Turista: Machu Picchu (parte I) por Tati Kugler

Lembram que eu contei aqui para vocês que Machu Picchu estava entre os 3 lugares que mais queria conhecer?! Pois então, hoje a Tatiana Kugler vai nos contar passo a passo como funciona uma viagem para Machu Picchu. O relato está cheio de dicas MUITO importantes e, com tanta informação, é quase impossível algo dar errado na viagem depois de ler esse post.

Eu dividi o post em duas partes para deixar todo mundo com água na boca. Hehe. Em breve vem a segunda parte.

dicas machu picchu

“Oficialmente descoberta por Hiran Bingham em 1911 e com um passado cheio de mistério, Machu Picchu é a lendária cidade perdida Inca e está no alto de uma montanha no vale do Rio Urubamba, nos Andes Peruanos. Não existem relatos escritos sobre sua fundação ou sobre como era seu cotidiano, mas diz a História que o responsável por sua existência foi Pachacutec, o primeiro Imperador Inca, que ordenou sua construção em meados do Século XV. Fato: inquestionável o título de Maravilha, é estupendo e de tirar o fôlego (em todos os sentidos)!

Do que foi dito no parágrafo acima a palavra mais importante de ressaltar é: PERDIDA. Com ela em mente dá pra ter uma (leve) noção de que não é tão simples assim de apreciá-la de perto, mas o bom é que no caminho vamos nos familiarizando com a Cultura Inca, da qual Machu é o ápice. Existem N maneiras de chegar, desde dispendiosas até super econômicas. Eu fui pela intermediária e é essa que eu conto a vocês.

Pronto para ler a odisséia? Vamos lá: Se você for sedentária como eu e não quiser se aventurar em uma caminhada de 2 a 4 dias pelas montanhas, são 3 passos.

1. É preciso chegar a Cusco, que é a capital da província onde está Machu Picchu (o modo mais fácil é de avião partindo de Lima, mas dá pra ir por terra vindo do Acre ou do Mato Grosso, passando pela Bolívia), lá você vai:

machu picchu dicas

a. Ficar pelo menos dois dias (recomendo 3) e conhecer os sítios arqueológicos da região (fantásticos!).

b. Comprar a passagem de trem para ir e voltar de Aguas Calientes na PeruRail – na Plaza de Armas, ao lado do McDonalds. Você pode escolher se quer sair de Poroy (25min. de Cusco) ou de Ollantaytambo (2h de Cusco), tudo depende do quanto quer gastar. Existem 3 classes de trem: Expedition (simples, partem de Ollanta); Vistadome (intermediário – partem de Poroy ou de Ollanta) e Hiram Bingham (alto luxo, padrão Orient Express – partem de Poroy). Fui de Vistadome (U$46) e voltei de Expedition (U$42). Peça assentos do lado esquerdo na ida e direito na volta (você vai me agradecer por esta informação). Ah, dá para consultar valores e comprar pelo site http://www.perurail.com

c. Comprar a passagem de ônibus para o trajeto Aguas Calientes > Machu na Consettur (Av. Pardo, 613 – horário comercial), ida e volta custam U$14 e não dá pra marcar horário (pode comprar em Aguas também)

d. Passar no mercadinho que fica na Plaza de Armas (da foto) e comprar muitas garrafas de água por s/1,50 (comprei 7, me arrependi de não ter comprado mais) e guloseimas em geral, principalmente chocolates.

e. Se você for sair de trem de Ollanta e estiver em Cusco, como eu, 3 horas antes do horário de partida do seu trem vá até a Calle Pavitos e pegue uma van para Ollanta. Existem várias vans saindo, negocie por menos de S/10 por pessoa/trecho e prepare-se para uma aventura em uma van lotada de peruanos e turistas, correndo pelas estradas sinuosas do Valle Sagrado. Duas horas depois você estará em Ollantaytambo.

2. Em Ollantaytambo você vai:

machu picchu passo a passo

a. Ficar novamente boquiaberto com visual (e relembrar do dia anterior, quando você subiu aqueles milhares de escalones e tirou esta foto, a ultima antes de sua câmera morrer e você chorar como uma criança porque não teria como tirar fotos de Machu Picchu. Sim, aconteceu comigo! Mas o celular do namorado quebrou o galho) – O Sitio de Ollanta faz parte do tour do Valle Sagrado, se você quiser economizar 1 dia de viagem pode ficar por lá quando fizer o tour, ao invés de voltar para Cusco, e já pegar o trem (e se preparar para pagar muito no hotel em Aguas, porque você chegará a noite e eles não vão ter dó da sua cara cansada, muito pelo contrário).

b. A van vai te deixar na Plaza de Armas de Ollanta, de lá você pode pegar um tuc tuc até a Estação (negocie e pague no máximo S/1,50) ou ir a pé, é perto e é descida. Fui a pé com mochilão pesando 20kg nas costas, sem traumas.

c. Embarcar em um trem que mais vai parecer uma Torre de Babel, ficar boquiaberto com a paisagem do trajeto (lembre-se: assento do lado esquerdo) e tirar muitas fotos lindas (e não toscas como as minhas). Depois de 1h30 você estará em Aguas Calientes.

3. Em Aguas Calientes você vai:

a. Ter em mente que Aguas é um vilarejo o pé de uma montanha, que vive do turismo a Machu Picchu e que tudo o que você comprar lá (incluindo hotel e comida) vai sair (bem) mais caro do que no resto do Peru. Lembram da água a S/1,50 que falei para comprar em Cusco? Em Aguas ela vai custar S/7 em todos os lugares e se você chorar pro o vendedor ou ele vai fazer por S/6,50 ou mandar você sair da loja. Gaste seu dinheiro (sempre negociando) nas feirinhas de Pisac, Ollanta e Cusco, sai incrivelmente mais barato, deixe para gastar em Aguas só o essencial.

b. Baixar as expectativas com hotel e saber que você vai pagar um preço não muito justo. Ficamos no Inti Punku, não tínhamos reserva, negociamos e conseguimos um valor razoável, +- S/400 por 2 noites/casal, com café, uma cama enorme e um banheiro decente. É possível encontrar hotéis mais simples e baratos, mas estávamos traumatizados com o hotel de Cusco (que era um pulgueiro nojento, argh!) e queríamos (precisávamos de) mais conforto – o engraçado é que em site de reservas o Inti Punku tem uma nota pior que pulgueiro de Cusco….

c. Preparar uma mochila pequena para levar a MACHU com: protetor solar, capa de chuva (principalmente se for de novembro a março), óculos de sol, muita água e guloseimas. Lá em cima é ainda mais caro que Aguas (água por S/10!). Lembre-se: você vai passar o dia lá, leve de acordo com a sua fome.

d. Dormir cedo e acordar as 5h30 da matina. Os ônibus começam a sair para Machu ás 6h e a fila é IMENSA. Nem pense em ir a pé, deixe as energias para gastar lá em cima. Entrando no ônibus às 6h30 você chega à entrada do parque às 7h, anda um pouquinho, dá de cara com esse visual:

E começa a perceber que a odisséia compensa, MUITO”.

E aí, ficaram curiosos para saber os detalhes do resto da viagem? Aguardem!

Comentários

comments

3 Comments on Turista: Machu Picchu (parte I) por Tati Kugler

  1. karina
    31 de outubro de 2012 at 2:03 (5 anos ago)

    Olá, adorei seu site e gostaria de tirar uma duvida com vc, estou indo p/ machu pichu agora em novembro, porem comprei o ticket do trem no dia errado p/voltar de aguas calientes até cusco, vc saberia me informar se eles sao flexiveis na troca do ticket do trem?? comprei p/ o dai 10 e na verdade seria p/ o dia 11!!! coo faco p/ trocar a data?? obrigada!

    Responder
  2. Marcia Trevisan
    17 de abril de 2013 at 15:45 (4 anos ago)

    Mari, e como era o nome do “pulgueiro” de Cuzco. Tem algum para indicar?

    Responder

1Pingbacks & Trackbacks on Turista: Machu Picchu (parte I) por Tati Kugler

Leave a Reply