Uma breve reflexão sobre o Rock in Rio e o corpo feminino

Esse ano tive a oportunidade de ir pela primeira vez ao Rock in Rio, um dos maiores festivais de música do mundo. Depois de definir a data e qual show eu iria, surgiu a famosa pergunta: com que roupa? ♫ Com que roupa eu vou ao rock que você me convidou? ♫

Não que eu estivesse preocupada em me vestir para impressionar. Longe disso. Meu objetivo era me vestir para não derreter no calor de 40º do Rio de Janeiro. E era justamente aí que estava o problema. Pensei em ir com aquelas calças de suplex que eu costumava usar quando ia à academia fingir que gostava de malhar. Eu me sentiria confortável e manteria as pernas protegidas do sol, mas isso era apenas eu tentando justificar com um bom argumento o motivo de não poder usar short. Ou pelo menos o motivo de achar que eu não poderia usar short.

Sejamos realistas, minhas coxas estão muito longe de serem as coxas da Sabrina Sato. E eu tenho celulite. Bastante até. E quando você não tem o corpo da capa de revista você deve fazer de tudo para ter o corpo da capa de revista ou recolher-se à sua insignificância e esconder o seu corpo. Seja com a blusa larga na barriga, com a calça que tampa celulite e com a blusa de manguinha que esconde “os bração”.

Como eu tenho um histórico de desmaio em shows, chutei o balde e optei pelo short E blusinha sem manga. Look “ousado” para quem tem celulite e bração.

Talvez agora vocês pensem que eu estou me desmerecendo, mas não estou! Calma que eu já chego lá.

Uma menina bonita de cabelo azul estava se aproximando de um grupo de pessoas próximas à mim. “Nossa, que gata! E esse cabelinho, então? Maravilhosa!”, diziam os meninos. Sim, meninos. Porque, no meu mundo ideal, homem verdade não fala a merda que eles falaram depois que a menina passou e ficou de costas pra eles: “Credo, quanta estria! Eu não pegava”. A amiga que estava com eles usava calça comprida de ginástica e disse que ela também tinha estria e por isso não tinha ido de short.

Minha vontade era interromper a conversa dos meninos e falar “olha meu filho, me desculpa a sinceridade, mas acho que você não vai pegar ninguém aqui então, porque aqui só tem mulher de verdade”, mas resolvi ficar quieta porque se eu quero protestar contra alguma coisa, eu acho que a melhor forma não é batendo boca com as pessoas e sim mostrando a realidade à elas. E foi exatamente nessa hora que eu pensei “graças à Deus que eu estou usando short!”. Comecei a reparar em outras mulheres ao meu redor. A maioria delas eram como eu: reais.

A melhor forma de protestar contra o padrão de beleza é justamente mostrando que a maioria das mulheres está fora do padrão de beleza imposto. E isso não faz delas mais ou menos interessantes. Confesso que às vezes até fico com dó de comentários desse tipo vindo dos meninos. Talvez eles também sejam vítimas desse padrão imposto e provavelmente ainda não conseguiram entender como a vida funciona de verdade.

Em outra ocasião, uma mulher descia pela tirolesa erguendo os braços e gritando “uhul”. O menino do meu lado ergueu a cabeça e falou “eeeee gooordaaa”. Resumindo: gorda não pode aparecer gritando “uhul”. Gorda tem que usar roupa preta e larga, ficar lá no fundo e cantar baixinho para que ninguém note sua presença.

Meninos, vou explicar uma coisa para vocês: cada vez que vocês falam mal do corpo de uma mulher, o impacto da crítica recebida pela mulher é o mesmo impacto que você teria caso uma mulher falasse que você tem pinto pequeno. Sim, isso mesmo! Então, a menos que você queira andar por aí mostrando suas partes íntimas e disposto a receber as possíveis críticas no seu ponto fraco, cale a sua boca e recolha-se à sua insignificância. Porque é gente igual a você que não pode descer na tirolesa gritando “uhul”, entendido?

O mesmo recado vale para as meninas que criticam o corpo alheio. Cada vez que você fala mal da coleguinha, isso volta pra você 10 vezes pior em forma de cobrança pelo corpo perfeito, então mesmo que você malhe todo dia, tenha as pernas da Sabrina Sato, seja saudável, tenha cabelos sedosos e pele macia, ainda assim é bem provável que você conheça alguém que vai achar algum defeito em você.

Eu sempre fico refletindo sobre essas coisas porque eu quero ser uma pessoa mais feliz e desencanada com os padrões de beleza. É muito difícil mesmo, mas continuo tentando e um dia eu chego lá. O importante é que mesmo que a evolução seja lenta, agora eu já sei que, além de ser linda fora do Brasil, eu sou linda no Rio de Janeiro também!

Comentários

comments

6 Comments on Uma breve reflexão sobre o Rock in Rio e o corpo feminino

  1. Cris
    4 de outubro de 2015 at 22:20 (2 anos ago)

    Estava pensando eu nunca conheci uma mulher que fizesse parte desse padrão imposto. Daquelas que vemos na revistas, com barriga negativa, sem celulite, sem estrias. Eu comecei a usar roupas que mostrava as pernas a pouco tempo, tem um ano. Eu sempre tive as pernas finas e ficava complexada. Hoje me visto do jeito que estou afim. De usar ou não maquiagem, vestido ou calça. Só a maturidade me trouxe isso é vou ainda melhorar

    Responder
    • Mariana
      Mariana
      5 de outubro de 2015 at 7:52 (2 anos ago)

      Pois é, Cris
      São raras as mulheres que cumprem os requisitos das capas de revista. Elas até existem, mas numa proporção muito pequena.
      E concordo com você que a maturidade vai fazendo a gente se desligar um pouco dessas coisas, mas espero que não demore muito tempo ainda até eu me desprender mais ainda disso :)

      Responder
  2. Adelina
    5 de outubro de 2015 at 17:28 (2 anos ago)

    Olá,

    Eu tbm fui ao Rock in Rio e passei maior calor pq fui de calça, meu look realmente não era o ideal para aquele calor. Até levei um shortinho na bolsa para caso mudasse de ideia pudesse trocar. No meu caso não aconteceu, pois tenha as pernas muito juntos e tinha uma escolha: usar short e ficar mais confortável ou usar calça e não sofrer depois com possíveis assaduras no meio das pernas. Foi fácil? não…Mas não deixei de usar minha camiseta por causa dos brações.

    Responder
      • Adelina
        8 de outubro de 2015 at 18:37 (2 anos ago)

        Obrigadaaaaa ;*, certamente irei testar….

        Responder
    • Mariana
      Mariana
      8 de outubro de 2015 at 20:56 (2 anos ago)

      Adelina,

      Eu também tenho esse problema, mas geralmente acontece quando eu uso saia ou vestido.
      Com short não acontece porque eu uso uns um pouquinho mais compridos, daí o tecido cobre o comecinho da perna, que é onde mais raspa uma na outra.
      Tente usar um que fique uns 3 dedos mais pra baixo pra ver se ajuda :) porque calça no rock in rio realmente é de morrer de calor. hahaha
      Beijo

      Responder

Leave a Reply