Viagem Oaxaca – San Cristobal, o que posso chamar de #fail no México

Sabe, se tem uma coisa que a gente não pode NUNCA, em hipótese alguma, é subestimar nossa resistência.

Quando fui pro México, fizemos algumas viagens – e todas de ônibus. Até chegar em Oaxaca, todas elas foram tranquilinhas, trechos grandes de 8h/10h, mas tranquilas. Até arrisquei não tomar dramin em todas. Eu gosto de viver no perigo sabe?

Aí que chegou a viagem de Oaxaca – San Cristobal de las Casas, e aí eram 11h. Pelo menos compramos o ônibus mais top high luxo possível do mundo. Eram só 24 assentos, sendo 3 por fileira, um espaço gigante nas poltronas de couro, reclináveis quase 180º e com televisão própria (tipo avião), banheiro feminino e masculino separados e serviço de bordo.

Chique total. Ok. Entrei, deitei, fiquei confortável com minha mantinha e lá fomos nós.

Novamente quis desafiar o perigo: não tomei dramin antes de tudo começar. Erro total. A estrada eram infinitos “S”. Quando digo infinitos, quero dizer 7h de curvas. Começou a dar uma coisinha, tomei meu remedinho, mas não adiantou. Achei que fosse morrer. Das 11h de viagem (tipo viagem pra Europa, convenhamos), 5h delas eu passei em pé ao lado do banheiro. Mágico.

Mas foi a primeira vez na vida que eu usei aqueles saquinhos de vômito para emergências. Teve um lado bom então, posso dizer que eles foram testados e aprovados, funcionam direitinho.

Bem, em resumo, sofri muito e nunca mais na vida subestimo minha resistência. Achei que tinha superado isso de ficar enjoada, mas pelo visto não. Tomo dramin pra ir pra praia agora. Tá, nem tanto vai. Mas sério… levo um estoque dessas belezinhas agora, qualquer trechinho, já tomo, porque além de ficar mal durante todo o trajeto, cheguei na cidade completamente acabada e nem consegui curtir tanto assim o primeiro dia lá.

Comentários

comments

5 Comments on Viagem Oaxaca – San Cristobal, o que posso chamar de #fail no México

  1. Miguel
    5 de maio de 2011 at 16:16 (7 anos ago)

    ah caralho, cheguei em Lima domingo, e te digo, voo tenso, só no ritmo chacoalhador latino acelerado, dramin salvou, mas virei um zumbi e nem sei como passei na imigração.

    Responder
  2. Paula
    30 de março de 2013 at 19:49 (5 anos ago)

    Eu também achava que já tinha superado essa fase de enjoos. De fato superei muito, mas eventualmente acontece. Aliás, é bom sempre conferir antes do voo se o saquinho (que funciona sim!) ta lá. Vai que precisa… Não tê-lo por perto deixa as coisas piores ainda!!

    Responder
  3. Ana Carolina
    19 de abril de 2018 at 23:25 (5 meses ago)

    Anna, você se sentiu segura nos ônibus?
    Li sobre assaltos a ônibus, em especial os noturnos no México, e fiquei com um certo receio de fazer esse trecho OAXACA-San Cris. Você percebeu alguma coisa além das curvas?

    Responder
    • Anna
      Anna
      20 de abril de 2018 at 8:14 (5 meses ago)

      OI Ana!

      Então, já tem 8 anos que eu fui. Na época não me senti insegura em nenhum momento no México. Usamos ônibus de várias companhias e “formatos”, mas não vi nada suspeito. Neste trecho em específico, pegamos o ônibus mais top de todos. Dormi/passei mal a noite toda, não reparei na estrada exatamente.
      O ônibus também não estava cheio, tinham sei lá, 5 pessoas.

      Como falei, já tem um tempo que fui né. As coisas podem ter mudado. Mas na minha viagem nunca me senti insegura. De fato em San Cristobal fomos informados para não fazer passeios sozinhos e adentrar nas matas… porque tem lá o grupo das drogas etc. Mas com as agências no local, eles já sabem onde dá pra ir e onde não, eles tem uma liberdade pra entrar com pessoas nos pontos e tudo. Foi só ali mesmo que deu um “oi, como assim?”.

      Responder

Leave a Reply