Como uma viagem a Buenos Aires mudou a minha vida

Minha primeira viagem internacional foi pra Argentina, Bariloche. A segunda foi pra Argentina, Buenos Aires. Isso não faz muito tempo não, foi em 2004 e em 2005 respectivamente. Quando fomos a BUE, certamente fomos assistir um show de tango, o Sr. Tango, longe de ser o melhor da cidade, achei o máximo!

A bem da verdade é que conhecia muito pouco da dança, tinha visto em um ou outro filme, raramente aparece na tv. Ver aquilo ao vivo e de fato tango (porque acredite, o que você vê em filmes de Hollywood não é nem de longe o melhor tango), fiquei emocionada. Fiquei pensando que seria fantástico dançar aquilo mas… onde? No Brasil? Ppppfff não, nem deviam ter escolas ensinando isso aqui, muito menos em Curitiba. Deixei pra lá. Ficou naquele sonho que aconteceria só na vida imaginária.

Passaram alguns anos (6, pra ser precisa) e retornei a Buenos Aires. De novo o contato com o tango. Voltei pensando a mesma coisa “capaz que tem escola que ensine isso aqui”, mas também voltei com esperança e resolvi, enfim, procurar se tinha ou não tinha.

Bom, eu achei. Algumas escolas tinham na grade de aulas de dança de salão, tango. Gente que emoção. Achava que precisava ter par pra entrar na dança, mas eu não tinha, então arrastei um amigo pra ir junto. Tá e confesso que também estava com vergonha de chegar chegando numa turma sem saber absolutamente nada.

Primeiro: não precisa ter par ok? Pra quem vai começar não precisa se preocupar com isso… até porque tem muita coisa pra aprender antes de sair dançando lindamente. E depois você conhece muita gente e logo encontra alguém que seja bom pra dançar com você. E é o que geralmente acontece, as pessoas se encontram na dança.

tango

Segundo: se existe aula é porque as pessoas estão aprendendo. Se estão aprendendo, você pode chegar sem saber porque também vai aprender. Então sem medo, todo mundo começou algum dia na vida.

tango

Essas foram as duas coisas que aprendi assim, logo de cara no primeiro mês. Parei de ter medo e vergonha. No começo eu ia quando dava, não tinha tanto comprometimento e também não sabia tudo que o tango exigia. Só que acontece uma coisa muito mágica: você começa aprender, começa a conseguir fazer os passos e movimentos… e tem tanta coisa pra aprender que cada aula instiga para a próxima. É um aprendizado sem fim.

tango

Em pouco tempo passei de 2h por semana para 6h. E logo para 12h por semana, tudo depois do trabalho no escritório e ainda equilibrando os horários com a pós graduação que fazia na época. Assim foi, mudei de escola, de professores, conheci muita gente até chegar no lugar ideal para mim, para as minhas expectativas e necessidades, e isso varia de pessoa pra pessoa.

tangoO tango trouxe muitos amigos!

Já se passaram 3 anos no tango, e minha vida só mudou para melhor. Minha postura melhorou, meu corpo, minha flexibilidade, meu equilíbrio; fiz muitos e ótimos amigos; minha memória está sempre trabalhando pra lembrar de tudo e das coreografias; conheci ídolos; voltei outras vezes a Buenos Aires; conheci meu namorado ♥ (ah sim, engana-se muito quem acha que só tem gay na dança, muito pelo contrário!).

tango

Hoje em dia o tango já passou de hobby para outra fonte de renda, fazemos alguns shows por aí e damos aula para iniciantes. Não posso mais viver sem, e tudo por causa de uma viagem a Buenos Aires. Resumo: acho que vale a pena viajar e descobrir coisas novas né?!

tangoTá tremida, mas e daí?

pagina

Comentários

comments

12 Comments on Como uma viagem a Buenos Aires mudou a minha vida

  1. Gili
    10 de março de 2014 at 10:05 (4 anos ago)

    Vc esqueceu de citar que muito disso se dá também pela sua persistência e determinação. Acho que não conheço mais ninguém tão focada em alguma coisa como vc. Quando entra numa atividade, é pra valer! Não basta o tango ser fascinante pra vc ou pra quem dança, pelo que eu vejo é preciso de muita determinação, e isso vc tem de sobra! :*

    Responder
    • Anna
      Anna
      10 de março de 2014 at 11:10 (4 anos ago)

      Sua dengosinha!!
      Sim, determinação é essencial =D

      Responder
  2. C. Gaofani
    10 de março de 2014 at 10:15 (4 anos ago)

    Venho por meio desta reiterar o comentário de que a senhora fica muito linda nas fotos quando sorri grandão!

    Responder
    • Anna
      Anna
      10 de março de 2014 at 11:10 (4 anos ago)

      Sis ♥

      Responder
  3. Alcione Lara
    10 de março de 2014 at 11:30 (4 anos ago)

    gostei também. E com sua licença deixe-me acrescentar: mesmo fazendo aula com professores argentinos, outro dia passando na sua escola, numa aula básica, tive a prof Anna na minha “cola”, arrumando postura, incentivando a boa respiração e, de quebra, ensinou mais um movimento simples, belo e ousado!O que quero dizer é que Anna Martinelli embora não tenha falado tudo sobre o tango, falou certo sobre tudo o que disse.Paixão e luta, atenção e persistência também são palavras que podem definir el tango!

    Responder
  4. Sara Daiane
    11 de março de 2014 at 0:13 (4 anos ago)

    Puxa, que legal vc compartilhar isso! Eu tb fui a BA algumas vezes e fiquei fascinada.Na última vez, fui a uma milonga. Assim que voltei, tomei coragem para entrar em uma aula de dança de salão em Brasília. Como era mais fácil e mais perto de mim, entrei na salsa. Eu achava que não daria conta. Mas aconteceram muitas dessas coisas que vc mencionou. Agora recomendo dança pra todo mundo :) Identifiquei-me bastante com seu texto ! Obrigada por compartilhar. Abs.

    Responder
    • Anna
      Anna
      11 de março de 2014 at 8:08 (4 anos ago)

      Obrigada pelo comentário Sara!!

      Responder
  5. Cleide
    15 de março de 2014 at 22:05 (4 anos ago)

    Oi,Anna, tudo bem? Com toda sua experiência em tango,qual show, milonga, vc indicaria, sendo o Sr Tango tão caro?

    Responder
    • Anna
      Anna
      15 de março de 2014 at 22:48 (4 anos ago)

      Oi Cleide!

      O problema do Sr Tango é o preço pelo show. É caro e é pega turista, demorado…
      Eu indico o Piazzolla e o Los Angelitos.
      Teatros maravilhosos, bom serviço e excelente show. Mesmo que seja caro, pelo menos é certeza que seu dinheiro valeu a pena!

      Besos!
      *depois que for me diz o que achou, hein? =D

      Responder
      • Cleide
        20 de março de 2014 at 20:39 (4 anos ago)

        Oi, Anna. Obrigada pela dica.

        Responder
  6. Clarissa
    21 de março de 2014 at 14:30 (4 anos ago)

    Que lindo esse depoimento, Anna! A dança transforma a vida das pessoas, e é uma das melhores coisas da minha vida. Dá para dividir minha história em duas fases: antes da dança, depois da dança. Fui de cruzeiro a Buenos Aires na semana passada, e a minha primeira milonga no Salón Canning foi a coisa mais maravilhosa que já me aconteceu desde que comecei a dançar.
    Acho um absurdo quem fala que só tem gay na dança. Pelo contrário, acho que o cara que dança tem muito, muito mais chances de conquistar uma mulher do que um que não dança. Eu vejo nos bailes alguns meninos simpáticos e que dançam para caramba, e a aparência não é lá aquelas coisas. Mesmo assim eles são sempre requisitados, a mulherada sente falta quando não vão, todo mundo admira, e, se eles estão solteiros, é por escolha própria.
    Dançar faz a mágica acontecer, né?

    Responder
    • Anna
      Anna
      21 de março de 2014 at 15:34 (4 anos ago)

      Pois é né Clarissa!

      Maior bobeira essa de que homem que dança é gay. Uma das maiores bobeiras que já ouvi!
      Sou super feliz com a dança e acho que sim, também posso dividir a vida em: antes da dança e depois da dança. =D

      Que bom que curtiu o Canning. Falei que era top!!

      Responder

Leave a Reply