá, há vans que só saem do lugar depois de encherem, então é possível ficar 1h esperando para sair. E um fato interessante é que para pegar um
dessas vans quando se está na rua é preciso fazer um sinal com a mão e para cada lugar tem um sinal correspondente. Por exemplo, para ir para “Cosmo City” faz-se um “C” com a mão; para “Fourways” mostra-se 4 dedos.

Como fiquei poucos dias na África do Sul, não tive a oportunidade de conhecer a Cidade do Cabo (Cape Town), que dizem que é muito linda. Então fica para quando eu voltar.”

E aí? Quem mais vai entrar na jaula dos leões??

Comentários

comments

0 comment on Turista: África do Sul por Léo Fedalto

  1. Daisy
    14 de junho de 2010 at 9:51 (7 anos ago)

    Nossa, e ele entrou mesmo na jaula?? vixe!!

    Responder

Leave a Reply