10 motivos para ir a Bali

Já faz quase um ano que estive na Ásia, e faz quase um ano que escrevo aqui sobre os lugares incríveis que conheci, principalmente Bali. Amei esse lugar! Além de muito paradisíaco, as pessoas são fofíssimas e tudo muito barato. Na verdade não tem motivo para não ir a Bali, mas separei 10 essenciais para você começar a pesquisar sobre passagens pra lá:

1. Arte e Cultura

Quando cheguei a Bali, tive um choque cultural muito grande. Sempre viajei para lugares das Américas e Europa, que todos sabemos bem como é a cultura, até porque é muito parecida com a nossa.

Em Bali é tudo diferente. A forma de vestir, a forma de negociar, os horários, as comidas, as casas. Tudo vira motivo para tirar a câmera e fotografar que nem louco.

A arquitetura em particular é algo inacreditável. Esculturas absurdas e muitos detalhes.

2. Café mais caro do mundo

O café mais caro do mundo, que aqui em Curitiba custa R$ 250, lá custa R$ 11. Claro, além de que tudo é mais barato em Bali, é de lá que vem o Kopi Luwak, café feito das fezes do Luwak (uma espécie de rato).

Se você ama café, vai poder aproveitar e experimentar desse e muitos outros tipos diferentes!

3. Hotéis

Já pensou em se hospedar em hotel 5 estrelas por preço de albergue? Lá tem. É claro que tem hotéis mais caros mesmo, mas em geral os preços são muito convidativos, e a hospedagem sempre inclui café da manhã e massagem.

Nós pegamos um dos mais baratos e gente! Acho que foi o melhor que fiquei na vida. Local perfeito, super calmo.

4. Todas as opções de turismo

O que gostei de Bali é que não tem só praia, não tem só floresta, não tem só cidade. Tem de tudo e tudo muito próximo. Você pode passear na praia e fazer mergulho de manhã, de tarde subir num vulcão e de noite ir para o agito de Semyniak, por exemplo.

5. Povo simpático

Não eles não falam um bom inglês. É bem fraquinho, mas pelo menos tentam e fazem de tudo por você mesmo com a barreira linguística. Os balineses que falam inglês aprenderam com os turistas e por necessidade de atende-los.

Mesmo assim dá para entender e se fazer entender com sinais numa boa. Eles são tão queridos e simpáticos que até assusta um pouco. O que eles querem não é te amolar, e sim fazer o melhor pra você.

6. Barganhas

O que é barato fica ainda mais barato. Nada tem preço fixo por lá, e é quase uma lei ter que barganhar. Se entrar na loja, perguntar o preço e não tentar levar por menos, eles mesmos vão oferecer outro valor, até você levar o produto.

Depois de uns dias isso cansa um pouco, mas o lado bom é que dá para comprar muita coisa legal por pouco.

7. Templos

São muitos e um ao lado do outro praticamente. Já comentei aqui que cada casa tem cerca de 3 templos, além dos templos grandes coletivos. Prato cheio para conhecer melhor a cultura (já que inevitavelmente vai acabar presenciando alguma cerimônia no caminho), e tirar fotos muito legais de tudo.

8. Comida

Comer em Bali é ótimo pra qualquer um (até para pessoas como eu que não comem comidas exóticas), pois tem de tudo e muito barato! É um dos melhores lugares para se comer muito bem e com muito pouco. Postei aqui, aqui e aqui sobre alguns restaurantes e não vamos esquecer o melhor de todos, Sari Organik. Tem-que-ir.

Ah, uma ressalva aqui: bebida alcoolica é muito caro. MUITO mesmo. É uma imposição do governo que seja caro para o povo não gastar o pouco que ganha nisso e não ficar bêbado causando problemas. Interessante não?

9. Motorista particular

Bali não tem transporte público, mas não se assuste, a coisa mais fácil por lá é contratar um motorista por um preço sensacional e poder fazer tudo o que quiser sem se preocupar. Dá para alugar uma motinho também, mas é um pouco mais arriscado. O trânsito em Bali é bem confuso e sem leis. Tem que saber dirigir lá para não causar/sofrer acidentes.

Dá para conseguir um lá mesmo, não precisa esquematizar daqui. Os hotéis sempre tem quem indicar. E é baratíssimo! Acredite, dá para conseguir um motorista por muito pouco, e se achar caro, sempre existe a barganha.

10. Tranquilidade

Apesar da loucura do trânsito, Bali é muito tranquila. É um lugar que passa uma sensação de calma e tranquilidade se iguais. O povo simpático, as vistas lindas e provavelmente a musiquinha tipo de sinos tocando em todos os lugares o tempo todo, dá uma caaaalma. Estar em Bali é relaxar, não tem jeito.

A bem da verdade é: todo mundo tem que poder ir a Bali alguma vez na vida. Espero que todos consigam, pois é um destino impressionante. =)

Numa vibe super relax com o elefante

Comentários

comments

14 Comments on 10 motivos para ir a Bali

  1. Rafael
    10 de dezembro de 2012 at 10:51 (5 anos ago)

    Os preços são incríveis por lá mesmo. Eu comia muito, mas muito bem com uma quantidade ridícula de dinheiro. E fiquei num hotel maravilhoso pagando uns trocados. Que saudade de Bali. =)

    Responder
  2. Can-C Eye Drops
    20 de dezembro de 2012 at 1:15 (5 anos ago)

    É uma bobagem. Além de ser um dos lugares mais bonitos — e charmosos — do planeta, Báli é praticamente grátis. No quesito BBB, não perde pra ninguém. O único item caro é a passagem. E de repente com a chegada da Singapore Airlines no Brasil (que vai voar a Cingapura via Barcelona, e que vai ser o caminho mais curto do Brasil a Denpasar, o aeroporto de Báli) pode ser que até nesse departamento apareçam ofertas.

    Responder
  3. tayra mota
    23 de março de 2015 at 1:17 (3 anos ago)

    to indo agora pra bali, amei os post, tô contando os dias, obrigada.

    Responder
  4. Rosita
    7 de julho de 2015 at 17:23 (2 anos ago)

    Quero conhecer Bali NOW! Kkkkk e posso levar os cachorros? Um kintamani (uma raça de cachorro da Indonésia) macho (Djoko) e uma Golden retriever fêmea (Dulce)… Férias não sao férias sem essa dupla peluda rsrsrs e aeh, tem alguma burocracia pra levá-los pra Bali? ;) eles são vacinados contra raiva, só não são castrados… Posso ter algum problema com isso?

    Responder
    • Anna
      Anna
      8 de julho de 2015 at 8:09 (2 anos ago)

      Olá Rosita.

      Eu não sei se pode entrar com cachorros em Bali.
      POrque eles não gostam de cachorros.
      Tem que verificar.
      A gente tem um post sobre viagem com dogs e tiramos algumas dúvidas aqui: http://wp.me/p1dlxU-4S5

      Beijos!

      Responder
  5. Rosita
    9 de julho de 2015 at 0:35 (2 anos ago)

    Eitaaaa! E pra onde eu posso levar meus bebês peludos de viagem? :( já conheço Belém, Salinas (passei a infância lá), Mosqueiro, Fortaleza, São Luís, Miami, Orlando, Punta del Este, Chile e Argentina. Qual lugar tu me sugeres pra levar o Djoko (Kintamani) e a Dulce (Golden Retriever), por favor?

    Responder
    • Anna
      Anna
      9 de julho de 2015 at 8:54 (2 anos ago)

      Não sei te dizer Rosita.

      Eu não tenho cachorros, não sei o que é bom pra eles e não conheço as regras dos países quanto à isso.
      Mas acho que tranquilo em toda a Europa, por exemplo.

      Responder
  6. Rosita
    9 de julho de 2015 at 12:19 (2 anos ago)

    Oh, ok. Você me ajudou um pouco! ;) e eu tô pensando em levá-los para Ilhabela – SP, apesar de não ser paulista. Porque você acha que os balineses não gostam de cães?

    Responder
  7. Rosita
    9 de julho de 2015 at 12:24 (2 anos ago)

    Oh, ok. Você me ajudou um pouco! ;) e eu tô pensando em levá-los para Ilhabela – SP, apesar de não ser paulista. Ah, e isso que a maioria dos balineses não gosta de cães procede? Até porque eles têm uma raça de cachorro nativa, o Kintamani, esse ai que eu t falei q tenho, e eles tem também uma lenda de um tal de yudhisthira, que foi ao céu acompanhado de seu cão. Portanto, esperava que eles gostassem de cães…. Enfim, cada povo com sua maluquice rsrsrsrs e porque achas q os balineses não gostam de cães?

    Responder
    • Anna
      Anna
      9 de julho de 2015 at 14:33 (2 anos ago)

      Porque não é da crença deles.
      Eu sei que não gostam porque eu vi que não gostam. Vi cachorro ser mau tratado lá, são todos podres e vi cachorro sendo atropelado e numa boa. Eles não se importam.
      Eles cultuam outros animais e cachorro não é um deles.

      Responder
  8. Rosita
    9 de julho de 2015 at 20:19 (2 anos ago)

    Que horror! Eu acredito que cães podem acompanhar boas pessoas até o Paraíso, portanto, sempre que viajo, alimento cães vadios e dou um nome a eles. Quando eu era criança, ia muito pra praia, e, ali, tinha muito, mas muito cachorro abandonado, mesmo! Alguns até já tinham sido atropelados, mas NENHUM perdia a confiança no ser humano, e eu os alimentava e brincava com eles. :D eram meus cachorrinhos por um mês! Rsrsr e não vejo a hora de inventarem a máquina do tempo, para que eu possa rever pessoas e animais queridos, que não mais verei nessa vida.

    Responder
  9. Rosita
    9 de julho de 2015 at 22:23 (2 anos ago)

    Oi! Eu vivo em Belém, uma cidade no Norte do Brasil que tem um clima quente e úmido. Aqui é um lugar tranquilo apesar do caos urbano, é uma cidade perfeita na imperfeição, que mostra que, sim, é possível haver união na diversidade. Sou uma menina de 14 anos, e vou lhe contar a minha história. Eu tenho 14 anos, sou portadora de deficiência auditiva severa, mas eu posso falar normalmente, e sinto algumas dores nas articulações, porque estou com chikungunya (uma virose transmitida por mosquitos), que peguei numa viagem ao exterior, mas estou feliz porque posso andar e estou viva. Eu sou um sobrevivente da minha própria história. Eu sobrevivi a muita coisa quando eu era uma criança. Eu tive duas bactérias hospitalares letais, que causaram a minha deficiência auditiva, e eu tive meningite bacteriana, quando eu tinha apenas 1 anos de idade, e, agora, estou me recuperando de chikungunya (uma doença que é transmitida por mosquitos), depois de ter sido doente durante oito meses, mas eu sou tão grato porque eu posso andar, comer, falar, correr e amor, como outra pessoa saudável neste mundo. Eu perdi meu avô paterno ano passado, porque ele perdeu sua luta contra o câncer de pulmão, depois de ficar seis meses muito doente, tudo culpa do cigarro. Ele estava morrendo um pouco todos os dias. Sua morte foi melhor do que o seu sofrimento. Sou apenas uma outra pessoa neste mundo que é um sobrevivente e um amante dos animais. Eu acredito que os cães podem acompanhar as boas pessoas para o céu, então, eu alimento alguns cães vadios nas minhas viagens ao redor do mundo. Eu costumava dar um nome a estes cães! Quando me lembro da minha infância, eu me lembro de muitos cachorros de rua, gatos e uma casinha à beira-mar. Minha cidade tem um rio, mas esse rio não substitui o mar da minha infância. Não há praia mais bela que a praia da minha infância. Não para mim. Ah, aquela praia idílica com areias brancas e águas cristalinas… Este era o cenário da minha infância! Eu costumava comer manga diretamente da árvore, ao melhor estilo Mogli, dividia algumas frutas e sorvetes com nossos cães, costumava andar descalça na areia branca, que contrastava com a minha pele bronzeada, e um sorriso se abria em minha face. Eu vivia no paraíso, mas NÃO SABIA! Eu estava realmente feliz, mas NÃO SABIA! Agora, eu sei que eu era verdadeiramente feliz nessa época… E eu luto para recuperar a felicidade de minha infância. Vivo atualmente numa pequena casa estilo balinês, afastada do centro (e da loucura) da cidade, com dois cães: um Kintamani e uma Golden Retriever. Sou cachorreira de carteirinha. Meu sonho é ser uma médica e escrever um livro sobre qualquer coisa, continuar minhas viagens ao redor do mundo, com meus cachorros, tirando muitas fotos bonitas, porque eu tenho uma alma cigana. Não tenho uma pátria definida, apesar de amar o Brasil. Esta é minha vida, até este momento…. :) o que vocês acham?

    Responder
  10. Rosita
    15 de julho de 2015 at 22:11 (2 anos ago)

    Amei!!!!! Amei!!!! É um lugar que sonho em conhecer. Sou paraense e no meu estado tem belezas naturais de tirar o fôlego. Até brinco dizendo que Belém é a “Bali brasileira”, devido às semelhanças com a ilha indonésia. Aqui em Belém não tem mar (não tem risco de tsunami rsrsrs), mas tem um rio-mar, que desemboca lá na floresta amazônica! Quando me lembro da minha infância, não lembro do rio, e sim, do mar, visto que ia muito pra Salinas, lugar onde era verdadeiramente feliz, e, até hoje, luto para recuperar a felicidade daquela época. Quando me lembro da minha infância, é quase como se tivesse sido criada na praia. Os cheiros que me lembram infância são: mato molhado, maresia, manga, mangostão (uma fruta deliciosa) e jasmim. Recentemente, descobri que o jasmim é a flor símbolo de Bali, mas, pra mim, é a flor que melhor representa minha infância. Nunca mais bebi uma água de coco tão doce e gostosa quanto aquela de Salinas, quando eu ainda era menina pequena. Ah, quantas saudades daquela época! Até choro quando me lembro da minha infância em Salinas. Choro de saudade. Choro de alegria. Sei que vivi uma infância perfeita na imperfeição, em meio à praias paradisíacas, de mar e de rio, capazes de dar inveja a qualquer um. Hoje, vivo numa casa estilo balinês, com alguns (VÁRIOS, na verdade) cachorros, uma vida (quase) perfeita, mas confesso que sinto vontade de voltar no tempo, pra rever lugares e pessoas queridas, que jamais verei de novo nessa vida….. Se você vier pro Pará, espero que venha pra Belém e não se esqueça de conhecer Soure, no Marajó, que é a pérola do Marajó, Alter do chão, que é o Caribe brasileiro y otros lugares más :D mas venha de coração e mente abertos, porque o choque cultural pode ser grande, além da imensa pobreza. Mas isso você NÃO vai ver na capital, só nos interiores, mas, ainda assim, vale super a pena conhecer o Pará! Garanto que você vai se apaixonar.

    Responder
  11. basta clicar em http://dogsforpeople.com/
    13 de maio de 2017 at 12:53 (6 meses ago)

    Ei, se importaria de me avisar qual webhost você tem trabalhado?
    Eu carreguei o seu blog em 3 completamente diferente navegadores e devo
    dizer que este blog carrega muito rápido do quê a maioria.
    Você pode sugerir uma boa hospedagem web com um preço honesto?
    Saúde, e obrigado!

    Responder

Leave a Reply