5 ideias pra você usar nossas caixinhas

Sabia que além de tags de mala, nós temos outros produtos? Entre eles estão as caixinhas “mundi” em MDF ou acrílico, e hoje mostramos 5 ideias para utilizá-las na sua decoração!

caixinhas

1. Porta Cartões

Eu amo essa opção. Tanto que eu mesma uso aqui para os meus cartões do escritório. Tá sendo muito útil porque os cartões não ficam largados num canto, ficam guardadinhos e decoram minha mesa.

caixinha porta cartão

2. Porta jóias

Ótima opção também, porque a caixinha é bem grande pra isso e dá pra colocar bastante brinco, colar, anel…

caixinha porta joias

3. Porta docinhos e guloseimas

Claro que a gordice aqui pensou já em usar a caixinha transparente em acrílico pra colocar docinhos coloridos e usar na decoração de uma festa ou da cozinha mesmo. Ficou bonitinho, né? Eu achei \o.

caixinha porta doce

4. Para guardar carregadores

A caixinha é boa pra guardar carregadores do dia a dia também. Em casa eu coloquei os meus do celular e do ipod. Deu certinho.

caixinha porta carregador

5. Para presentear uma tag especial!

E a opção mais linda de todo o planeta: usar para colocar tags e presentear alguém! Presente completo pra um bom viajante. Coincidência ou não, as tags cabem perfeitamente nas caixinhas.

caixinha

As caixinhas custam R$ 18 cada uma e estão à venda aqui neste link. Quem usar diferente, conta pra gente!!

Restaurante Lagundri: uma orgia gastronômica

Conhecer, descobrir e redescobrir restaurantes novos e diferentes é um dos meus exercícios favoritos em Curitiba. Essa cidade me enche de orgulho com tantas boas opções gastronômicas.

Um dos restaurantes que estava na minha lista para conhecer há tempos era o Lagundri, especializado em comidas do sudeste asiático, então no dia do meu aniversário resolvi jantar lá. Me desculpem as fotos do celular e da câmera compacta, mas fico com vergonha fotografar os restaurantes e depois acabo me arrependendo porque sempre quero postar e indicar quando gosto do lugar. Prometo me empenhar mais nisso daqui pra frente ;)

restaurante lagundri sudeste asiático

Primeira dica para quem quiser conhecer o Lagundri: faça reserva. Como era dia de semana, acabamos deixando a reserva para a última hora achando que não estaria lotado, mas só restavam duas opções para o nosso jantar: o lounge, com mesinhas baixas com almofadas para sentar no chão ou as mesas gastronômicas, que são, literalmente, ao lado da cozinha. Resolvi tentar algo diferente e escolhi o lounge, mas não teve jeito, não me adaptei à sentar no chão e tivemos que trocar para as mesas gastronômicas. O que parecia não ser uma boa ideia, acabou sendo a melhor opção de mesa do restaurante, especialmente para pessoas curiosas feito eu.

lagundri restaurante asiático curitibaComo disse, as mesas gastronômicas ficam ao lado da cozinha, então é possível ver todo o preparo da comida, além de encher o chef de perguntas sobre os pratos. E isso fez toda a diferença na nossa experiência no Lagundri.

cozinha lagundri

O chef que estava no comando da cozinha era o Thom, um simpático neozelandês que mora no Brasil há oito anos e nos atendeu muito bem!

A segunda dica então é: se você quer aprender sobre os pratos e sobre a cultura dos países, sente na mesa ao lado da cozinha, bata um papo com o chef e enriqueça o seu jantar. Aceite as sugestões dos garçons também e esteja disposto a encarar a orgia gastronômica que estará por vir.

Doce com salgado com pimenta com amargo. Tudo junto e misturado. A culinária do sudeste asiático é uma grande mistura de sabores e texturas. Eu adoro essas combinações que parecem malucas, mas que, no fundo, são muito bem elaboradas.

Como eu sou vegetariana, minhas opções são um pouco mais limitadas, mas mesmo assim muito ricas em sabores. De entrada pedimos “Olhos da Serpente” e “Os Monges das Montanhas”. Adoro esses nomes doidos também! O primeiro é uma trouxinha de porco, frango, siri, aipo, coentro e molho de ostras e o segundo é tipo uma casquinha com três cogumelos e parmesão.

entradas lagundri

Perguntamos para o chef até sobre a flor que decorava o prato e ele disse: “tudo que tem no prato é comestível”, então comemos a flor também!

Como prato principal eu pedi arroz frito com legumes e castanhas e a minha mãe e o meu namorado pediram curry. Todo mundo amou a comida e todo mundo quer voltar outro dia pra experimentar as outras coisas.

comida asiática curitiba

Para fechar com chave de ouro, vamos falar das sobremesas. As sobremesas não são tão doces quanto às sobremesas brasileiras. Aqui, as sobremesas servem mais como complemento e finalização da refeição mesmo. Eles também tem as opções de sobremesas mais comuns ao nosso paladar, mas eu acho que para a experiência gastronômica ser completa ela tem que ir do início ao fim fiel à culinária do local, então pedimos Mamuang Khao Niaw, que é um arroz doce tailandês com manga e Thai Banana Soup, que é uma sopa de banana com leite de coco, capim limão e curry madras.

sobremesas restaurante lagundri

O arroz é mais bonito do que gostoso e a sopa é mais gostosa do que bonita. O arroz achei normal, valeu experimentar, mas não preciso comer novamente. Já a sopa de banana, eu amei!!! O sorvete era de gergelim. Pode até parecer estranho, mas é bom demais. Eu amo gergelim. Gergelim pra mim é tipo um ingrediente mágico das comidas. Tudo fica bom com gergelim.

Agora vamos aos valores do jantar: os preços variam bastante conforme o prato escolhido, mas o Lagundri está na média dos mesmos restaurantes da categoria, ou seja, o custo é de cerca de R$100,00 por pessoa para entrada, prato principal e sobremesa.

O restaurante tem também o Menu Banquete com um valor fixo por pessoa e bebidas à parte. Nesse menu eles servem todos os pratos em porções reduzidas para que você possa experimentar de tudo um pouco. O Menu Banquete parece que é servido apenas com reserva, então é bom se informar direitinho antes. Eu acho que esse tipo de menu degustação é sempre uma boa opção para conhecer a culinária de outro país, daí fica mais fácil saber do que gosta para poder pedir na próxima visita.

O Lagundri fica na Rua Saldanha Marinho, 1061 e as reservas podem ser feitas pelo telefone (41) 3232 7758.

Cerâmicas turcas

Lembram que contei que visitamos uma fábrica de tapetes turcos? Então, também pudemos visitar uma fábrica de cerâmicas turcas. Quando você chegar na Turquia vai dar de cara com zilhões de mini pratinhos coloridos de cerâmica, esses:

cerâmica turca

Pois bem, na Capadócia tem uma fábrica visitável e a visita começa estilo Ghost.

Brincadeiras a parte, a visita começa assim mesmo. Primeiro entramos em uma salinha e eles mostram como fazem os vasos e pratinhos. É muito rápido e a técnica muito antiga. Dali vamos passando por várias salas com os diferentes processos de fabricação, mais ou menos como na fábrica dos tapetes que contei.

cerâmica turca

Depois desse primeiro contato, seguimos para a sala onde eles queimam os produtos e dão polimento. Fica tudo branquinho.

cerâmica turca

Na sequência vem os desenhos. Agora aqui uma grande pausa, é impressionante! Os detalhes, as cores, o trabalho minucioso e que exige um talento extremo desses artistas. Uma peça mais linda que a outra, em vários formatos, não só pratinhos pequenos.

cerâmica turca

O que achei legal é que ali é uma escola de cerâmica, então tem peças com trabalhos mais simples e que são mais baratas, pois são de alunos. Veja bem, não é porque são de alunos que é algo mal feito e tosco. Pelo contrário, é tudo muito bem feito e eu inclusive comprei várias peças deles. As peças dos profissionais são maiores e muito, mas muuuito cheias de detalhes.

cerâmica turca

Os preços variam entre 10 liras até 20 mil liras, e olha, esse trabalho vale, viu? E também tem peças com tintas que brilham no escuro! Fantástico demais!

Pra trazer pro Brasil, você pode pedir pra embalarem bem que não tem problema algum. As minhas chegaram intactas, mas eu ainda coloquei umas meias em volta e tudo isso no meio de blusas de lã bem fofinhas. Todo cuidado é pouco.

Quem for comprar peças maiores, não vai dar pra despachar na mala, mas eles também despacham sua compra direto pro Brasil, assim como o pessoal dos tapetes. A coisa boa é que tem gente na fábrica falando português e isso facilita as negociações e todo o procedimento.

Outro ponto importante é que nessa fábrica as peças são um tiquinho mais caras (coisa de 5-10 liras) de diferença com algumas peças dos bazares. É que né, ali elas não são made in china e também tem outro detalhe, as dos bazares não tem laminação com vidro, então com o tempo de uso elas podem descascar e perder o brilho. Já essas são feitas com mais cuidado e materiais melhores, então duram eternamente, é só não deixar cair, hehe.

Na minha opinião, dá pra comprar uma peça que tenha se apaixonado muito aqui, tendo certeza que o produto é de qualidade e tudo o mais, e se for comprar mais pra decorar e coisinhas menores, comprar no bazar. Um é investimento, outro é souvenir.

Outros posts sobre a Turquia:

– Turquia; dicas práticas de turismo

Posts de Istambul

– Roteiro Istambul para 2 dias de inverno

– Como são as estradas na Turquia

Ankara e o Mausoléu de Ataturk

– Capadocia: dicas práticas de turismo

- As cidades subterrâneas da Capadocia

Chaminés de Fadas e o Vale de Dervent na Capadócia

– O museu a céu aberto de Goreme

– Tudo o que você precisa saber sobre os tapetes turcos e como trazer pra casa

Show de danças turcas na Capadócia

– Museu Mevlana e os Dervixes em Konya

– Kervansaray: um passeio no meio da estrada na Turquia

Pamukkale e as piscinas de calcário

A Casa de Virgem Maria

Éfeso, a segunda maior cidade do Império Romano

– Bursa, parada estratégica com muito frio!

Bursa, parada estratégica com muito frio!

A última cidade que visitamos na Turquia foi Bursa e lá pegamos um frio, mas um friooooo que gente, cortava qualquer um. Foi a cidade mais absurdamente fria da viagem. A parada em Bursa foi estratégica antes de chegar em Istambul novamente. A cidade fica na região do mar Mármara e é a 4º maior da Turquia. Nada mal, hein? A cidade é conhecida pelas estações de esqui. Com o frio que estava, eu acredito muito. Haha.

Lá ficamos pouco tempo, apenas para conhecer o básico – mesquita, he -, para almoçar e fazer umas comprinhas. Então não vi muito dessa cidade.

bursa

Os dois principais pontos de visita da cidade são a Mesquita e o Mausoléu, um em frente ao outro, não tem como errar. Na hora que chegamos estava na hora do culto, e pudemos entrar no finzinho pra ver um pouco. Foi bem legal e diferente. Aqui um pouquinho pra você ouvir (o vídeo tá péssimo porque eu não tinha mais mão pra segurar as coisas e desviar das pessoas e tava muito escuro lá dentro):

Lá dentro da mesquita é preciso tirar os sapatos e cobrir os cabelos também. Tirar os sapatos ali, naquele frio mortal foi bem difícil, viu? O chão estava gelado e uma parte estava molhada! Sem contar que todo mundo te atropela na hora. É uma aventura, eu diria.

bursa

Uma coisa interessante sobre Bursa é que após domínio greco-romano, a cidade foi incorporada no mundo islâmico, isso em 1326. Em 1683 a cidade já tinha 124 mesquitas, sendo que várias eram antigas igrejas cristãs (como a Hayasofia que falei nesse post).

O mausoléu em frente à mesquita verde abriga a sepultura de Osman I, fundador da família que reinou durante o império Otamano e de seus filhos.

bursa mausoléuEsses túmulos são muito bacanas!

Ali do ladinho essa praça da mesquita + mausoléu tem um “mercado de sedas” como nos foi falado. Nada mais é que uma grande loja de souvenirs e produtos turcos. Ela é imensa, tem muita coisa, mas esperava mais dali. Sem contar que me irritei demais na loja porque as vendedoras ficam COLADAS em você o tempo todo! Irritante!! Não é que elas ficam próximas, elas ficam do-lado, como se fossem suas amigas vendo os produtos. Até comentei com o guia isso, que achei bem invasivo e chato e ele disse que na Turquia é comum, e que se o vendedor não fica junto do cliente, pode ser considerado de mau atendimento. Hum, migo, vem cá, faz isso com brasileiro não, pfv.

A parada na cidade não é obrigatória, mas estratégica e bem interessante. Melhor que parar em posto pra esticar as pernas e comer, não é mesmo? Melhor ver coisinhas histórias e passar frio. Já falei né, que estava frio? He.

bursaA gente faz pose de tango em todos os lugares? Sim, fazemos. #mideixa

Outros posts sobre a Turquia:

Turquia; dicas práticas de turismo

- Posts de Istambul

Roteiro Istambul para 2 dias de inverno

Como são as estradas na Turquia

- Ankara e o Mausoléu de Ataturk

Capadocia: dicas práticas de turismo

- As cidades subterrâneas da Capadocia

Chaminés de Fadas e o Vale de Dervent na Capadócia

O museu a céu aberto de Goreme

Tudo o que você precisa saber sobre os tapetes turcos e como trazer pra casa

- Show de danças turcas na Capadócia

Museu Mevlana e os Dervixes em Konya

Kervansaray: um passeio no meio da estrada na Turquia

- Pamukkale e as piscinas de calcário

- A Casa de Virgem Maria

- Éfeso, a segunda maior cidade do Império Romano

*Don’t worry, be happy!

Realizar uma viagem geralmente é sinônimo de concretização de um sonho. No entanto, pessoas que possuem doenças preexistentes muitas vezes ficam receosas na hora de realizar uma grande viagem internacional, com medo de ter alguma complicação durante a estadia fora do País. Mas saiba que não há mais razão para se preocupar.

Atualmente, algumas empresas já oferecem seguro de viagem internacional para esse público específico, o que não acontecia anos atrás. A Premium Assistance, empresa do Grupo Omint – operadora de saúde de alto padrão presente no Brasil há 30 anos-, foi a primeira companhia do mercado nacional a oferecer pacotes que garantem atendimento médico integral mesmo no caso de passageiros com doenças preexistentes.

Aqui embaixo você pode simular a contratação de um seguro viagem com a empresa:

A Premium é a única a disponibilizar uma equipe médica exclusiva para suporte ao atendimento dos brasileiros que viajam ao exterior, além do grande diferencial no valor das coberturas, que variam entre € 30 mil e US$ 250 mil.

Por isso, não tenha medo e aproveite ao máximo as oportunidades para conhecer o mundo, com toda comunidade que a Premium Assistance pode lhe proporcionar.

1 2 3 281