Viajando com Murphy: Santiago

Tudo começou quando eu comprei uma promoção da TAM para Santiago. Eu sempre quis conhecer o Chile, mas não dessa maneira. Meu grande sonho sempre foi fazer aquela longa viagem de carro começando pelo sul do Brasil, passando pelo Uruguai, Argentina e terminando percorrendo o Chile todo do sul ao norte, mas isso demanda tempo. E tempo disponível para fazer uma viagem dessas eu não terei tão cedo, por isso resolvi aproveitar a promoção da TAM que me levou a Santiago com 4 mil pontos por trecho em pleno Carnaval, o único feriado prolongado de 2013.

Cheguei no aeroporto de Curitiba às 9h do dia 08/02 para pegar o voo das 10h para Congonhas. De Congonhas eu teria que ir para Guarulhos onde, finalmente, eu pegaria o voo para Santiago. Ufa! Quando compramos promoções temos que nos sujeitar a passar alguns perrengues assim, mas isso nunca foi problema para mim, principalmente quando eu vejo o resultado disso no meu bolso.

“Seu voo foi cancelado, estamos tomando as devidas providencias para encaixá-la em outro voo”. Quando ouvi essa frase, só consegui pensar que essa seria uma daquelas viagens nas quais a Lei de Murphy impera. E eu estava certa.

Fui encaixada no voo das 13h50 e chegaria em São Paulo exatamente na hora do embarque para o voo internacional, mas pelo menos fui direto para Guarulhos. Chegando lá foi aquela correria e quando achamos o portão de embarque o avião não estava lá! Se eu perdi o avião? Não, o avião estava atrasado. Pensei: “Murphy ficou em Curitiba”. Ledo engano: o avião chegou com 1 hora de atraso e trouxe junto o maior temporal de todos os tempos, que fez com nós ficássemos mais 1 hora dentro da aeronave sem poder decolar devido às condições climáticas.

A caminho de Santiago, muita turbulência. Não lembro de ter pego algum voo com mais turbulência do que esse. Depois de tantos atrasos, eu sabia que o que eu tinha planejado para fazer a noite na cidade já tinha ido por água abaixo, mas eu não sou do tipo que desanima por causa dessas coisas, e depois de ver o Aconcágua pelo finestrino do avião eu já sabia que essa viagem ia valer a pena.

viagem Santiago

DICA: quando forem escolher a poltrona do avião no trecho Brasil-Chile escolham do lado direito para ver o Aconcágua. Eu sei que pela foto e a posição da asa dá para deduzir isso, mas não custa reforçar ;) Vale lembrar que o Aconcágua é a montanha mais alta fora do Himalaia e também a única que se destacava acima das nuvens quando eu passei por lá ♥

Como imaginei, devido aos atrasos não deu tempo de fazer nada na capital chilena no primeiro dia, então o jeito foi dormir e recarregar as energias para os próximos dias.

Antes de continuar, queria explicar o objetivo da minha viagem: deixar a cidade de lado e explorar mais a natureza e por isso reservei apenas um dia para a cidade e aluguei um carro para aproveitar as redondezas de Santiago nos dias seguintes.

Como a cidade seria explorada em apenas um dia, optei por fazer um city-tour circular sugerido pelo blog Across The Universe, pois era perfeito para mim, já que eles falaram que dava pra ver tudo isso em um dia (porque sabe, os guias não são tão específicos quando se trata desse tipo de informação e é aí que entram os blogs para ajudar nessas coisas. Eu mesma já nem lembro mais como era planejar uma viagem sem antes ler os blogs da RBBV). Fiz algumas adaptações no city-tour e segui feliz para conhecer Santiago, começando pelo Palácio de La Moneda e a troca de guarda, que justamente no dia que eu fui não tinha :( Mas a Anna já contou aqui para vocês como é.

viagem Santiago

Dali segui pelo Paseo Ahumada até Plaza de Armas e visitei rapidinho a Casa Colorada, a Catedral, o Correo Central…

viagem Santiago

Estava tudo bem, até a hora que resolvemos ir ao Mercado Central para almoçar e, a partir desse momento, a Lei de Murphy voltou a funcionar: uma chuva a mais de 4 mil metros de altitude provocou deslizamentos que contaminaram os rios, então a companhia de água suspendeu o fornecimento na cidade toda. O corte atingiu 4 milhões de pessoas e não existia nenhum restaurante aberto na cidade. Meu almoço foi um pacote de bolachas, muito gostosas, diga-se de passagem.

viagem SantiagoMas tudo bem, o passeio continua e nossos próximos destinos eram o Patio Bellavista, a Casa Museo La Chascona e o Cerro San Cristobal: todos fechados!!

viagem Santiago

Voltamos para o hotel e eu não estava com vontade de jantar lá, então fomos informadas que o Parque Arauco tinha água e, consequentemente, comida para jantar, mas como às 20h30 ainda é dia lá nem nos tocamos que estava quase na hora de fechar o shopping. Chegamos às 20h55 e às 21h03 entrei na fila da Pizza Hut e falaram que já estava fechada. Gente, que tristeza. Voltamos correndo para o hotel e 5 minutos depois que entramos no restaurante, esse também fechou. Se tivéssemos demorado mais um pouco, também ficaríamos sem jantar.

No final do dia eu não aguentava mais ler e ouvir a palavra “CERRADO”.

O mais interessante disso tudo é que quando a gente comentava com algum morador local sobre o corte de água eles falavam da importância da natureza e que ela manda em tudo. Uma realidade e um pensamento bem diferente do nosso, pois aqui não precisamos conviver diariamente com fenômenos da natureza tão drásticos como os que ocorrem no Chile.

Tirei uma foto do Rio Mapocho, que corta a cidade, para mostrar para vocês como a água estava barrenta.

Rio Mapocho normal – Fonte: Google images

viagem SantiagoRio Mapocho quando eu estava em Santiago

E sabe, não foi só isso que aconteceu durante a minha estadia em Santiago. Teve terremoto, mais deslizamento, estradas fechadas, turistas ilhados, acidente e incêndio.

Mas se você quiser saber porque, apesar de tudo, eu voltei de viagem apaixonada pelo Chile, aguarde cenas dos próximos capítulos ;)

Mais sobre o Chile:

– Roteiro Chile: 17 dias de carro 

– Quanto custa viajar de carro pelo Chile

– Dirigir no Chile: tudo o que você precisa saber

– Vantagens e desvantagens de fazer uma viagem de carro pelo Chile

– O que fazer em Santiago

– Aluguel de carro no Chile

– Vinícolas no Chile: Viña Miguel Torres

– Vinícolas no Chile: Viña San Pedro 

– Vinícolas no Chile: a clássica Concha y Toro

– Museu de Colchagua em Santa Cruz, o maior museu privado do Chile

– Onde se hospedar no Valle del Colchagua e o que fazer

– Parque Nacional 7 Tazas e onde se hospedar

– Chillán no verão!

– O que fazer em Pucón, Villarica e região

– Onde se hospedar em Pucón: Glamping Pucón, único acampamento de luxo do Chile

– Onde se hospedar em Pucón: Hotel Boutique Casa Establo

– Valle Nevado no verão

– Dirigindo na montanha: Valle Nevado

– Quanto custa viajar para Santiago?

– Pega turista: restaurante giratório

– Cajon del Maipo

– San Jose del Maipo: a mini cidade entre montanhas

– Viajando com Muprhy: Santiago (esse!)

– Hotel em Santiago: Ibis Providencia, o meu preferido

– Hotel em Santiago: Alcala del Rio

– Restaurante em Cajon del Maipo: Sabor Nativo

Comentários

comments

11 Comments on Viajando com Murphy: Santiago

  1. Polliana Ribeiro
    18 de fevereiro de 2013 at 9:36 (6 anos ago)

    Caramba, que zica Mariana!! Sinto muito por isso, mas pense pelo lado positivo que esse passeio frustrado é uma boa desculpa para você voltar! :)

    Responder
    • Mariana
      Mariana
      18 de fevereiro de 2013 at 9:39 (6 anos ago)

      Ah sim, nada como ter uma boa desculpa para voltar. Hehehe
      Mas mesmo assim ainda deu pra fazer muita coisa legal nas redondezas de Santiago :)

      Responder
  2. Kely
    18 de fevereiro de 2013 at 21:17 (6 anos ago)

    Fui ao Chile a 1a vez em outubro do ano passado, ameeei, isso que só fiquei em Santiago, não vejo a hora de ir novamente e explorar as redondezas!

    Responder
    • Mariana
      Mariana
      19 de fevereiro de 2013 at 5:28 (6 anos ago)

      Pois é Kely, difícil encontrar alguém que tenha voltado de lá sem ter gostado.
      Volte mesmo, porque vale muito a pena. Tem muita coisa legal para ver por lá. Meus 4 dias não foram nada e também quero voltar logo.
      :D

      Responder
  3. Lidia Norte
    19 de fevereiro de 2013 at 13:03 (6 anos ago)

    Gente do céu! Eu escapei de raspão, hein? Voltei do Chile dia 10, domingo, e até a hora que saí de lá tava tudo normal… Acho que o país ficou triste com a minha partida e as forças da natureza resolveram se rebelar! Hehehe! =P

    Beijos!

    Responder
    • Mariana
      Mariana
      19 de fevereiro de 2013 at 13:53 (6 anos ago)

      Lidia,
      O terremoto foi justamente no dia 10!!
      Agora sim eu tenho certeza que foi tudo culpa sua. Hahahaha

      Responder
  4. Piracetam
    23 de fevereiro de 2013 at 6:51 (6 anos ago)

    Parece incrível, mas ainda não conhecíamos essa cidade. E eu diria que não fazia falta ao nosso currículo. Mas agora ela já consta da lista de cidades onde já pusemos nossos pezinhos.

    Responder

4Pingbacks & Trackbacks on Viajando com Murphy: Santiago

Leave a Reply